Por Opinião
Em 07/09/2019

Celebrando a Independência - Paulo Eduardo de Barros Fonseca*

São transcorridos 197 anos do fato histórico que o povo brasileiro celebra como a emancipação política do Brasil, quando o país pacificamente deixou de ser colônia do reino de Portugal. Teriam sido três os fatores que influenciam tal ato: a vontade de grande parte da elite política brasileira em conquistar autonomia; desgaste do sistema político econômico, com restrições e altos impostos cobrados pela Coroa; e, a tentativa da Coroa de recolonizar o Brasil.

Mesmo se tornando uma nação soberana, a vocação de agregar e congregar pessoas de todo mundo, bem como respeitar as convicções e religiões de cada um, manteve-se intacta.

Aliás, essa era é e a postura que a espiritualidade esperava e espera por parte daqueles que habitam este grande país conhecido como a Pátria do Evangelho, que a todos acolhe de braços abertos, como tão bem representa a estátua do Cristo Redentor, símbolo do cristianismo brasileiro.

Comparado com a história de outros povos, com algumas exceções, em nosso país as reivindicações das mais diversas ordens sempre foram superadas pelo caminho da união e da paz.

E assim, neste momento de celebração, todos devem refletir que o melhor combate é aquele que é lutado com paciência e mansuetude, porque trilha pelo caminho do entendimento, da união e da luz, fazendo prevalecer nos corações a vontade de Deus.

Os brasileiros e todos que habitam esta nação precisam ter clara a missão confiada a este país de que se vivenciamos momentos de crise ética, política, econômica e social devemos dar um passo adiante, porque é hora de levantar, mudar e seguir em frente na construção de um novo tempo.

Se há divergências a serem superadas, que sejam no campo das ideias e do respeito, para que sejamos como a luz na escuridão, enquanto aqueles que pela ação generosa da compreensão, do diálogo e do entendimento seguem na direção do amor e do bem de todos.

Mais uma vez, é dado ao Brasil demonstrar ao mundo que aqui vive e convive um povo de índole ordeira e pacífica que foi e é educado no caminho ensinado por Jesus: "Amai-vos uns aos outros como eu vos amei".

Que possamos celebrar a independência moral, ética e espiritual do nosso Brasil e que levemos ao mundo a lição do amadurecimento da consciência político-social do povo da Pátria do Evangelho.

*Vice-presidente do Conselho Curador da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.


Esportes podem ajudar na prevenção do câncer de próstata - Ana Paula Simões*

O câncer de próstata é o segundo mais comum em homens, com quase um milhão de novos casos diagnosticados todos os anos no mundo. É um câncer curável, que pode variar de tumores de crescimento lento (mais comuns) aos agressivos, que progridem rapidamente. Por isso, o diagnóstico precoce da doença é crucial. O câncer de próstata encontrou uma incidência seis vezes maior nos países ocidentais do que nos países não-ocidentais, onde os fatores relacionados ao estilo de vida, dieta, genética e meio ambiente são considerados um papel fundamental.

Os pesquisadores descobriram que a baixa ingestão de carboidratos refinados e o aumento do consumo de ômega-3, proteína de soja, chás verdes, café, romã, resveratrol (presente em framboesas, mirtilos, uvas e vinho) e tomates podem reduzir o risco de câncer de próstata. Este padrão alimentar saudável inclui um alto consumo de frutas e vegetais e uma ingestão reduzida de carboidratos refinados (que podem ser substituídos por grãos integrais), carnes vermelhas cozidas demais, além de gorduras totais e saturadas.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), vários estudos também mostraram que o exercício é efetivo para diminuir o risco de câncer de próstata, apressar a recuperação do câncer já diagnosticado e diminuir as chances de recorrência. Um estudo descobriu que o exercício rigoroso, como participar de um esporte competitivo, parece dificultar a progressão do câncer de próstata em homens com mais de 65 anos.

Alguns esportes podem ajudar a sua vida ser mais saudável. Confira abaixo:

Beisebol

Estar com os amigos e o time são ótimos para a moral pessoal. Mesmo que saia do campo derrotado na partida, você ainda passou horas fazendo exercícios com amigos que ajudam a manter sua mente ocupada e seu corpo ativo.

Natação

É um esporte completo, que faz você refletir mentalmente além fortalecer a musculatura como um todo. E o melhor de tudo: sem se machucar!

Futebol

Certamente conta como exercício vigoroso. Correndo, pulando e jogando são ótimas maneiras de manter seu peso sob controle. Existem vários benefícios de jogar o futsal, por exemplo, pois além de ser bem rápido, tem o lado social. Tente ensinar seus filhos ou netos, enquanto mantém sua pressão sanguínea baixa e seu cardio ativo!

Tênis

É um jogo que pode ser feito como um toque suave com um amigo ou como uma partida competitiva completa, o que for melhor para você. Enquanto estiver se movendo e curtindo, aproveite!

Basquete

É outra ótima maneira de fazer exercícios cardiovasculares ao brincar com seus filhos ou netos. Eles podem ser capazes de driblar e fazer círculos, o que ajuda no seu equilíbrio e reflexo.

Artes marciais

Se você deseja alongar e relaxar sua mente com o tai chi chuan, ou preferir entrar em uma rotina de caratê mais extenuante, as artes marciais combinam força e alívio do estresse com a atividade física. É perfeito para tirar a cabeça de qualquer coisa que esteja incomodando você.

Corrida

Você nunca é muito velho para colocar um par de tênis e começar a correr. Se você é novo para correr, experimente baixar um aplicativo que o leve ao treinamento de 5km? Ou simplesmente aproveite para correr ao ar livre em um parque local, mantendo a sua saúde sob controle.

