Por Fabiano de Cristo
Em 07/01/2019

Editorial

Complexidade, competição e crise. Talvez as três palavras poderiam definir o ano de 2018. Agora, é hora de começar a pensar nos desafios que o mercado trará para 2019. A começar pelas profundas mudanças que a tecnologia continuará nos proporcionando. Todos os dias novas regras para os negócios são criadas, diferentes maneiras de efetuar projeções e desenvolver talentos.

Melhorar a tomada de decisões, reinventar modelos de negócios e implementar a digitalização, são algumas das ferramentas que as empresas e instituições terão que incorporar para os próximos anos.

Segundo estudos da FGV, 2019 será o ano do crescimento exponencial, abordagem criada pela Singularity University denominado 6Ds. São eles: digitalização, decepção, disrupção, desmonetização, desmaterialização e democratização. Este processo, de acordo com o estudo, resulta na destruição, levando a um novo ciclo de crescimento.

O desenvolvimento representa a destruição do velho para se criar o novo, o agente básico desse processo de destruição criativa é o empreendedor. Porém, a destruição criativa é somente possível se a empresa estiver atenta às novas tendências. A tecnologia está fazendo por nós o que as máquinas fizeram por nossos braços na revolução industrial, portanto, quem usar os obstáculos para criar oportunidades, certamente terá um vantajoso crescimento em 2019.

O QUE ESPERAR DE 2019

Em 2019, certamente novas idéias e oportunidades de negócios vão surgir. A nova agende liberal proposta pelo Governo Federal, apesar de ser ainda uma incógnita, vem animando os empreendedores com uma perspectiva melhor do ambiente de negócios para quem empreende, e Roraima deve seguir essa tendência nacional. Fizemos um levantamento em vários sites de instituições e conceituadas consultorias internacionais, para fazer uma analise sobre o que esperar para o mercado em 2019 e quais oportunidades pedem ser aproveitas esse ano.

De acordo com a TENDENCIAS CONSULTORIA, o novo governo pegou a economia novamente no caminho certo e com condições de crescer em ritmo mais expressivo, desde que a agenda econômica tenha continuidade, em especial em sua dimensão fiscal.

Apesar do esforço para equacionamento da situação de desequilíbrio das contas públicas, com controle de gastos mesmo antes da aprovação da emenda do teto dos gastos, e em especial após a sua aprovação, e melhoria em gestão que envolveu revisão de contratos e de programas públicos, a situação segue ainda muito complicada.

A perversa dinâmica dos gastos obrigatórios, em especial na rubrica gastos previdenciários que têm crescido a um média de 5% em termos reais desde 2011, é algo que deve ser enfrentado de maneira urgente.

Nesse sentido, a premissa central do cenário básico é de que o novo governo conseguirá garantir a solvência das contas públicas ao longo do tempo, com a aprovação da reforma previdenciária e adoção de outras medidas para controle de gastos como a revisão da regra do salário mínimo, que deve resultar em incrementos reais menores ao longo do tempo.

Do lado das receitas são consideradas, além de receitas extraordinárias oriundas do avanço em ritmo moderado da agenda de privatizações e concessões, redução de maneira horizontal de parte de isenções tributárias e repasses existentes.

Em suma, com inflação controlada, manutenção dos estímulos monetários, boa redução do endividamento dos agentes privados e aprovação de reformas macro e microeconômicas que impactarão mais substancialmente produtividade à frente, a economia tem condições de crescer mais expressivamente. O novo governo só tem que fazer sua parte rapidamente, promovendo a aprovação das reformas que garantem a solvência das contas públicas.

Com a perspectiva de um ambiente mais favorável alguns segmentos de mercado deverão apresentar boas oportunidades de negócios. A seguir vamos listar algumas que foram compiladas pela SBCOACHING.

Aplicativos e Tecnologia Disruptiva - No ambiente de constante melhoramento tecnológico como o atual, é muito comum que pensemos que a progressão linear é o único caminho a ser seguido. Mas transformar e modificar completamente os modelos de negócio, em um movimento que não segue a melhoria gradual, parece ser a tendência do momento.

Esse conceito é muito popular em cenários de inovação, principalmente no Vale do Silício. Não é à toa que diversas startups que quebram modelos tradicionais surgem no local. Inclusive, você provavelmente já adequou à sua rotina diversas tecnologias disruptivas. E aqui estamos falando de Netflix e Spotify.

Trabalhar e Fazer Gestão de Equipes Remotamente – Home Office Uma pesquisa realizada por uma série de corporações, como Trello, Opinion Box e Rock Content, mostra que mais de 34% das empresas pretendem investir no sistema remoto. O mesmo estudo ainda revela que o home office melhora a produtividade, qualidade de vida e diminui os custos do profissional.

Hoje muito se fala sobre os novos modelos de gestão de equipes em trabalho remoto.

O chamado home office é uma tendência porque apresenta diversos benefícios, tanto para as empresas quanto para os colaboradores.

Mais do que se fixar em uma ou outra ideia, você deve abrir os olhos para uma visão mais ampla, que compreende uma realidade de conexão total. Por isso, se o seu negócio ainda se apoia em uma plataforma de sustentação baseada em esforços manuais, que podem ser acelerados pelo poder computacional, é hora de buscar alternativas. Pense nisso e até a próxima semana.

RESENHANDO

Ao analisar as possibilidades de negócios, é importante pensar em todos os setores da economia que podem se beneficiar o seu negócio ou idéia de negócio. Quando falamos em previsões e tendências, devemos levar em consideração que não se trata de certezas. O mundo dos negócios está cada vez mais dinâmico e oportunidades surgem com a mesma velocidade que desaparecem. Em seis meses, muita coisa pode mudar. No entanto, a análise de tendências nos mostra um caminho que, na maioria das vezes, acaba se confirmando.

Fabiano de Cristo
jornalista@teste.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Finanças
+ Ler mais artigos de Finanças