OPINIÃO - Folha de Boa Vista
Por Opinião
Em 21/04/2021

ERA PIRAMIDE?

*Dolane Patrícia


Era uma quinta-feira, dia 15 de abril, parecia uma manhã como outra qualquer, até que meio dia, uma notícia publicada no jornal Folha de Boa Vista despertou a atenção de muitos: Uma empresa que trabalhava de forma presencial com investimentos, começou a funcionar no formato Home-office, em razão de sofrer ameaças.

Foi quando surgiu a pergunta: Porque estariam sofrendo ameaças? Segundo a reportagem, “a mudança aconteceu após várias pessoas que dizem terem sido lesadas, irem até a sede, da empresa e ameaçarem funcionários no local.”

A reportagem foi realizada após uma denúncia onde um dos investidores alegou ter sofrido atrasos nos pagamentos prometidos pela empresa.

O fato trouxe um questionamento: Era uma Pirâmide Financeira? Anos atrás dei uma entrevista para a revista Valor Econômico sobre o assunto e seria importante esclarecer o que é uma pirâmide financeira. Um esquema fraudulento que atrai investidores com a promessa de ganhos rápidos e retornos altos

Qual é o maior problema? Muitas vezes a população pode nem perceber quando ingressou em um sistema de pirâmide até ser tarde, acreditando nas ilusões prometidas de dinheiro rápido, com operações supostamente legais. Ademais, com a pandemia, muitas pessoas que se encontram sob pressões financeiras de caráter imediato, tomaram decisões financeiras que poderiam ser diferentes caso elas estivessem em outro contexto, o que agrava muito a situação.

Mas existe um problema ainda maior, geralmente essas empresas que oferecem juros altos, não tem autorização para realizar essas operações financeiras, os investidores não tem como saber se as mesmas são ou não autorizadas a realizar essas operações e na verdade nem conhecem a burocracia exigida para se trabalhar nesse ramo de investimento.


Nesse sentido, em razão de serem informações bancárias confidenciais, além de serem regidas por contratos que não são acessíveis aos investidores e por confiarem na boa-fé do proprietário, geralmente pessoa bem comunicativa e conhecida da sociedade, não exige que seja apresentada a autorização para realizar a operação financeira contratada.

No caso em tela, segundo a reportagem, as negociações aconteciam numa sala onde teriam cerca de 23 terminais, supostamente acompanhando as bolsas de valores de vários países, e o mesmo foi informado que eles operavam legalmente com tudo registrado pela plataforma “ IQ Option “ e que o rendimento da aplicação seriam de 20% líquido ao mês.

No mês de janeiro a proprietária, ainda de acordo com as reportagens, teria informado que naquele mês o valor líquido seria de 17% porque seria retido na fonte para pagamento de IR o percentual de 3%.

No mês de fevereiro o empresário estranhou o não recebimento do valor na data que costumava receber, e ao ligar teria sido informado que o pagamento estaria em atraso devido ao período do Carnaval, em seguida, após outro atraso foi informado que uma grande parte dos funcionários da empresa teriam pego Covid19, o que atrasou novamente as operações.

Já no mês de março, foi informado de que não receberia porque estariam tentando repatriar o dinheiro, pois os investimentos teriam sido feitos fora do Brasil.

Ainda em consonância com a Folha, o valor mínimo para aplicação é de R$ 5 mil reais e apenas no grupo de investidores que se juntou para tentar receber o valor investido na empresa, era cerca de R$ 150 milhões.

Quanto plataforma IQ Opition, utilizada pela empresa, a Folha descobriu que a mesma foi investigada em 2020 pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) após ter sido alvo de milhares de reclamações pelo mundo.

Após ser procurada pela Folha, a empresa emitiu uma nota se posicionando sobre o assunto, informando que era uma empresa idônea e de credibilidade.

A Polícia Federal chegou a deflagrar a operação Loki, e cumpriram cinco mandados de busca e apreensão em Boa Vista/RR, expedidos pela 4ª Vara Federal Criminal de Roraima após representação da Autoridade Policial e manifestação favorável do MPF.

Destarte, é necessário considerar o que as pessoas que fizeram investimentos, venderam carros, casas e foram até criticados, no entanto, falar em valores em momento de vulnerabilidade, bem como palavras como oportunidade singular, seguidas de um sentido de urgência, criam uma referência para uma decisão, uma vez que nossas decisões são afetadas pela forma como vemos as opções diante de nós .

No meio de um flagelo mundial que assola a humanidade, uma pandemia de consequências colossais, diante de um futuro incerto, muitos viram esse investimento como uma oportunidade única.

Essas questões, muitas vezes enraizadas, causam consequências desastrosas, o apelo de popularidade que não é tão fácil resistir e muitos se aproveitam exatamente de vulnerabilidades de desconhecimento, desemprego, falta de autonomia financeira, baixa estima, dentre outras coisas para oferecer negócios arriscados com juros altos e rápidos.

Como diz Agnelo Pavini, muitas pessoas são vítimas de golpes financeiros em todo país, as chamadas pirâmides, esquemas que prometem ganhos elevados em um curto espaço de tempo, usando como argumentos aplicações em moedas digitais ou em mercados e bolsas no exterior. (Ações da Arena).

