Por Francisco Cândido
Em 04/09/2019

RUA CORONEL PINTO  - Centro.


Manoel Pereira Pinto nasceu no dia 31/08/1864 na cidade de Coimbra/Portugal. Ainda jovem veio para o Brasil, precisamente para o Grão-Pará, como era conhecida a região econômica e política do Norte do Brasil, composta pelos Estados do Pará e Amazonas (com abrangência também do Estado do Maranhão). E, diga-se de passagem, Roraima já pertenceu ao Estado do Maranhão em virtude de sua localização ao Norte do Brasil, quando esta área de terras era chamada de “Vale do rio Branco” e toda região fazia parte do “Maranhão e Grão-Pará”. 

Com a vinda do marquês de Pombal (Sebastião José de Carvalho e Melo -, ministro de D. José I, rei de Portugal, 1750 a 1777) para o Brasil, começaram as mudanças, dentre as quais: Extinção das capitanias hereditárias; a transferência da representação do governo português no Brasil (do Maranhão para Belém do Pará); a criação da “Companhia do Grão-Pará e do Maranhão”- para centralizar os interesses de Portugal; e a instalação de Fortes com guarnições militares em pontos estratégicos da fronteira do Brasil com outros países. Foi assim, nesta época, que foi construído o Forte São Joaquim do Rio Branco, às margens do rio Tacutu, aqui em Roraima. A construção foi iniciada em 1775 e concluída em 1777. 

Boa Vista passou a fazer parte do Estado do Amazonas, quando em 09 de Julho de 1890 o governador daquele estado, o coronel Augusto Ximeno de Villerroy, criou o Município de Boa Vista do Rio Branco. 

O personagem central desta reportagem, o coronel Pinto (Manoel Pereira Pinto),  deixou Portugal e veio com a família para Belém do Pará, onde ingressou na vida militar passando a servir à Guarda Nacional. Finalizou a carreira no posto de coronel e dai passou a ser chamado de “Coronel Pinto”. Ao ir para a reserva, saiu de Belém, capital, e foi morar na Ilha de Marajó, passando a trabalhar com criação de búfalos e gado (bois e vacas), em suas propriedades. Foi lá que conheceu e casou com Maria Diniz de Lima Pinto – filha do rico fazendeiro Sebastião Diniz. Passados alguns anos, o coronel Pinto veio para Boa Vista, no inicio de 1944, quando Território Federal do Rio Branco e se instalou na região da Serra da Lua, onde constituiu fazendas e foi proprietário de grande extensão de terras. 

Depois veio para a capital Boa Vista e foi contratado pela Prefeitura para exercer a atividade de “Guarda-livros”, o equivalente hoje a Contador, contabilista. O casal Manoel Pereira Pinto e Maria Diniz de Lima Pinto teve vários filhos: Ernesto Pereira Pinto (foi Ministro do Trabalho no Brasil); Ernestina, Aurélio, Aurelina, Joaquim, Regina, Branca, Manoel Parimé e Manoel Vitorino Pereira Pinto (este foi por muitos anos Tabelião do primeiro Cartório em Boa Vista. Era casado com a senhora Blandina Castelo Branco Pereira Pinto “Tia Nazinha” –, uma das primeiras parteiras de Boa Vista).

Quanto ao Coronel Pinto era Maçom, e foi um dos fundadores da Maçonaria em Roraima. A instalação se deu no dia 09/09/1940, quando se reuniram os maçons: - Manoel Pereira Pinto, Antônio Pinheiro da Silva, José de Souza, Manoel Afonso dos Santos Junior, Severino Pereira da Silva (Severino Mineiro – fundador do Uiramutã), Francisco Barbosa Monteiro, Orminio Barroncas e Antônio José Vinhaes. 

Passados mais de 40 anos, sob a jurisdição da Grande Loja Maçônica do Estado do Amazonas, a Loja de Roraima recebeu o Decreto nº 032/80/83, de 14 de maio de 1981, autorizando a efetivação da Grande Loja Maçônica de Roraima com as suas três primeiras Lojas: “Liberdade e Progresso nº 1”, aqui em Boa Vista (situada à Rua Coronel Pinto nº 396, Centro); a Loja “13 de Maio nº 2” (no Município de Caracaraí); e a Loja “Sylvio Lofego Botelho nº 3”, também em Boa Vista (no Bairro 31 de Março).

A Grande Loja Maçônica do Estado de Roraima é considerada de “Utilidade Pública” por iniciativa de um Projeto de Lei de autoria da vereadora, à época, Pleneilda Praxedes, aprovado em Plenário da Câmara Municipal e reconhecido como tal pela Prefeitura Municipal de Boa Vista, conforme Lei nº 857, de 10/05/2006, sendo publicada no Diário Oficial do município, sob nº 1725, datado de 17/05/2006.

O Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado de Roraima é o maçom Tadeu Peixoto Duarte, e o Eminente Grão-Mestre é o maçom Hugo Camacho. Tomaram posse no dia 31 de Julho de 2019, para um mandato de 4 anos.

Quanto ao Coronel Pinto, o personagem central desta reportagem, nasceu no dia 31/08/1864 e faleceu no dia 05/05/1965 – aos 101 anos de idade. Em sua homenagem, a Prefeitura Municipal de Boa Vista denominou uma rua com o seu nome: “Rua Coronel Pinto”. É onde estão situadas a Imprensa Oficial, a Seplan e a Secretaria Municipal de Finanças, no Centro da cidade.

Francisco Cândido
franciscocandido992@gmail.com
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Minha Rua Fala
+ Ler mais artigos de Minha Rua Fala