Bons treinos!

*Professora Instrutora da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e Mestre em Medicina, Ortopedia e Traumatologia e Especialista em Medicina e Cirurgia do Pé e Tornozelo pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. É Membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia; da Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé, da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia do Esporte; e da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte. www.anapaulasimoes.com.br


O segredo do universo - Rodrigo Alves de Carvalho*

Oséias era um homem muito rico. Tinha de tudo, mansões, carros, iates, fazendas, inúmeras empresas etc. E talvez por ter tudo o que queria, Oséias começou a questionar sobre sua existência e a existência do mundo.

- O que mais posso ter? O que me falta? Por que sou assim? Por que estou aqui? De onde veio tudo o que existe?

Com esses dilemas na cabeça, Oséias decidiu largar tudo e ir em busca de respostas. Queria descobrir o segredo do universo.

Com a grana que tinha começou a viajar para lugares místicos e sagrados. Foi para Machu Picchu, mas não encontrou o segredo do universo. Visitou Stonehenge, e também nada de segredo do universo. Fez o Caminho de Santiago de Compostela duas vezes e em nenhum lugar do caminho achou o tão esperado segredo do universo. Conheceu os costumes e tradições judaicas, muçulmanas, budistas e cristãs em vários países, mas nenhuma delas foi suficiente para que compreendesse de fato o segredo do universo.

Sua tentativa mais absurda foi gastar uma enorme quantidade de dinheiro para viajar ao espaço e ficou por mais de um mês em uma estação espacial contemplando as belezas do Cosmo, porém, ao retornar à Terra, ainda não havia descoberto qual era o segredo do universo.

Acabou se transformando num andante com as roupas surradas e barba por fazer. Com isso, sua popularidade cresceu e se tornou um guru. Muitas pessoas começaram a seguir Oséias onde quer que fosse. Essas pessoas também estavam sedentas de conhecimento e procuravam em seu mestre as respostas para o segredo do universo.

Oséias acolhia a todos. E não eram só desempregados e mendigos, havia estudantes, médicos e até empresários no meio das centenas de discípulos buscando a mesma resposta.

Num dia, Oséias disse ter recebido uma mensagem divina e teria que subir até um monte numa cidade onde estavam reunidos para que essa divindade lhe transmitisse, enfim, qual era o grande segredo do universo.

Oséias subiu a montanha e o povo ficou esperando curioso por seu Messias. Ficou lá por três dias e três noites. Quando desceu do monte até as pessoas, todos estavam ansiosos pela revelação.

- Mestre, conte-nos o que o senhor sabe agora. Fale-nos sobre o segredo do universo!

Oséias sorriu. Levantou os braços e exclamou em voz alta:

- É segredo!

*Nascido em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta, possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2018 lançou seu primeiro livro individual intitulado "Contos Colhidos", pela editora Clube de Autores.


Na mira da política - Afonso Rodrigues de Oliveira*

“A hipocrisia, que é pecado na moral, é virtude na política.” (Quevedo)

Pode lhe parecer chatice voltarmos ao assunto. Mas não há como ficar distante dele, quando ele tem a importância que tem, para nosso desenvolvimento. É preocupante ver o mundo girando no carrossel do engodo, pensando que está crescendo na razão. A política, em todos os seus estágios, exige mudanças. Porque sem mudanças não há progresso. Então vamos mudar, iniciando pela nossa maneira de ver a política. Ou mudamos nossas atitudes diante dos problemas fúteis, com os quais ainda perdemos nosso tempo, ou não mudaremos o nosso País. O que é dever e obrigação de cada um de nós. O que nos leva à responsabilidade de fazer, na política, o que deve ser feito politicamente.

O Brasil vive num redemoinho político desde seu descobrimento. Mas não devemos continuar presos no círculo de elefantes de circo. Não podemos, nem devemos, continuar sendo levados por desmandos que ainda não os desligamos da política que alimentamos sem condições. Porque enquanto não formos um povo educado politicamente, não seremos livres para reclamar o que tentamos obter com briguinhas comadrescas. Queiramos ou não, estamos em fase de evolução. O problema é que não conseguimos evoluir. E isso porque não estamos devidamente preparados. Ainda não entendemos que somos nós, cada um de nós, responsáveis pelos acertos e desacertos na nossa política. 

Acho que nossos políticos faladores deveriam ler mais a história do Abraham Lincoln. Ele não discutia, apenas respondia dentro do racional, aos questionamentos vazios. Certa vez, numa reunião do Congresso, um político adversário disse que ele, Abraham, era um político de duas caras. Ele simplesmente apontou para os colegas e falou:

- A resposta fica por conta dos senhores: os senhores acham que se eu tivesse outra cara iria sair por ai com esta?

Quem conhece o Lincoln sabe a que cara ele se referiu. Certa vez, quando ele já era Presidente dos Estados Unidos, seus representantes lhe indicaram um cidadão que deveria ocupar certo cargo. Depois da entrevista, Lincoln rejeitou o candidato. Alegou para os auxiliares que não tinha gostado da cara do homem. Os auxiliares contestaram dizendo que o homem não era culpado pela cara que tinha. Lincoln respondeu que: “Depois dos quarenta todo homem é responsável pela cara que tem.” 

Na política, as respostas devem ser concisas. Quando sabemos o que dizemos, não precisamos esbravejar. E isso, na política, deve ser levado a sério. Vamos falar menos e fazer mais, no que devemos fazer como devemos fazer. “Quem muito fala, muito erra.” Pense nisso.

*Articulista
Afonso_rr@hotmail.com
99121-1460 

Opinião
fale@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Opiniao
+ Ler mais artigos de Opiniao