Por Opinião
Em 20/05/2020

CONTRABANDO DE GASOLINAE O PRINCIPIO DA INSIGNIFICÂNCIA

Dolane Patrícia* e Edgar Oliveira Campos*

A gasolina no Estado de Roraima está custando em média R$ 3,90 (três reais e noventa centavos). O Estado faz fronteira com a Venezuela, onde a gasolina é vendida por aproximadamente R$ 0,06 (seis centavos).

Essa disparidade de valores entre dois países vizinhos, desperta a prática do contrabando de gasolina. Mas qual a relação do crime de contrabando de combustível, nos moldes atuais, no que tange a realidade do Estado de Roraima e o princípio da insignificância? 

Insta salientar que, embora muitas vezes utilizado de forma sinonímica, às expressões “princípio da insignificância” e “crime de bagatela” não possuem o mesmo teor semântico. O princípio da insignificância é utilizado para se referir à norma aplicável na solução de casos concretos, no passo que o crime de bagatela se refere a condutas típicas de pouca lesão. Isto representa dizer que o princípio da insignificância é aplicável em crimes de bagatela, ou seja, são termos que possuem esferas de existências próprias.

Hodiernamente, o princípio da insignificância não é aceito nos tribunais nacionais quando se refere a crimes de contrabando. O principal argumento que fundamenta a inaplicabilidade do princípio é da natureza proibitiva.

No entanto, já se sabe que o princípio da insignificância é fruto de princípios, tais como, o da proporcionalidade e da intervenção mínima. Neste contexto, resta-nos refletirmos sobre a real necessidade de reconhecimento da infração bagatelar.

As situações específicas podem facilmente serem adaptadas ao contexto social em que o estado de Roraima se encontra, onde se nota a difusão da desigualdade social entre seus habitantes, paralelos no contraste econômico de países vizinhos, principalmente a Venezuela. Salienta-se também que o estado roraimense é partícipe de uma realidade única dentro do contexto nacional.

Isto porque é o único que divide fronteiras diretas com a Venezuela, país que possui combustível ao preço de R$ 0,06, de acordo com levantamento da agência Global PetrolPrice. 

Obviamente, a constatação de pobreza ou desigualdade social em números alarmantes não justifica a conduta criminosa e, inclusive, é o entendimento do colendo Superior Tribunal de Justiça.

No entanto, há que se falar que as constantes omissões por parte do poder público na melhoria da qualidade de vida do cidadão roraimense recaem na chamada teoria da coculpabilidade, compreendida como a situação onde o Estado compensa sua omissão no momento da aplicação da pena.

Nessa prática, duas frentes são adotadas pelos contrabandistas, sendo estes denominados por “caroteiros” ou “tanqueiros”. Caroteiros são os agentes que acondicionam o combustível em diversos galões de plástico, regionalmente denominados como “carotes”. Os tanqueiros, por sua vez, tratam-se dos agentes que cometem o delito por meio da utilização de veículos com tanques de combustível adulterado.

A prática de contrabando não se mostra como uma atividade lucrativa individualmente, o perfil social dos agentes é concentrado em pessoas geralmente desempregadas, com baixa escolaridade e que iniciam tais práticas por circunstâncias de desemprego. Seria interessante que o Poder Judiciário roraimense inovasse no reconhecimento do princípio da insignificância, em crimes de contrabando de combustível, em casos de pequena quantidade, seguindo assim, o posicionamento excepcional do STF e TRF da 1º Região, no que tange a práticas de delitos semelhantes.

Seria também de grande relevância, a ação de políticas públicas que corrigissem a desproporção do preço do combustível no Estado de Roraima, visando diminuir o estímulo dessa prática, pois, como ensinava Michel Foucault: “Existem momentos na vida onde a questão de saber se se pode pensar diferentemente do que se pensa e perceber diferentemente do que se vê, é indispensável para continuar a olhar ou a refletir”.

*Advogada, juíza arbitral, mestre em desenvolvimento Regional da Amazônia,pós-graduada em Direito Processual Civil

* Advogado, pós graduando em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho

Depende de cada um de nós

Afonso Rodrigues de Oliveira*

“Se os homens fossem bons e sábios, o governante poderia usar a benevolência antes do que a severidade. Mas a maioria deles não sendo nem bons nem sábios, convém ao governante apelar mais para a severidade do que para a benevolência. Quem pensa ou age de outra forma prepara sua destruição.” (Francesco Guicciardini)

Basta entender, pelo menos um pouco, de política, para entender isso. Se o povo não fosse analfabeto político os políticos teriam que mudar seu sistema arcaico de atuar na política. Por que será que os governantes não estão nem aí para a educação? Muito embora alguns insistam em tentar fazer o povo acreditar que eles estão investindo na Educação. Quando na verdade, estão investindo com a educação. Para onde vai o investimento, não sei. Nem eu nem você. Porque se soubéssemos mudaríamos o rumo da prosa. Mas, como não fazem nada por nós vamos fazer nós mesmos. Vamos procurar nos educarmos para poder reclamar maduramente, pelos nossos direitos para uma vida realmente digna, de cidadão.

Mas tudo bem. Nós temos o que realmente merecemos. Ainda não aprendemos, porque não nos ensinaram, que a responsabilidade nos desmandos na governança no País é nossa. Que os maus políticos, e são maioria, não fizeram concurso nem foram nomeados para o cargo. Todos eles, tanto os bons quanto os maus, foram eleitos pela maioria de votos, nas eleições. Foram escolhidos e eleitos, por nós. Então vamos parar de gritar e respeitar os direitos da maioria não na disputa, mas na competição. Porque ou nos educamos, ou continuaremos marionetes, títeres de aventureiros que ainda vivem da política e não para a política.

É simples pra dedéu. É só você parar e pensar na análise ao seu candidato para as próximas eleições. Ou você ainda é daqueles que escolhem o candidato que lhes oferece mais dinheiro ou produtos, pelo seu voto? Infelizmente ainda somos a maioria, no grupo. Mas vamos amadurecer para podermos viver uma vida tranquila e com capacidade para encarar os vírus que nos visitarem. Vá fazendo uma reflexão sobre os blá-blá-blás dos que reclamam dos maus políticos que eles mesmos elegeram. Os que quando se sentem enganados não se perguntam se foram enganados ou se se enganaram. Em ambos os casos, foram bobocas pensando que eram cidadãos. Vamos nos preparar para sermos verdadeiramente cidadãos. Porque ainda não temos competência para sermos cidadãos enquanto formos obrigados a votar, nos que nos apresentam como políticos. Porque na verdade, são os que veem a política como o maior meio de enriquecimento. Mesmo sabendo que o enriquecimento aí, é ilícito. Pense nisso.

*Articulista

Email: afonso_rr@hotmail.com

95-99121-1460   

Opinião
fale@folhabv.com.br
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Opiniao
+ Ler mais artigos de Opiniao