Por Parabólica
Em 24/02/2020

Bom dia,

Os brasileiros e as brasileiras andam reclamando, e sofrendo as consequências, da pasmaceira que têm dominado a economia brasileira já faz mais de uma década. Foram anos que alternaram queda do Produto Interno Bruto (PIB) – que ainda é a mais expressiva das medidas de desempenho de uma economia nacional –, com taxas de crescimentos pífias – ao redor de 1% anual –, incapazes de gerar emprego, não só para manter as pessoas empregadas, mas igualmente necessárias para abrigar no trabalho os milhões de jovens que chegam todos os anos ao mercado de trabalho. Todos parecem insatisfeitos com este cenário, mas poucos tentam mudar nosso comportamento para que o país saia do atoleiro.

Hoje é segunda de Carnaval – praticamente as repartições públicas não funcionam e a iniciativa privada trabalha em ritmo reduzidíssimo – e a folia deve se prolongar até a quarta-feira de cinzas – nalgumas cidades vai até o próximo domingo –, com a economia brasileira em letargia. Na verdade, há um velho discurso de que o Brasil só começa trabalhar de verdade após o carnaval, e isso, muito mais que um elogio à nossa visão de mundo, é uma assertiva que reflete nossa forma irresponsável de ver a vida num Planeta cada dia mais globalizado, o que exige capacidade de competição econômica, se realmente queremos sair da rabeira na constelação dos Estados nacionais.

Será que os que reclamam da falta de emprego e de perspectiva de viver com dignidade, no Brasil, já procuraram refletir sobre o quanto custa, em matéria de emprego e de perda de riqueza, todos os feriados e pontos facultativos no Brasil, todos os anos. Seguramente esses dias ociosos representam a perda de alguns preciosos pontos percentuais no desempenho anual do PIB; da perda consequente de preciosos empregos para uma população que entre desempregados e subempregados passa dos 35 milhões de pessoas da População Economicamente Ativa (PEA), isto é, em idade de trabalhar.

Mas ninguém parece disposto a refletir sobre isso; então vamos nos esbaldar no que resta do atual Carnaval. Boa folia.

NÃO AVANÇA

Em entrevista, ontem, domingo (23.02), ao programa Agenda da Semana, da Rádio Folha FM 100.3, o deputado federal Édio Vieira Lopes (PL)) foi taxativo: da forma como foi encaminhado pelo governo, o conjunto de propostas para permitir a exploração econômica de recursos naturais nos Territórios Indígenas, não passa no Congresso Nacional, ou melhor dizendo, sequer as discussões vão avançar. O parlamentar diz que o governo deveria ir aos poucos tratando cada ponto - quase todos são muito polêmicos – no seu devido tempo.

INTERESSE

Por falar em exploração mineral, donos de licença para explorar garimpos na Venezuela – e muitos são oficiais do Exército Bolivariano – estiveram em Boa Vista para dizer que estão dispostos a conversar com empresários brasileiros com o objetivo de firmar parcerias para, inclusive, vender a produção venezuelana de ouro através do Brasil. Eles fizerem várias reuniões aqui em Boa Vista, com a participação de técnicos e de empresários ligados a negócios de garimpo no Brasil, inclusive, de José Altino, velho conhecido de Roraima – foi, inclusive, candidato a deputado federal pelo estado – e importante líder de garimpeiros na Amazônia, nos anos de 1970/1980.

CONTRIBUIÇÃO

A promotora-chefe da Promotoria de Defesa da Saúde, Jeanne Sampaio, também concedeu entrevista, ontem, domingo, ao programa Agenda da Semana, da Rádio Folha FM 100.3. Além de falar sobre casos pontuais envolvendo a saúde pública estadual, a promotora fez questão de dizer que a ação do Ministério Público Estadual (MPE), especialmente através da Promotoria que ela chefia faz alguns anos, tem como primado contribuir com os gestores do sistema estadual de saúde pública no apontamento de erros, suas correções; bem como na busca de soluções que possam melhorar o atendimento à população. Jeanne Sampaio disse também que, apesar de alguns avanços, o quadro vigente precisa melhorar urgentemente.

RÁPIDAS

Pelo que disse ontem, ao programa Agenda da Semana, da Rádio Folha FM 100.3, o comandante-geral da Polícia Miliar de Roraima, coronel Elias Santana, não tem interesse em sair daquele posto tão cedo, na dependência, é claro, da vontade do governador Antonio Denarium (sem partido). ### Aliás, o coronel Elias Santana também revelou que até agora não existe qualquer ruído indicador de insatisfação da tropa de PMRR, que possa levar à ocorrência de fatos com os que estão sendo vivenciados pelo Ceará e outros estados brasileiros. ### A Comissão Mista Temporária, destinada a consolidar o texto da Reforma Constitucional Tributária, já foi criada. Composta por 25 senadores e 25 deputados federais, apenas dois parlamentares de Roraima participam dela: o senador Chico Rodrigues (DEM) e a deputada federal Joênia Wapichana (Rede), ambos indicados por seus partidos. ### O deputado federal Nicoletti (PSL/RR) quer endurecer a atual Lei de Migração, através do estabelecimento de regras para o ingresso de imigrantes no país, e a desburocratização do processo jurídico para a repatriação, deportação e expulsão de estrangeiros irregulares ou que tenham cometido crime ou ato contrário ao interesse nacional.

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Parabólica
+ Ler mais artigos de Parabólica