Por Opinião
Em 07/02/2018

Como usar as redes sociais para conseguir bons empregos? - Maira Hess*

Dentro do universo das redes sociais existem diversas plataformas destinadas a fins específicos. O Linkedin, por exemplo, é uma rede extremamente profissional e surgiu com o intuito de facilitar as relações profissionais, entre empresas, parceiros e colaboradores. Para tanto, uma rede tão profissional exige um posicionamento profissional. Redes sociais como o Facebook, Instagram e Twitter possuem finalidades diferentes e, apesar de serem ambientes mais descontraídos, também podem ser utilizados para fechar negócios, fazer network e conseguir boas oportunidades para alavancar sua carreira.

É muito comum, nos dias de hoje, um recrutador averiguar os perfis nas redes sociais dos candidatos à vaga e isso pode ser decisivo na hora da contratação. Afinal, que empresa vai querer um colaborador insatisfeito e que não demonstra controle emocional e equilíbrio em relação à família, amigos e colegas de trabalho? Isso não quer dizer que um usuário das redes sociais tenha que esconder o que pensa ou sente por medo de não conseguir uma determinada vaga ou uma posição melhor na sua empresa atual, mas sim que ele pode buscar ser uma pessoa melhor. A foto escolhida para ser o avatar do perfil, foto de capa e postagens refletem um pouco a personalidade de cada pessoa. Nesse sentido as empresas irão priorizar as vagas para perfis que se relacionem diretamente com os seus propósitos e expectativas e eliminarão aqueles que não correspondem aos seus objetivos. Lembre-se, é como um cartão de visitas, a primeira impressão é a que fica.

Então, onde encontrar oportunidades de trabalho e conseguir bons empregos através das redes sociais? Em primeiro lugar, é preciso desenvolver o senso crítico. Avaliando os seus perfis nas redes citadas acima. Você se contrataria? Imagine-se como o contratante, veja seu perfil e analise, as fotos utilizadas demonstram positividade, seriedade e comprometimento? As legendas demonstram criatividade, otimismo e inspiram outros usuários? Os textos e vídeos publicados e compartilhamentos abordam assuntos inteligentes e contribuem positivamente para a sua comunidade?

Após alinhar a forma que deseja ser visto pelos empregadores você pode começar a seguir as páginas profissionais das empresas que mais admira e que tem a ver com a sua área de atuação, dessa forma você receberá em primeira mão o aviso de novas vagas, comunicado de workshops, palestras e cursos gratuitos ou pagos que enriquecerão o seu currículo e poderão colocá-lo em evidência para o setor de RH.

*Escritora e Especialista em Marketing Digital


LULA E O TRIPLEX Parte I - Dolane Patrícia*

O ex-presidente Lula foi acusado de receber R$ 3,7 milhões na aquisição e reforma do triplex no Guarujá. Para a Justiça Federal, ele recebeu de presente da Construtora OAS.

O imóvel possui cerca de 215m², em um prédio que possui piscina de mais de 10 metros de comprimento de frente pro mar, aquele que Lula descreveu da seguinte forma: “O imóvel era inadequado e sobretudo pequeno... Algo como três Minha Casa, Minha Vida empilhados”, numa comparação perfeita!

Chegou a afirmar que o triplex não era dele...

Até o zelador do prédio confirmou que o ex-presidente Lula era o dono da cobertura triplex.

Mas Lula é bom em afirmações. Em 2005, no auge do escândalo do mensalão e da CPI dos Correios chegou a dizer: “Eu me sinto traído por práticas inaceitáveis das quais nunca tive conhecimento”.

O petista sempre fez declarações polêmicas, principalmente, quando afirmou em meio a acusações de desvio de dinheiro público, que só Jesus Cristo era mais honesto que ele.

O jornal GGN divulgou inclusive que, segundo o Instituto Luiz Inácio Lula da Silva, ele é o presidente mais votado na história da humanidade: “O Instituto Lula calculou todos os votos que o petista recebeu nos primeiros turnos das cinco eleições presidenciais que concorreu – de 1989 a 2006 –, totalizando 136,4 milhões. Contando o segundo turno, o total de votos alcança mais de 278,5 milhões”.

A mesma pessoa foi acusada de comandar o maior esquema de corrupção da história do Brasil.

Ademais, ele possui outros números históricos. É o primeiro ex-presidente do Brasil condenado criminalmente em primeira e segunda instância e com fã clube!

Lula foi condenado na primeira instância pelo juiz Sérgio Moro a 9 anos e 6 meses de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O Magistrado sustenta inclusive que o ex-presidente recebeu o imóvel como propina da empreiteira OAS em troca de favores na Petrobras, numa sentença defendida até mesmo por jurista e por ex-ministra do STJ.

Na última página da sentença, o juiz federal escreve: “Não importa o quão alto você esteja, a lei ainda está acima de você!

O magistrado ainda enfatizou: “A presente condenação não traz a este julgador qualquer satisfação pessoal, pelo contrário”, destacou o MM juiz. “É de todo lamentável que um ex-presidente da República seja condenado criminalmente, mas a causa disso são os crimes por ele praticados...”.

Os advogados de defesa entraram com recurso que foi julgado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), segunda instância das ações da Operação Lava Jato.

O Desembargador João Pedro Gebran Neto, relator do processo, se manifestou nos seguintes termos: "Não estamos julgando nem a vida pregressa das pessoas, nós não estamos fazendo julgamento que não sejam daqueles fatos que estão dentro da denúncia".