Além do ganho muito acima da realidade, essas empresas oferecem comissões para quem indicar novos participantes, uma forma de realimentar a pirâmide, que vai pagando os resgates de quem sai com as aplicações de quem entra.

E continua, na realidade, não há investimento nenhum, apenas a troca de recursos entre os que entram e os que saem. Os que investem acreditam que estão ganhando ao acompanhar seus saldos crescendo pela internet, na maioria das vezes meras ilusões digitais...

*Advogada, Juíza arbitral, Escritora, coach, analista de perfil comportamental, apresentadora de TV. Mestre em Desenvolvimento Regional da Amazônia, pós-graduada em Direito Processual Civil e Direito de Família, Pós graduanda em Direito Empresarial, Marketing digital e Branding Personalidade Brasileira e Personalidade da Amazônia. Whats (95) 99111-3740.


DESIGUALDADE SOCIAL NA PANDEMIA


*Rosalvi Monteagudo


A desigualdade social é entre as pessoas, tomando como comparação o econômico, dentro de uma sociedade. A consequência da desigualdade social é: educação, trabalho informal, salários baixos, dificuldade de acesso aos serviços básico: saúde, transporte público e saneamento básico. Esta é uma questão não solvida que em grande parte diz respeito aos piores IDH’s ( Índice de Desenvolvimento Humano) do Brasil.

A pandemia trouxe consequências desastrosas para a desigualdade social como demonstra vários indicadores sociais. Reduzir as desigualdades sociais que têm sido agravadas desde o ano passado como consequência da pandemia será uma grande incitação para luta no mundo. As taxas de crescimento afastam progressivamente o desempenho das economias emergentes, incluindo a brasileira. Além disto, a vacina avança de forma inconstante, o desemprego permanece fora de controle e a pobreza aumenta. A busca de um novo “auxílio emergencial” demonstra a desigualdade social. A pandemia demanda mais investimento na saúde e auxilio emergencial, num ambiente de grave crise fiscal.

O mercado de trabalho formal demonstrado pelo Pnad, na média móvel trimestral dessazonalizada, de janeiro 2021, apurou a destruição de 139 mil vagas de acordo com o IBGE, a situação do emprego no Brasil impressiona negativamente, fato confirma a queda expressiva do consumidor”. ( Estadão 05/04/21/ economia B2). Ao redor de 40% dos ocupados trabalham no mercado informal e a taxa do desemprego atingiu 14,7% até janeiro de 2021. As estatísticas tornam agressivos demais o desemprego criando um episódio contundente de grandes proporções, aumentando a desigualdade social.

Como consequência da má distribuição de renda a desigualdade social é afetada pelo seguinte: favelização; pobreza; miséria; desemprego; desnutrição; marginalização e violência. Enquanto os tipos de desigualdade social são:- desigualdade econômica; desigualdade regional; desigualdade social e desigualdade do gênero.

Com a pandemia, Covid 19, a desigualdade social e a pobreza têm soluções difíceis para a maioria dos países, no momento. A principal causa da desigualdade social é a pouca oportunidade de trabalho; além de concentração de renda e poder; má administração dos recursos públicos, falta de investimento cultural. O programa emergencial é responsável pela desigualdade no país, pois atualmente o valor é muito baixo e o problema do desemprego tem aumentando.

Precisa-se resolver o problema de desemprego e da falta de aprovação de reformas, como a tributária e a administrativa. Outro grande problema é a falta de distribuição de renda e investimento na área social, como educação e saúde. Isto provoca a concentração de renda numa minoria que detém os recursos e a maioria dá origem à desigualdade social. As causas mais comuns são:- má distribuição de renda; má administração dos recursos; lógica de acumulação do mercado capitalista; falta de investimento nas áreas sociais, culturais, saúde e educação; falta de oportunidade de trabalho e corrupção. Sem condições de saúde e educação será impossível obter oportunidades de empregos.

Segundo relatório da ONU (2010) as principais causas da desigualdade social são: falta de acesso à educação de qualidade; política fiscal injusta; baixos salários; dificuldade de acesso aos serviços básicos: saúde, transporte público e saneamento básico.

No Brasil existem seis ações praticas para reduzir a desigualdade social:- Vacinação para todos igualitariamente; estar sempre muito bem informado; comprar do pequeno, das lojas de bairro; pressionar as políticas públicas; repensar o capitalismo; investir mais em negócios sociais. Diante disto, infelizmente os ricos ficaram mais ricos durante a pandemia do corona vírus. A maior vitima do covid 19 é o homem negro e pobre, o País ultrapassa a marca das 370 mil mortes, e a maioria tem cor e estão sem emprego, etc, segundo o SUS (sistema único de saúde)

A retomada do auxilio emergencial ocasiona a diminuição do problema da fome, apesar de insuficiente. Isto obriga-nos a aumentar a solidariedade, devido a essa onda que estamos vivendo ainda maior da covid.

