Por Opinião
Em 15/09/2020

NOSSA CONSTITUIÇÃO NÃO É RESPEITADA 

Marlene de Andrade*

“A justiça engrandece a nação, mas o pecado é uma vergonha para qualquer povo. (Provérbios 14:34

 

A Constituição Federal/CF diz no seu artigo 5° o seguinte: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”. Ocorre que na prática vivemos em um país injusto. Ora veja só, um goleiro que segundo a mídia matou a amante e desapareceu com o corpo dela  agora está solto e empregado em um time de futebol atuando como goleiro; Suzane von Richthofen deixa prisão para "saidinha" de Dia das Mães; Lula e seus amigões condenados estão soltos, Flordelis não pode ser presa porque tem imunidade parlamentar, STF quebra a CF quando bem entende, políticos corruptos passam por cima de todas as regras possíveis e imaginárias da ética e dos bons costumes e nada lhes acontece e aí? O Art. 5º da CF está sendo respeitado? 

E o que acontece quando um morador de rua rouba uma maça de um supermercado para matar a sua fome? Vai preso na hora e isso não está errado, porém vemos criminosos de colarinho engomadinho respondendo por crimes seríssimos em liberdade, valendo-se de advogados de alto padrão para inocentá-los ou ir empurrando o processo até que ele caia em prescrição seria tudo isso justo? 

Devido esta realidade não é possível crer em igualdade em nosso país. Também não é possível crer em igualdade enquanto milhares de pessoas morrem de fome, no Brasil, sem direito a educação, saúde e entre outros, infraestrutura de qualidade. Infelizmente, vivemos no país do vale tudo para proteger os poderosos. 

 Todos os dias, na grande maioria das vezes, a classe alta, políticos corruptos e parte do judiciário mandam e desmandam, no Brasil, conforme seus interesses. Eles estão todos protegidos e por isso se consideram os deuses e se esquecem de que um dia morrerão e nada levarão para suas sepulturas. Esquecem porque ficam tão inebriados pelo poder que não se lembram de que são seres humanos destinados também à morte. Nesse víeis, cabe questionar: o que Chaves, Fidel Castro e tantos outros corruptos levaram para suas sepulturas? 

Desde todo o sempre alguns grupos, aqui no Brasil, se aproveitaram de seus prestígios para dominar pela força. Aí a Constituição Federal vem nos dizer que somos todos iguais perante a lei? Chega de mentira, chega de corrupção em nosso país, caso contrário nos transformaremos numa Venezuela, Cuba, Argentina e entre outros, Coreia do Norte se volta. Será isso que o povo brasileiro deseja?   

 

*Médica Especialista em Medicina do Trabalho/ANAMT- AMB-CFM; técnica em Segurança do Trabalho; pós-graduada em Saúde Pública - CRM- 339 RQE-431 

 

UM JOGADOR IMPRESTÁVEL

Afonso rodrigues de Oliveira*

“Se não houvesse tristeza para esvaziar-nos o coração, onde haveria lugar para alegria? (Doroty Stewart)

Há amigos que me trazem grandes recordações. Não fosse isso e não seriam amigos, claro. Às vezes fico pensando em coisas do passado e sinto falta da presença deles. Aí me sento aqui para cumprimentá-los, mas cadê espaço? Mas o que mais me conforta é saber que cada um deles sabe estar nesse grupo. Pensando em tudo isso, lembrei-me do quanto historiazinha com cara de brincadeira, divertiram muito o Fernando Quintella. Outro cara que se divertia com piadinhas que eu usava nos meus papos, era o Plínio Vicente. Lembrando-me deles, sorri.

Outra pessoa, amigo querido, foi o Professor Newton Campos, que já não está mais entre nós, e me deixou saudade. O Newton riu muito quando escrevi, no início da década dos oitentas, que “O maior desejo do Zico era jogar no Baré. Mas o Zico a quem eu me referia era um jogador de futebol de um time da Confiança, no Município do Cantá, em 1983. Certo dia, conversando com o jogador, ele me disse que seu desejo era jogar no Baré. E pronto. 

Outra estória, mal contada foi a da senhora de noventa e quatro anos de idade, que estava internada no hospital e contratou um professor para lhe ensinar hebraico. Certo dia a enfermeira, curiosa, lhe perguntou, por que ela queria aprender o hebraico, já naquela idade e internada em um hospital. Tranquila, a senhorinha respondeu: “Minha filha, como é que você quer que eu fale com o Homem, quando eu chegar lá em cima, se eu não conhecer o idioma dele?”

Décadas atrás, o pessoal divertiu-se com o que contaram do Vicente Mateus. Ele foi o presidente mais famoso, do Corinthians. Mas era mais famoso pelos arrufos que falava. Certa vez correu um boato que o Corinthians iria emprestar o jogador Sócrates, para o Flamengo. Um repórter foi até o Vicente Mateus e lhe perguntou se era verdade o boato. Irritado o Presidente respondeu: “Como é? Você acha mesmo que o Corinthians seria capaz de fazer um absurdo desses? Emprestar o Sócrates? Meu filho, fique sabendo que o Sócrates é um jogador imprestável!”

Um abração do tamanho do mundo, para todos os meus amigos que não consigo mencioná-los aqui, por falta de espaço. Mas estão todos e todas, do lado esquerdo do meu peito. Amo-os e tenho-os como se fossem membros de minha família. Porque, na verdade, eles formam uma família, pela qual tenho profundo respeito. Um abração, com a certeza de que brevemente nos encontraremos para um abraço-quebra-costelas, independentemente do distanciamento pelo coronavírus. Nada é mais importante do que a amizade. Pense nisso.

*Articulista

Email: afonso_rr@hotmail.com

99121-1460   

Opinião
fale@folhabv.com.br
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!