Por Opinião
Em 05/09/2019

A migração e os impactos no crescimento populacional de Roraima - Flamarion Portela*

O grande fluxo migratório venezuelano que se abateu sobre Roraima nos últimos anos trouxe um reflexo que já era notado pelo roraimense, mas que parece ignorado pelo Governo Federal.

Os dados da estimativa populacional dos estados e municípios brasileiros, com referência em 1º de julho de 2019, divulgado na última semana de agosto pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) comprovou o que já era notório: Roraima teve o maior aumento populacional entre os estados brasileiros, com acréscimo de 5,1%, chegando à estimativa de 605,7 mil habitantes em 2019. Boa Vista, também segundo o IBGE, foi a capital de Estado com a maior taxa de crescimento da população, com um aumento de 6,35%. 

O levantamento do IBGE trouxe ainda outro dado preocupante com relação ao município fronteiriço de Pacaraima, no norte do Estado, que apresentou a maior taxa geométrica de crescimento populacional do Brasil, com 11,7% e uma população estimada em 17.401 em 2019.

O mais preocupante ainda são os números conflitantes que os órgãos públicos e organismos que atuam no auxílio aos migrantes apresentam. Quem anda pelas ruas de Boa Vista percebe, seja nos semáforos, seja as calçadas e até prédios públicos abandonados, a quantidade de venezuelanos que estão à mercê da própria sorte. De acordo com dados do Governo Federal, entre as idas e vindas, 162 mil venezuelanos permanecem em Roraima. Pelos números da Prefeitura de Boa Vista, são 53.500 venezuelanos vivendo nas ruas da Capital. A Operação Acolhida, chefiada pelo Exército com apoio da ACNUR, o Fundo da ONU para Refugiados, diz que apenas 300 venezuelanos vivem nas ruas da nossa cidade e outros 2.200 estão em casas e prédios invadidos.

Números à parte, o que é certo é que houve um crescimento populacional desordenado em Roraima, sobretudo em Boa Vista, que tem trazido reflexos contundentes para quem mora aqui, sobretudo na Segurança Pública e na Saúde.

Os dados da Prefeitura de Boa Vista são alarmantes. Somente nas unidades básicas de saúde municipais já foram quase 400 mil atendimentos a venezuelanos entre 2017 e 2019. No Hospital da Criança já foram mais de 28 mil atendimentos entre 2016 e 2019. O Hospital Geral de Roraima e a Maternidade Nossa Senhora de Nazaré estão superlotados com migrantes. A cada dia aumentam os crimes envolvendo venezuelanos. Já são mais de 300 que estão reclusos no nosso Sistema Prisional.

O Governo Federal precisa encontrar uma saída urgente para essa situação. Roraima não comporta tanta gente sem um auxílio externo. E não se vislumbra uma solução no nosso país vizinho em curto prazo, o que pode agravar mais ainda o quadro de migração para o nosso Estado.

Roraima pede socorro!

*Ex-governador de Roraima


O PREÇO DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL É A ETERNA VIGILÂNCIA - Luis Cláudio de Jesus Silva*

Certa vez. o saudoso herói brasileiro. Carlos Lacerda, afirmou que o “preço da liberdade é a eterna vigilância” e fez dessa frase o slogan da União Democrática Nacional (UDN). No momento em que se comemora o aniversário de Independência do Brasil, tomo a liberdade de adaptar a célebre frase para chamar a atenção para o quão perto passamos de perder nossa independência. Muitas foram as decisões políticas que insistiam em, construindo um projeto de poder, corroer as instituições, roubar nossas esperanças, promover a corrupção e, assim, enfraquecendo nossa independência, nos tirar a liberdade com a implantação de um socialismo que não deu certo em nenhuma parte do planeta. Mesmo que os brasileiros tenham mostrado nas eleições presidenciais o cansaço com a esquerda e seus ideais de poder, o risco ainda existe e é sempre prudente mantermo-nos vigilantes, sob pena de perdermos nossa independência e liberdade.

É nesse contexto que trago o poema “A ordem do Inverso”, do paraense Yuseff Leitão. A letra transformada em canção foi defendida por Juliana Franco no VII Festival de Música Popular Paraense, em 2015, ficando em segundo lugar no festival. Não é demais lembrar que em 2015 o Brasil estava nas mãos do PT de Dilma Rousseff e a Operação Lava-Jato estava a todo vapor.


