Por Parabólica
Em 13/05/2019

Bom dia,

Forças de oposição a Jair Bolsonaro (PSL) programam para o próximo dia 15.05 (quinta-feira) uma grande manifestação por todo o país para demonstrar o descontentamento da “população” contra o atual governo. O mote para motivar a participação popular é o anúncio de contingenciamento de verbas para as universidades federais brasileiras, que segundo a oposição será de 30% do total. É claro que esse contingenciamento é apenas o motivo mais aparente para a manifestação que os organizadores querem ver gigantesca. Na verdade, quem está por trás da organização são dirigentes sindicais e militantes de partidos de esquerda.

No caso dos “cortes” de orçamento das universidades e institutos federais, o governo, depois do estrago feito, anunciou que em relação ao total das verbas já orçadas até o final do corrente ano, o percentual contingenciado será de algo em torno de 3,5%, levando em conta que os gastos destinados a pessoal, e de benefícios aos estudantes permanecem intactos. Se verdadeiro esse argumento, e parece que ele é, fica mais uma vez claro que o governo Bolsonaro se comunica muito mal com a população. Existe a sensação de que o atual governo confia cegamente no poder das redes sociais e fala demais.

CORREÇÃO

Em nota anterior, aqui na Parabólica, noticiamos que a Câmara de Comércio Brasil-Guiana realizaria um encontro com empresários locais e o embaixador da República Cooperativista da Guiana no Brasil, George Talbot. Erramos na data. Na verdade, o encontro vai ocorrer no próximo dia 22 de maio, uma quarta-feira à noite, e terá a presença do superintendente da Superintendência da Zona Franca de Manaus. Feita a correção.

BOLA DA VEZ

Quem anda animado com as perspectivas da República cooperativista da Guiana é o embaixador do Estados Unidos da América (EUA) naquele país caribenho, Perry Holloway. Ele diz que a Guiana, este pequeno país do Sul do Continente Americano, o segundo mais pobre da região, vai se transformar, dentro de poucos anos, num dos mais ricos graças aos imensos poços de petróleo que estão sendo descobertos em sua costa marítima. Como se sabe, os primeiros desses ricos poços devem começar a ser explorados em 2021. Será tanta grana que a renda per capita da pequena população guianense – menos de um milhão de habitantes – deve saltar para a maior da América Latina.

E NÓS?

Pois é, enquanto empresários estadunidenses e ingleses já estão procurando oportunidades de investimentos na Guiana, inclusive identificando imóveis para construir e alugar, o governo brasileiro e os empresários continuam de costas para esse nosso vizinhos, e quando restarem interessados, por certo já encontrarão competidores que chegaram na frente, e como tais beberam as melhores águas. Aliás, o professor, economista e ex-secretário estadual de Planejamento, Haroldo Amoras, mandou para a Parabólica, via WhatsApp, a seguinte indagação: “Alguém sabe qual é a política externa do Brasil em relação à República Cooperativista da Guiana?”. De fato, ninguém sabe.

BENEFÍCIO

É claro, se as previsões sobre o futuro próximo da Guiana estiverem corretas, o estado de Roraima sairá altamente beneficiado em virtude de que autoridades guianenses já anunciaram que um dos principais investimentos que deve receber prioridade para aplicar os recursos oriundos da exploração de petróleo será o asfaltamento da estrada que liga Lethem a Lindem. Na verdade, essa estrada vai deixar Roraima a uma distância rodoviária de menos de 600 km de portos no Atlântico Norte, viabilizando a produção agrícola em escala por aqui. Vamos, portanto, fazer figa para que as previsões para o futuro da Guiana estejam certas.

REVALIDAÇÃO

Ontem, em entrevista dada à Rádio Folha FM 100.3 (programa Agenda da Semana), o ex-deputado estadual Joaquim Ruiz (PDT) disse que a Assembleia Legislativa do Estado (ALE), por sugestão sua e decisão do presidente Jalser Renier (Solidariedade) vai repassar para a Universidade Estadual de Roraima (UERR) uma verba de um milhão e meio de reais para que aquela instituição comece a trabalhar para revalidar os diplomas de mestrado e doutorado feitos por professores e servidores estaduais em instituições de ensino da América Latina. Como se sabe, o governo Antonio Denarium conseguiu no Supremo Tribunal Federal anular a progressão de professores por conta desses diplomas.

DEFICIT

Pelas redes sociais, o governador Antonio Denarium (PSL) diz que divulgou no último sábado (11.05.19) o fluxo de receita e despesas do governo estadual relativo ao mês de abril/19, que apresentou um deficit operacional de R$ 4.590.011,80. Denarium diz que só com o pagamento de parcelas de empréstimos de administrações anteriores (governo Anchieta Júnior) seu governo pagou mais de R$ 17,6 milhões de reais no mês passado. Segundo ainda o governador, esse total é mais de quatro vezes o que o governo gastou com educação superior.

SEIS BILHÕES

É ainda Denarium quem afirma: “O governo do estado informa a população com total transparência, para que todos tenham conhecimento das dificuldades que a gestão passa para organizar as despesas, além de ter uma dívida de DEA (Despesas de Exercícios Anteriores) de mais de R$ 6.000.000.000,00 (seis bilhões de reais). Tem especialistas que acham bem superestimado esse valor. 

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Walter Ferreira disse: Em 13/05/2019 às 15:22:23

"SEIS BILHÕES - Realmente é costume dos dirigentes alardearem somas volumosas de dívidas deixadas pelos seus antecessores. Mas detalhar essas dívidas jamais fazem; Estranho né? "

Últimas de
Parabólica
+ Ler mais artigos de Parabólica