Por Parabólica
Em 08/01/2019

Bom dia,

A burocracia e o corporativismo parecem não encontrar limites quando se trata de infernizar a vida do cidadão/cidadã comuns, de sugar dinheiro das pessoas de qualquer forma. Um leitor da Parabólica trouxe até aqui à redação um cupom fiscal de serviço prestado para conferir a assinatura em seis laudas. A despesa total dos serviços foi de R$ 12,00, o que dá uma média de dois reais por cada assinatura. De quebra, é bom lembrar que faz tempo que os brasileiros e as brasileiras lutam para minimizar esse tipo de despesa cartorária, mas até agora foi uma luta em vão, a força do corporativismo fez naufragar todas essas tentativas, mesmo aquelas feitas nos tempos da ditadura pelo então economista e ministro Hélio Beltrão, de saudosa memória.

Para entender a força desse corporativismo é preciso destrinchar as informações contidas nesse cupom fiscal trazido cá na redação. Os R$ 12,00 pagos pelo usuário tem a seguinte composição de custos: R$ 9,60 (para o cartório) + R$ 0,86 (Para o Fundo de Modernização do Judiciário) + R$ 0,48 (para fiscalização - que não se sabe de quê) + R$ 0,48 (para FECOM) + R$ 0,48 (para a prefeitura de Boa Vista referentes ao Imposto Sobre Serviço). É muita gente mamando na mesma teta, o que obriga a vaca – no caso, o cidadão/cidadã – a trabalhar mais para sustentar toda essa gastança. Dá para entender porque, no Brasil, só o Estado e as corporações crescem.

SEM SUCESSO

Faz quatro anos, 14 países do Continente Americano (Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia) criaram o Grupo de Lima, formado por Ministros das Relações Exteriores desses países para tentar encontrar uma saída política e pacífica para a Venezuela, devastada pela corrupção, narcotráfico e ditadura de Nicolás Maduro e sua turma bolivariana. Até agora o grupo não conseguiu qualquer sucesso, mas na semana passada, reunidos em Lima-Peru, 13 dos chanceleres – o do México não concordou com os termos – assinaram uma declaração considerando ilegítima e imoral a posse de Maduro para mais um mandato (2019-2025) programada para ocorrer em Caracas depois de amanhã, quinta-feira (10.01).

RECUPERAÇÃO

Dados do IBGE indicam que apenas seis estados brasileiros terão recuperado, em 2019, o nível de Produto Interno Bruto (PIB) equivalente a 2014, ano que marcou o início da crise brasileira. Para a surpresa dos críticos da ex-governadora Suely Campos (PP), Roraima está entre esses seis estados. Os outros são: Pará, Mato Grosso, Santa Catarina, Rondônia e Mato Grosso do Sul. Em todos os casos quem puxou a recuperação foi o agronegócio, mas no caso de Roraima outro fator impulsionador de crescimento foi a migração de venezuelanos para o estado. Outra surpresa, para os que só vêem malefícios na chegada deles à Roraima. São os números que dizem.

NEM TANTO

Noutro dia dissemos daqui da Coluna, que nada se faz em Roraima que não chegue, direta ou indiretamente, ao conhecimento do público. Pois bem, as poderosas antenas da Parabólica captaram sussurros vindos dos gabinetes do Palácio Hélio Campos dando conta de que a decisão do governador Antônio Denarium (PSL) é de não aceitar indicação de parlamentares para os ocupantes de cargos públicos no seu governo; não é tanto, nem tão pouco. Os sussurros revelam que cada deputado cogitado para compor a base governista na Assembleia Legislativa do Estado (ALE) terá direito de indicar correligionários para nomeação, no segundo e terceiro escalão do governo, até certo limite mensal. A Parabólica sabe o valor, mas não vai revelar.

DIFERENÇA

Na administração passada, era comum ouvir queixumes de ocupantes do primeiro escalão sobre o comportamento de integrantes do segundo e terceiro escalão, que indicados diretamente pelo Palácio Hélio Campos, ou por gente do círculo muito próximo da governadora Suely Campos, eram, na verdade, quem decidia pelos órgãos. Era um constante choque de interesses, com grande prejuízo no desempenho da instituição. Agora, no governo Antonio Denarium, com as exceções que todos conhecem, a cabeça dirigente indicada para os órgãos da administração direta e indireta, vem do Palácio Hélio Campos, mas o corpo tem no DNA uma indicação política. Vai dar certo?

NOVA

O edital de convocação do Colégio de Procuradores para eleger a nova chefia do Ministério Público Estadual ainda vai ser publicado nos próximos dias, mas fontes da Parabólica adiantam que o resultado do pleito já é previsto. No lugar da atual Procuradora-Geral, Elba Amarante, deve ser eleita a procuradora Janaína Costa Carneiro, que atualmente ocupa uma sub-procuradoria geral. Com esta eleição fecha-se o ciclo de mudanças no comando de todos os poderes e órgãos do Estado pelos próximos dois anos.

RESPOSTA

Sobre notas publicadas aqui na Parabólica, na semana passada, que trouxeram aos leitores informações sobre as verbas destinadas à Secretaria Estadual de Educação e Esporte (SEED), mandou correspondência afirmando que os dados do Censo Escolar merecem credibilidade por serem levantados sob critérios rígidos e por servidores que respondem administrativamente e judicialmente por eventuais desvios de comportamento. “Nesse sentido, os diretores e dirigentes dos estabelecimentos de ensino são os responsáveis pelas informações declaradas. A veracidade dessas informações é de responsabilidade solidária entre as escolas e os gestores dos entes federativos...”, diz a Assessoria de Comunicação daquela pasta.

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Parabólica
+ Ler mais artigos de Parabólica