A ORDEM DO INVERSO

“Roubaram meu amor pelo Brasil
Tiraram minha paz e ninguém viu
Levaram do meu bolso a carteira
A Ordem e o Progresso da bandeira
Roubaram o museu a velha tela
A moralidade da novela
A imparcialidade da impressa
Do simples cidadão a consciência
Roubaram a liberdade de expressar
A privacidade, o celular
A honestidade do congresso
Cobraram neste circo o meu ingresso
Roubaram o meu time na final
Compraram o juiz e o tribunal
Roubaram a poesia da canção
E os ideais da revolução
Então tá tudo certo, o que é correto já não vale Mais
É a ordem do inverso no Brasil do tanto faz
Então tá tudo certo, o que é correto já não vale Mais
É a ordem do inverso no Brasil de quem dá mais
Roubaram o remédio do hospital
A verdade do espaço eleitoral
Roubaram a galinha do quintal
Compraram a manchete do jornal
Roubaram as grades da prisão
Colocaram nas janelas, no portão
Do hino roubaram a Pátria Amada
E a futilidade é idolatrada
Roubaram a consciência ambiental
E o verde já não brota no quintal
A água poluída já não presta
Levaram a madeira da floresta
Tiraram a vida de um inocente
Soltaram porque era adolescente
Roubaram a confiança na polícia
Armaram um esquema com a milícia
Então tá tudo certo, o que é correto já não vale Mais
É a ordem do inverso no Brasil do tanto faz
Então tá tudo certo, o que é correto já não vale Mais
É a ordem do inverso no Brasil de quem dá mais
Do futebol roubaram a paixão
Na propaganda da televisão
A Coca já não mata a minha sede
E o “craque” agora é quem balança a rede
Roubaram a imagem da Igreja
Eu rezo para que Deus me proteja
Roubaram o dinheiro do projeto
Roubaram a razão do meu protesto
Meus amigos já nem vejo mais
E a conversa está nas redes sociais
Roubaram do casal a paciência
Levaram da criança a inocência
Cadê o bom exemplo? Não tem mais
Tiraram a autoridade até dos pais
Não levaram a chupeta da criança
Foi mais fácil roubar nossa esperança
Então tá tudo certo, o que é correto já não vale Mais
É a ordem do inverso no Brasil do tanto faz
Então tá tudo certo, o que é correto já não vale Mais
É a ordem do inverso no Brasil de quem dá mais”

Sou extremamente otimista e, creio que estamos no caminho certo. O Brasil precisa dos brasileiros de boa-fé, que sabem o valor da liberdade e o preço que temos que pagar por nossa independência. Vamos ajudar o Brasil a extirpar o câncer da corrupção que surrupia nossas esperanças, corrói a democracia e ameaça nossa Soberania e Independência. 

*Professor universitário, Doutor em Administração.
luisclaudiojs@gmail.com


A razão do desentendimento - Afonso Rodrigues de Oliveira*

“A intensidade das paixões diferem no homem e na mulher, e é por isso que homem e mulher não param de se desentender.” (Nietzsche)

Quanto à intensidade, está ficando cada vez mais difícil de medir. O ser humano, mesmo sem perceber, continua na caminhada pela racionalização. E é nessa gangorra que ele se perde. A mulher luta incessantemente para se igualar ao homem. E não dá pra entender o porquê dessa luta tola. O homem, por sua vez, continua lutando desesperadamente, para mostrar que é superior à mulher. Dois grandes alimentadores de tolice. Por que lutar para se igualar a quem consideramos inferior? Porque quando você tenta se igualar a alguém é porque se sente inferior a ele. Então vamos parar com essa arenga troglodita.

Vamos maneirar nas ações e atitudes. Acho que fica melhor uma conciliação. Comecemos por acreditar que somos todos iguais nas diferenças. E ainda bem que somos diferentes. Se fôssemos todos iguais, o mundo seria um desastre. A mulher é a Deusa da minha rua, do meu mundo, da nossa vida. E isso independentemente de ela ser a boneca inflável que ela mesma quer mostrar que é. Vamos parar com esses arrufos infantis que prejudicam ambos os sexos. Um, porque quer ser e mostrar que é o que querem que ele seja. O outro, por querer mostrar que não é. O rolo fica tão enrolado que está ficando difícil mirá-lo, se franzir a testa.

Vamos nos entender. O homem nunca seria realmente homem sem a mulher. Esta nunca iria se realizar sem o homem. Logo, somos iguais, mesmo sendo diferentes. E ainda bem que somos diferentes. Mas vamos caminhar pelas veredas do nosso destino. Nunca nos julgando inferiores nem superiores, cada um no seu grau de evolução. E esta vem do interior de cada um. No nosso sorriso, na nossa postura, no nosso comportamento social no mundo em que vivemos independentemente da nossa posição econômica ou cultural. É o respeito às diferenças que nos iguala racionalmente. E é na racionalidade que evoluímos, tanto como homem quanto como mulher. Simples pra dedéu. 

Veja a mulher como a criação divina para completar o homem. Porque sem ela não seríamos nem mesmo homens. E se é assim, temos que respeitar nossa companheira, mesmo que ela não nos acompanhe. E daí? Mas vamos nos preparar para os avanços da vida, sobre este Planeta maravilhoso em que estamos porque chegamos. Vamos nos unir pelo respeito. E só conseguiremos isso nos respeitando a nós mesmos em primeiro lugar. Respeitemo-nos com o nosso controle emocional, mental e espiritual. Aprendamos a separar o amor da paixão, e o sexo do ciúme. Sem isso não seremos iguais. Pense nisso.

*Articulista
afonso_rr@hotmail.com
99121-1460  

Opinião
fale@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Opiniao
+ Ler mais artigos de Opiniao