Por Parabólica
Em 19/09/2019

Bom dia,

RAZÃO 1

Embora os políticos locais, e mesmo o governo do estado, tenham criado uma enorme expectativa por conta da visita a Roraima da ministra Damares Alves, que começou ontem, quarta-feira (18.09), na verdade o anúncio de sua vinda ao estado fora feito fazia mais de um mês pelo deputado federal Édio Lopes (PR), desde então já se sabia que Damares viria ao estado, especialmente ao município de Mucajaí, para lançar um programa para facilitar o acesso, via treinamento, de pessoas idosas aos recursos da internet. É um programa muito simples, que consiste na montagem de uma sala com estações de computador para treinar os idosos.

RAZÃO 2

Em favor desta informação da Parabólica, é importante que se diga que Damares Alves foi assessora do ex-senador capixaba Magno Malta, que era uma das maiores lideranças do PR, do deputado federal Édio Lopes. Por certo, a atual ministra, quando assessora de Malta, deve ter tido contatos com o deputado federal naquele tempo e daí a distinção com que aceitou o convite do parlamentar e de sua esposa Nega, prefeita de Mucajaí. Nada de extraordinária, portanto, a razão principal da visita da ministra àquele município para o lançamento de um programa social, que apesar dos méritos não tem tão largo alcance que justificasse o deslocamento até Roraima.

CARONA 1

Com a proximidade da chegada da ministra Damares Alves a Roraima, a assessoria dela deve ter percebido a enorme expectativa criada em torno dela e os objetivos foram ampliados para uma visita de avaliação da Operação Acolhida, que vinha sofrendo uma saraivada de críticas partidas de parlamentares federais, deputados estaduais e vereadores quanto a sua eficácia em relação ao combate dos efeitos locais da imigração, especialmente de Venezuelanos para o Brasil, cuja principal porta de entrada é o município de Pacaraima; e o primeiro ponto de parada, a cidade de Boa Vista.

CARONA 2

Além da atenção à Operação Acolhida, Damares decidiu também incluir contatos com o governo estadual sem pauta definida, mas com a clara intenção de pedir às lideranças políticas locais que tenham um pouco mais de paciência com a, até agora, pouca importância que o governo federal tem dedicado ao combate das consequências trazidas, para o governo e para a população roraimense, pela intensa migração de venezuelanos para Roraima. Quer dizer, os políticos locais tentaram pegar carona na visita de Damares Alves, mas saíram de mão abanando dos encontros com a ministra.

FICOU CLARO

A ministra Damares Alves foi perguntada se o governo federal e o próprio presidente Jari Bolsonaro (PSL), sabiam, em toda extensão, dos graves problemas que a imigração venezuelana estava provocando em Roraima. A ministra respondeu que todos no governo federal, e o próprio presidente da República, têm conhecimento total do que se está passando em Roraima. Essa declaração vai de encontro à intenção da bancada federal de continuar mantendo reuniões com autoridades federais na busca de socorro para o governo estadual e prefeituras. De quebra, fica a sensação de que a orientação para a atuação do governo federal está balizada nas informações e avaliações da Operação Acolhida.

ÊNFASE

Aliás, em seu discurso para uma plateia de políticos e dirigentes estaduais – com direito à presença de uma centena de fiéis evangélicos que a aplaudiam e gritavam louvores ao Senhor –, a ministra que é responsável pela política de Direitos Humanos, da Mulher e da Família, falou mais enfaticamente sobre combate à corrupção. Na visão dela, a maior violência no Brasil não é contra a mulher jovem e idosa; ou contra os índios. Aos gritos, ela disse que a maior violência que se pratica no Brasil é a corrupção que rouba o dinheiro público que poderia ser destinado a combater todos os outros tipos de violência.

PERDEU

E o notório Romero Jucá (MDB) perdeu mais uma vez na tentativa de cassar um dos dois senadores que o derrotaram na eleição de 2018, quando foi derrotado na sua tentativa de voltar ao Senado Federal. Ontem, por unanimidade, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou um Agravo de Instrumento ingressado por Jucá e seus suplentes, contra a diplomação do atual senador Chico Rodrigues (Democratas). Jucá pediu a inelegibilidade de Chico Rodrigues, sob o argumento de ele fora condenado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) por irregularidades na prestação de contas de convênio quando ocupou o cargo de governador em substituição a Anchieta Júnior.

JÁ AUMENTOU

Primeiro foi o presidente Jair Bolsonaro que ao sair do hospital onde foi submetido a uma cirurgia disse que apesar da alta do preço internacional do petróleo, o preço dos combustíveis no Brasil não aumentaria. Depois, o próprio presidente da Petrobras ratificou as declarações de Bolsonaro. Pois bem, ontem à noite, a Petrobras anunciou que a partir de hoje, quinta-feira (19.09) iria reajustar o preço da gasolina e do diesel na refinaria. Em Boa Vista, a maioria dos postos já vendia diesel, desde ontem à noite, com um reajuste de cerca de 20 centavos por litro. 

AUSÊNCIA

A ausência da prefeita Teresa Surita (MDB) durante a visita da ministra Damares Alves a Boa Vista não passou desapercebida. Curiosamente, no mesmo horário do evento da ministra, foi marcado o lançamento da Semana Nacional de Trânsito, na Capital. A Prefeitura de Boa Vista chegou a informar que a instituição não tinha encontros marcados com a ministra durante a sua estada em Roraima.

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Parabólica
+ Ler mais artigos de Parabólica