Por Opinião
Em 19/09/2019

O tempo é o senhor da razão - Flamarion Portela*

Quero falar hoje aqui sobre o tempo. Recebi uma mensagem de um amigo no último sábado, 14, que me fez refletir sobre as transformações que o tempo faz em nossas vidas e achei importante compartilhar com os amigos leitores.

Segue abaixo parte da mensagem, para que o leitor possa entender e refletir:

“Quando um pássaro está vivo, ele come as formigas, mas quando o pássaro morre, são as formigas que o comem. Tempo e circunstâncias podem mudar a qualquer minuto. Por isso, não desvalorize nada em sua volta. 

Você pode ter poder hoje, mas lembre-se: o tempo é muito mais poderoso que qualquer um de nós. Saiba que uma árvore faz um milhão de fósforos, mas basta um fósforo para queimar milhões de árvores. Portanto, seja bom! Faça o bem!

O tempo é como um rio. Você nunca poderá tocar na mesma água duas vezes, porque a água que já passou, nunca passará novamente. 

Aproveite cada minuto de sua vida e lembre-se: nunca busque boas aparências, porque elas mudam com o tempo. Não procure pessoas perfeitas, porque elas não existem. Mas busque, acima de tudo, um alguém que saiba o seu verdadeiro valor".

O maior ensinamento que essa mensagem nos traz é que não importa o quanto dinheiro tenhamos, o quanto bens materiais possuímos, todos somos iguais perante Deus e, independente de qualquer pensamento de soberba, de superioridade perante os demais, teremos todos o mesmo fim.

Muitas pessoas investidas de algum tipo de poder se acham superiores a todos os demais, a ponto de menosprezarem, humilharem e até mesmo maltratarem aqueles que estão ao seu redor, se esquecendo que o poder pode ser temporário e um dia elas podem estar do outro lado da história.

O tempo é implacável e está sempre em constante movimento. O que hoje é de um jeito, amanhã poderá ser de outro bem diferente. 

Não podemos esquecer que tudo que fazemos hoje pode ter reflexos lá na frente, quando menos esperarmos. De uma forma ou de outra, teremos o reflexo de nossas atitudes.

É preciso que tenhamos essa consciência e saibamos valorizar nossas conquistas sem usá-las para pisar os outros, para humilhar, desprezar ou causar algum mal.

Ao mesmo tempo, é preciso que saibamos amar verdadeiramente as pessoas que estão ao nosso lado, nossa família, nossos amigos de verdade, valorizar a vida e agradecer a Deus por todas as nossas conquistas diárias.

O tempo é o senhor da razão e, à medida que ele te traz algo desejado, também te leva algo que desprezastes. 

Valorize seu tempo e tenha a consciência de que ele existe para tudo, exceto para ser desprezado.

*Ex-governador de Roraima


A CPI DA ‘LAVATOGA’ NO PICADEIRO DO SENADO - Luis Cláudio de Jesus Silva*

O vai-e-volta do assina e retira assinaturas, do protocola e não protocola promovido pelos Senadores da República no requerimento que pretende criar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a atuação dos tribunais superiores, midiaticamente batizada de CPI da LAVA TOGA, é mais um triste episódio promovido por alguns senadores que insistem em transformar o Senado Federal num circo onde, ao inverterem os papéis, os palhaços estão na plateia. Com a proximidade das eleições municipais e, após terem visto os holofotes mirarem exaustivamente os membros da Comissão Especial da Reforma da Previdência, alguns dos recém eleitos senadores, buscam também atrair os holofotes e microfones da mídia para aparecerem, ainda que seja com uma proposta que nunca sairá do papel. Mas isso pouco importa, o que querem é construir uma ‘cortina de fumaça’ para enganar os incautos enquanto o país precisa da união de esforços em torno de propostas sérias que ajudem a governabilidade e conduzam o país para fora dessa crise herdada dos (des)governos passados. Aqui, não estou a afirmar que não exista irregularidades ou atos reprováveis nos tribunais superiores, muito pelo contrário, o que se defende é o respeito as normas e aos cidadão de bem que pretendem um país melhor e não merecem serem feitos de palhaços por duas dezenas de senadores.