Já o Procurador Mauricio Gerum, do Ministério Público Federal (MPF), afirmou: "São as tropas de choque que se formam no parlamento como instrumento de supressão do diálogo e imposição da força como instrumento de decisão. (...) Tropa de choque, com atuação nos mais diversos espectros, foi criada para garantir a perpetuação de um projeto político pessoal, que não admite outra solução nesse processo que não seja a absolvição. Às favas com o que há no processo, mais fácil dizer que não há provas para a condenação, que o julgamento é político, que não é possível a condenação de um inocente. E essas frases foram sendo repetidas como um mantra a ponto de se transformar em conceitos dogmáticos para aqueles que veem no ex-presidente Lula o redentor de um país que estava dando certo, segundo os mais diversos interesses".

O julgamento durou 8 horas e 15 minutos. Os três desembargadores decidiram ampliar a pena para 12 anos e 1 mês de prisão, com início em regime fechado. O cumprimento da pena se inicia após o esgotamento de recursos que sejam possíveis no âmbito do próprio TRF-4. VEJA

Como provas foram apresentados os depoimento de Leo Pinheiro, ex-presidente da OAS e réu no processo; Agenor Franklin Magalhães Medeiros, diretor da área de Óleo e Gás da Construtora OAS e réu no processo.

Foram apresentados também como provas, testemunhos de funcionários da OAS, de empresas contratadas para a reforma do triplex e de funcionário do edifício Solaris sobre as obras e visitas de Lula e Marisa ao imóvel.

Além destes, de documentos rasurados sobre imóvel no condomínio em Guarujá encontrados na casa de Lula e na Bancoop. O desembargador citou ainda depoimentos de delatores da Lava Jato – como Alberto Youssef, Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa – que confirmavam informações de Leo Pinheiro sobre o esquema de corrupção na Petrobras; Gebran afirmou que Lula tinha conhecimento do que ocorria, era "garantidor de um esquema maior", "agia nos bastidores" e que influenciava nomeações da Petrobras, dentre outras. G1

Foi um julgamento técnico e não político, os julgadores não foram nomeados, eram servidores de carreira, isso faz muita diferença no presente caso.

Para Lula, está em jogo a disputa pela Presidência do Brasil nas eleições de 2018. Para os brasileiros, está em jogo a dignidade de uma nação, que na hora do voto, precisa se lembrar: “Lamentavelmente Lula se corrompeu”!

*Advogada, juíza arbitral, Personalidade da Amazônia e Personalidade Brasileira. Mestranda em Desenvolvimento Regional da Amazônia pela UFRR.
Site: dolanepatricia.com.br.


O nosso terreiro - Afonso Rodrigues de Oliveira*

“Somos o único caso de democracia que condenados por corrupção legislam contra os juízes que os condenaram.” (Joaquim Barbosa)

Por acaso, você conhece algum político que condenado por corrupção continua legislando contra os que o condenaram? Se não conhece, você é ingênuo. Não sou, nem pretendo ser, especialista em política. Mas você não precisa ser especialista para ver e reconhecer o desastre político que estamos vivendo no Brasil. Mas não estamos interessados no que acontece lá fora, por isso vamos nos ater ao nosso terreiro. Mesmo porque o que está acontecendo na política não é culpa da política, mas dos eleitores. Afinal, somos nós que elegemos nosso Congresso.

Não faz tanto tempo, houve um movimento para fechar o Congresso Nacional. Foi aí que o Jarbas Passarinho falou: “Com o Congresso podemos até não ter alguma liberdade, mas sem o Congresso não teremos liberdade nenhuma”. Valeu, porque não fecharam o Congresso. E valeu para eles, a liberdade para deitarem e rolarem. E a bagunça aumentou. Cresceu, evoluiu. E não foi à toa que o Ulisses Guimarães também falou: “Na Câmara não há bobos. O menos esperto ficou na suplência”.

E os não bobos deram seu recado que não foi entendido pelos bobos. E aí, iniciou-se uma série de leis tolas e inexplicáveis e que engodam. E ninguém prestou atenção à fala do Rui Barbosa: “Quanto mais corrompida a República, mais leis”. E por não entender, continuamos alimentando a corrupção, elegendo “políticos” corruptos. A aspa, aí, significa que nem todos os que estão na política são políticos. São os que não vivem a política, vivem dela. São os que a usam como o mais eficiente meio de enriquecimento ilícito.

Vamos respeitar mais a política. Sem ela não seremos uma sociedade. E você pode fazer isso, respeitando-se. E você não se respeitará enquanto for usado pelos maus políticos que compram seu voto, fazendo de você um verdadeiro títere. Inicie sua campanha educando-se politicamente, para que possa merecer o direito de votar por dever de cidadão, e não por obrigação. Enquanto você for obrigado a votar não será um cidadão de fato e de direito.

Mas você tem que se preparar para merecer o voto facultativo. Porque enquanto não, os maus políticos não se interessarão em esclarecer você. E continuarão usando-nos, meros e simples eleitores, como marionetes despreparadas. Procure se informar mais sobre o que é a política, para respeitá-la. Porque o problema não está na política, mas nos maus políticos. E eles são responsabilidade nossa. Cuidado na escolha do candidato. Você ainda vota por obrigação e não por dever. Pense nisso.

*Articulista
afonso_rr@otmail.com
99121-1460

Opinião
fale@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Opiniao
+ Ler mais artigos de Opiniao