Por Parabólica
Em 20/03/2020

Bom dia,

Ontem, quinta-feira (19.03), o sociólogo Demétrio Magnoli disse que esta história de confinamento para evitar a proliferação da Covid-19 atenta contra a situação vivida pelos pobres. Para ele, os ricos conseguem ficar em casa 15 dias sem trabalhar, mas os pobres não têm como passar um período tão longo sem ganhar nada, aliás, o que eles ganham trabalhando durante todo o mês já não é suficiente para sustentar a si e sua família com um mínimo de dignidade, imaginar vê-los em casa – muitos sequer têm uma moradia capaz de abrigá-los – é desconhecer as condições de vida da imensa maioria do povo brasileiro.

De fato, dentre tantas coisas que essa pandemia tem revelado de uma sociedade de tantos contrastes, a exposição dos pobres aos seus efeitos revela o quanto precisamos construir, de agora, uma sociedade mais igualitária e fraterna. E não se está aqui falando em políticas públicas populistas, mas de um sistema econômico que seja capaz de gerar empregos, única forma de fazer justiça social de maneira sustentável, preservando a meritocracia que dá dignidade à pessoa humana. É bom lembrar o que disse o velho Luis Gonzaga: “A esmola humilha, ou vicia o cidadão”.

MUDANÇA 1

A pandemia do Novo Coronavírus, que ameaça chegar com força ao Brasil, mudou um pouco o rumo da política econômica do ministro da Economia, Paulo Guedes. Aluno brilhante da famosa Universidade de Chicago, Guedes é fiel ao ensinamento de seus mestres que dedicam uma fé quase cega às forças do mercado. Impelido pela situação inusitada criada pelo Novo Coronavírus, Guedes descobriu que o Brasil tem uma legião imensa de pobres, que não conseguem sequer acesso ao mercado. A decisão de conceder uma espécie de bolsa miséria no valor de R$ 200,00, pelos próximos três meses, é o reconhecimento de parte da nossa miséria.

MUDANÇA 2

Defensores das ideias do economista inglês John Maynard Keynes insistem em dizer que, apesar de dívida pública do governo federal já ter superado a casa dos R$ 4 trilhões, ainda há espaço para aumentar esse endividamento, desde que os recursos sejam aplicados em atividades geradoras de emprego, como a construção de moradias populares. Com o reconhecimento da situação de emergência, que desobriga o governo a cumprir o superavit primário de R$ 129 bilhões, previsto para 2020, o governo Bolsonaro pode partir para ações mais contundentes e indutoras de emprego, nosso maior problema, com reflexos na economia e na esfera social.

GUERRA

Não dá para fugir do assunto, afinal, é todo o planeta de plantão por conta dele. O surgimento da pandemia da Covid-19, faz retornar como discussão essencial a fragilidade da sociedade moderna e suas interconexões frente à possibilidade de uma guerra biológica, que até agora tem ficado na ficção. A hipótese ainda não explicitada de que a Covid-19 pode ter surgido intencionalmente, foi levantada em redes sociais e até mesmo de forma indireta por ninguém menos que o presidente estadunidense Donald Trump, ao dizer que o vírus era chinês. Independente de que não existem evidências de a Covid-19 ter sido criação voluntária de chineses, o fato é que pode ser possível a criação de outros vírus capazes de desorganizar a sociedade humana em escala planetária.

VALORIZADO

A alta do dólar norte-americano, que ultrapassou a barreira do R$ 5,00 depois da ocorrência da Covid-19, reforça a avaliação de alguns economistas de que havia uma sobrevalorização da moeda nacional. Grosseiramente, o ministro Paulo Guedes admitiu essa sobrevalorização ao dizer que até empregada doméstica estava passando férias em Miami por conta do dólar barato. De qualquer forma, o fato de que milhares de turistas brasileiros terem sido pegos pela pandemia em várias partes do mundo indica que fazer turismo lá fora está muito barato, e isso significa queimar muito dinheiro em matéria de dólares, que são ganhos com enorme sacrifício de nossas exportações.

RÁPIDAS

A pasmaceira trazida pela Covid-19 tem dificultado até mesmo o exercício do jornalismo, que não tem como escapar de utilizar grandes espaços com notícias da pandemia. ### E não bastassem as brigas internas, amenizadas por conta da união de esforços para combater a Covid-19, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (sem partido) decidiu encrencar com o governo da China, nosso maior parceiro comercial e investidor externo. Que coisa! #### E o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não quer dar moleza para os políticos com mandatos que queiram mudar de partido. O prazo da tal da janela partidária vai acabar mesmo no próximo dia 4 de abril, apesar da pandemia da Covid-19. ### 4 de abril é também o prazo para que ocupantes de cargos públicos se desincompatibilizem, se quiserem ser candidatos nas eleições de 4 de outubro próximo. ### Descendentes de nordestinos acreditam que quando chove no dia 19 de março, dia de São José, o inverno vai ser bom. Ontem, à tardinha, uma pequena brisa quase era prenúncio de chuva. Teve muita gente torcendo pela chuva, que não veio.   

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Cadastrar-me Enviar Comentário
SANTOS disse: Em 21/03/2020 às 11:37:41

"RÁPIDAS - O Deputado Federal Eduardo Bolsonaro até pode ter sido impulsivo debitando na conta da China a pandemia que se alastra pelo mundo. Resultado: toda a mídia opositora ao atual governo, cujo titular é pai do parlamentar em apreço, caiu de pau no episódio em foco. - Entretanto, três outras coisas também deveriam ser levadas em consideração, e não o foram. A primeira a resposta grosseira, desrespeitosa, ofensiva do embaixador da China no Brasil. Não é esse o papel de um diplomata; segunda, a usurpação da representação da República Federativa do Brasil pelo deputado Rodrigo Maia, Presidente da Câmara dos Deputados, que em nome do Brasil (ele não representa o país) enviou expediente ao mencionado embaixador apresentando desculpas; e, por fim, o fato de que A CHINA É, SIM, A RESPONSÁVEL POR ESSA CALAMIDADE MUNDIAL. Foi na China que esse vírus surgiu, e mais, autoridades daquele país, mais especificamente da cidade de Wujan, onde a crise se inicou, confessaram que as autoridades chinesas tinham conhecimento do vírus e sua periculosidade desde outubro de 2019 (daí o nome: COVID-19) e não tomaram nenhuma providência, a não ser silenciar autoridades e cientistas que pretendiam alertar a população. - Ainda a ressaltar, que todas as mais recentes grandes calamidades sanitárias que afligiram o mundo tiveram sua origem naquele país: a SARS, GRIPE AVIÁRIA, GRIPE SUINA, e outras mais ocorridas mais remotamente. Portanto, esse arrobo, esse vitimismo não é assistido por qualquer razão. - Some-se a isso a suspeita de que a criação de todas essas mazelas tenham sido orquestradas por uma desmesurada ganância econômica daquele país comunista que, como consequência, tornaram-se a segunda maior economia mundial. Sintomaticamente suspeito. - Podem até dizer que estamos delirando, mas verdade é que CONTRA FATOS NÃO EXISTEM ARGUMENTOS QUE CONVENÇAM."

Últimas de
Parabólica
"Parabólica 06/04/2020..."
06/04/2020 às 06:54
+ Ler mais artigos de Parabólica