Até a proposta da CPI, por pretender investigar atos dos tribunais, é inconstitucional e por isso não sairá do papel. Gostemos ou não, ao rechaçar a Lava Toga, Gilmar Mendes está certo. Vejamos: Art. 58 da caduca Constituição Federal de 1988, “O Congresso Nacional e suas Casas terão comissões permanentes e temporárias, constituídas na forma e com as atribuições previstas no respectivo regimento interno ou no ato de que resultar sua criação”. Pois bem, ao fazer remissão às previsões do Regimento Interno, a ele fomos observar e lá encontramos: “art. 146 – Não se admitirá comissão parlamentar de inquérito sobre matérias pertinentes: II – às atribuições do Poder Judiciário;”. É óbvio que, mesmo com a tentativa de camuflar os verdadeiros interesses, mudando os objetivos para criação da CPI, nossos senadores tentam enganar quem? Uma vez que qualquer investigação descambará nas atribuições do Poder Judiciário e de seus membros, sendo, portanto, indiscutivelmente, inconstitucional. Por outro lado, vamos imaginar, extrapolando o hipotético, que uma CPI com esse objetivo seja criada, instalada, atraia os holofotes e os nobres senadores tenham seus momentos de aparição e fama, investiguem e apontem irregularidades. De tudo terão que relatar e, encaminhar para o Ministério Público (MP), ao qual compete oferecer ou não a denúncia buscando a responsabilização dos supostos infratores. Pergunto: para quem o MP enviará a denúncia? Naturalmente, ao Poder Judiciário, a quem, desde a Tripartite dos Poderes teorizada por Montesquieu, compete exclusivamente processar e julgar as infrações cíveis e criminais. Pronto, nesse momento, creio que você, já tenha informação suficiente para tirar suas próprias conclusões.

Não podemos perder de vista que, ainda que tentem contra, vivemos num Estado Democrático e de Direito, onde se impõem a observância e respeito às normas legais. Por outro norte, tais normas foram elaboradas e aprovadas pelo parlamento, leia-se, Câmara e Senado. A quem também compete aprovar ou reprovar a indicação de Ministros do Supremo Tribunal Federal, ninguém chegou lá usurpando o cargo. Por fim, ao invés de transformar o Senado num circo, na hora de aprovar a indicação de ministros, os nobres senadores deveriam observar os ensinamentos de Francis Bacon: “os juízes devem ser mais instruídos do que “espertos”, mais atentos aos fatos do que às suposições, mais sujeitos a ouvir do que autoconfiantes. Acima de tudo, íntegros.”. 

*Professor universitário, Doutor em Administração. luisclaudiojs@gmail.com


Porque viver é assim mesmo - Vera Sábio*

Viver é seguir a lida, desbravar, conquistar, buscar ser mais do que ter e enxergar nas diversidades a possibilidade de sorrir sempre, afinal viver é assim mesmo.

A vida é vencer a ida, sabendo que o que importa é a caminhada e não a chegada, como quem está sobre uma esteira elétrica onde só dá para ficar lá se estiver em movimento. Um passo após o outro, seguindo o ritmo muitas vezes imposto pelas circunstâncias, no entanto é preciso continuar se não quiser cair, se ferir e mesmo não levantar.

Cair e levantar é o que acontece todos os dias, porém precisamos ficar em pé, afinal a vida é assim mesmo.

O importante é que sabemos como é. É assim mesmo, uma hora chora, outra sorri, depois da tempestade vem bonança, nada melhor do que um dia depois do outro com uma noite no meio. E para completar, a vida é assim mesmo.