A favelização é um dos grandes problemas da desigualdade social, são comunidades que têm uma vida precária e não dispõem de um mínimo de infraestrutura, além de não terem posse do terreno em que moram. Estas são resultados da desigualdade social e consequência de um grande número de pessoas que vivem de forma desumana criando a miséria e baixas condições de vida. Na pandemia as favelas têm tido escalada de contágio, diminuição de medidas restritivas, redução das oportunidades de trabalho e renda, inflação da cesta básica e um auxilio emergencial insuficiente. A desinformação é um dos fatores da grande desigualdade na saúde, também.

A população já é acometida de quadro de desnutrição e agora com o covid 19 aumentou, além da fome que assola as favelas que vivem de doações, 82%; além do prolongamento da pandemia que passaram a depender das doações que infelizmente, atualmente caíram dramaticamente. É preciso, repensar essa desigualdade social que têm aumentado com a segunda onda, senão teremos muitos problemas. A organização socioeconômica é um meio de resolver, mudanças de políticas públicas de inclusão social, política econômica para população de baixa renda e solidariedade são ações a ser tomadas com urgência.

** Rosalvi Monteagudo é contista, pesquisadora, professora, bibliotecária, assistente agropecuária, funcionária pública aposentada e articulista na internet. Mestre em Cooperativismo pelo CEDOPE/UNISINOS (São Leopoldo, RS) e autodidata, lê e estuda sobre Economia e o forte papel que exerce no social.


Na sabedoria simples

Afonso Rodrigues de Oliveira

Se o mestre for realmente sábio, ele não o levará a entrar na casa da sabedoria dele, mas, sim, o guiará para os limites de sua própria mente”. (Gibran Khalil Gibran)

Dirigir guiando, mas para os limites de cada um. Não devemos dirigir se não estivermos com a consciência integrada no dever. Não tente fazer com que os outros façam o que você acha que eles devem fazer, mas abra o caminho para que a outra pessoa encontre o caminho que realmente lhe interesse. Faça isso com seus filhos. Oriente-os sem a intensão de dirigi-los. O Mestre Moisés Hause certa vez disse, numa conversa amigável: “O bom exemplo é a melhor didática”. Então vamos dar um bom exemplo a quem queremos orientar.

Não tente trazer alguém para a sua sabedoria. Fique na sua, independentemente do quanto você é considerado um sábio. Somos apenas o que somos, e nada mais. E é precisamente por isso que devemos aprender a cada minuto, na vida, para que sejamos amanhã, o de amanhã, no de hoje aprimorado. Simples pra dedéu.

Acordei, hoje, pensando em falar sobre dois casos, vividos na minha adolescência, que estão me coçando a memória. Mas não vai fazer diferença. São dois exemplos vividos que foram muito importantes pra mim. E a importância está precisamente na simplicidade associada ao valor. Lembrei-me de duas pessoas que depois do nosso contato profissional, seguiram caminhos diferentes, e atingiram o topo da escada da vida, com resultados diferentes. Um para o bem e outro para o mal. Mas vamos deixar isso pra lá, mesmo sabendo que seria um exemplo de como devemos fazer, independentemente do resultado.

Nunca se considere um sábio. Tudo que você sabe, por mais que saiba, não é mais do que um pouco do que deve saber. E é por isso que devemos aprender em todos os momentos da vida. A Universidade do Asfalto está aberta a todos os seres de origem racional. E todos nós viemos do Mundo Racional. Então não temos por que ficarmos perdendo tempo com a vaidade vazia de sermos o que pensamos que somos. É nas caminhadas que nos aperfeiçoamos no saber. E seja qual for sua posição social, profissional ou, seja lá o que for, você é apenas um aprendiz da vida.

Nunca baixe sua cabeça para ninguém, nem fique o tempo todo olhando para o bico do seu sapato. Mantenha sua cabeça erguida, mas sem empáfia. A simplicidade demonstra sabedoria. E ser simples não é ser vulgar. É saber que somos todos iguais nas diferenças, e que por isso devemos respeitar as diferenças. Faça isso e passe essa mensagem para seus filhos. Porque é assim que você vai orientá-los para o futuro deles. É nele que eles vão viver. Pense nisso.

afonso_rr@hotmail.com

99121-1460



Opinião
fale@folhabv.com.br
Cadastrar-me Enviar Comentário
Macuxi disse: Em 21/04/2021 às 10:34:00

"Sobre a opinião da advogada Dolane. É bom saber que toda empresa deve ser cadastrada no CNAE - Cadastro Nacional de Atividades Econômica. De posse desse conhecimento, a pessoa ver a atividade principal e secundária de qualquer empresa. A consulta é aberta, qualquer pessoa pode consultar. Caso a empresa não esteja trabalhando dentro do ramo especificado no cadastro desconfie. No caso da By Money era só enviar e-mail para a Comissão de Valores Mobiliários - CVM. O problema é que normalmente as pessoas enxergam tão-somente os benefícios e deixam os custos de lado. Viram a oportunidade de ganhar, mas não avaliaram os riscos de perde muita grana. O resultado está aí, alguns colocaram suas economias de longo período. E agora dificilmente receberão os seus recursos. Triste enredo para não dizer trágico."