Vindo do Haiti, Ministro das Relações Exteriores visita abrigo para venezuelanos - Folha de Boa Vista
VISITA
Vindo do Haiti, Ministro das Relações Exteriores visita abrigo para venezuelanos
Por Folha Web
Em 05/06/2017 às 00:47
Ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, fez escala em Boa Vista sem comunicar previamente a vinda ao Estado (Foto: Neto Figueiredo)

O Ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, fez uma rápida visita, na tarde de sábado, 03, ao Centro de Referência ao Imigrante (CRI), em Boa Vista, onde estão abrigados 289 venezuelanos que migraram para o Brasil em busca de refúgio, a maioria são índios da etnia Warao. São 205 indígenas, dos quais 73 são crianças menores de 13 anos.

Aloysio Nunes desceu na Base Aérea de Boa Vista por volta das 15h, vindo do Haiti, onde participou de uma audiência com o primeiro-ministro daquele país, Jack Guy Lafontant. A visita não foi comunicada previamente. Ele aproveitou o retorno da viagem e fez a escala na Capital roraimense para verificar a situação dos venezuelanos no Estado.

No momento da visita, que durou menos de trinta minutos, a governadora Suely Campos (PP) estava cumprindo agenda na zona rural de Boa Vista, onde inaugurou a vicinal do Truaru. O ministro foi recebido pelo comandante da 1ª Brigada de Infantaria de Selva, general Gustavo Dutra, e seguiu direto para o abrigo, que funciona no ginásio esportivo da Escola Ulysses Guimarães, no bairro Silvio Botelho, zona oeste.

O comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Doriedson Ribeiro, e a secretária-adjunta do Trabalho e Bem-Estar Social, Maria Edilânia de Almeida Mangabeira, explicaram ao ministro a situação do abrigo e falaram das necessidades do Estado, que vem fazendo o acolhimento aos venezuelanos desde outubro do ano passado, sem a ajuda do Governo Federal e do município de Boa Vista.

Eles explicaram que equipes do Governo Federal e da Organização das Nações Unidas (ONU) estiveram em Boa Vista e Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, nas últimas duas semanas, e que foi criado um grupo de trabalho que está elaborando um plano de contingência que inclui melhorias nas condições físicas do CRI e a montagem de outro abrigo em Pacaraima, norte do Estado.

A grande preocupação é com os indígenas. São muitas mulheres e crianças que estão em situação de vulnerabilidade e precisam de assistência, disse Maria Edilânia. O coronel Doriedson Ribeiro destacou que a Defesa Civil acatou uma recomendação da ONU e vai separar os índios e não índios que hoje vivem no CRI, mas não conseguem se entender harmonicamente.

Ele informou que a partir da próxima semana os venezuelanos, principalmente homens solteiros, que já conseguiram retirar a Carteira de Trabalho, vão permanecer no CRI pelo período máximo de 15 dias.  Este é um abrigo rotativo, um local de passagem. Lá existem pessoas que estão desde dezembro do ano passado e que, a partir de agora, terão que sair.

“Também estamos buscando alternativas para separar os índios dos não índios o mais rapidamente possível”, informou Doriedson Ribeiro, esclarecendo que nesta segunda-feira, 05, vai fazer uma nova triagem de pessoas no local.

REFÚGIO - Estima-se que 30 mil venezuelanos ingressaram em Roraima desde o agravamento da crise político-econômica da Venezuela. Pelo menos três mil pediram refúgio à Polícia Federal somente no primeiro trimestre deste ano. Muitos conseguiram emprego e já se estabeleceram em Boa Vista, mas os indígenas estão nos semáforos da Capital, pedindo dinheiro a motoristas. São muitos idosos, mulheres e crianças.

A crise dos venezuelanos também sobrecarregou o atendimento nos hospitais de Boa Vista e de Pacaraima, impactou na segurança pública e na educação. As escolas estaduais registraram este ano a matrícula de 999 alunos venezuelanos.  Foi observado um aumento de 192% no número de ocorrências policiais envolvendo venezuelanos no Estado.

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
1
1
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!