Assim mesmo, pois somos fortes, pois sobrevivemos em meio a milhares de espermatozoides e não será qualquer decepção, qualquer tropeço daqueles que sabemos que passam que deixam marcas e cicatrizes, apenas para lembrarmos o quanto somos fortes, quando precisarmos lembrar.

Por isso conte até 10, conte até mil, conte o tempo necessário para angustia passar e você com certeza perceberá que não é agora o dia do fim, afinal a vida é assim mesmo.

É assim mesmo, muito melhor se cada um fizer o seu melhor, se cada um contar com forças melhores que vêm do alto e pode ser encontradas em um simples abraço. A vida é assim mesmo, é para mim, é para você, é para todos nós que entendemos que sempre é possível reviver, recomeçar e tentar outra e outra vez.

*Psicóloga, palestrante, escritora, servidora pública, esposa, mãe e cega com grande visão interna. Adquira meu livro: “Enxergando o Sucesso com as Mãos”. Contato: 95 991687731
Blogspot: enxergandocomosdedos.blogspot.com.br


Pelo outro telescópio - Afonso Rodrigues de Oliveira*

“Contados os bens e os males na política, os bens ainda são superiores.” (Machado de Assis)

Não podemos ficar focando só os males quando eles não existiriam se não existissem os bens. Não podemos ficar focando a política como um mal. O mal está em não entendermos a política. É uma ciência que precisa ser estudada e praticada com seriedade. E os responsáveis pelo caminho da ordem são os cidadãos, guardiões da democracia. E tudo está no cadinho político. E enquanto não considerarmos esse telescópio não saberemos ver as coisas como elas realmente são, no âmbito político. E não precisamos ser políticos para entender a política. Mas precisamos entendê-la para sermos políticos de verdade. 

Reconheça-se como cidadão. Mas não esqueça de que você só será realmente um cidadão quando tiver uma política realmente democrática. E esta nunca será democrática enquanto continuar obrigando você a votar. Na democracia seu voto deve ser livre. Mas para merecer o voto livre você deve estar preparado para ele. E nós, brasileiros, infelizmente ainda não estamos preparados para a liberdade do voto. Então vamos nos preparar. Vamos parar de eleger “políticos” que não merecem nosso respeito como nossos representantes. Mas não nos esqueçamos de que a responsabilidade é nossa. Ficar resmungando, esperneando e fazendo bagunça contra os desmando na política é tolice. E a bagunça é fruto da ignorância. Levemos em consideração que os maus políticos, que na verdade não são políticos, estão na política porque nós os elegemos. E os elegemos como nossos representantes. Alguém também já disse que todo povo tem o governo que merece. 

 Vamos nos acalmar e olhar os problemas por outro ângulo. Vamos amadurecer politicamente e nos responsabilizar no nosso voto. Vamos valorizar mais a condição de cidadãos, que ainda não alcançamos. E ninguém pode fazer isso por cada um de nós, a não ser nós mesmos em cada um. Respeite-se para merecer a cidadania. E não a mereceremos enquanto não nos respeitarmos nas nossas escolhas por nossos candidatos à política. Somos um País de dimensões admiráveis: “Brasil, esse colosso imenso, gigante de coração de outro e músculos de aço, que apoia os pés nas regiões Antárticas, e que aquece a cabeleira flamejante na fogueira dos Trópicos. Colosso que se estendesse um pouco mais os braços iria buscar as neves dos Andes, para com elas brincar nas praias do Atlântico.” 

Vamos amar e respeitar esse País Colosso Imenso, parando de eleger corruptos. Elegendo-os, você está desrespeitando os que não os elegeram por merecerem respeito. Considere isso e você medirá a dimensão de sua responsabilidade nos desmandos atuais. Pense no seu futuro, nas próximas eleições. Pense nisso.

*Articulista
afonso_rr@hotmail.com
99121-1460

Opinião
fale@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Opiniao
+ Ler mais artigos de Opiniao