PUBLICIDADE
SAÚDE
Ambulâncias estão sucateadas diz sindicato
Segundo sindicato, há uma “banalização” em relação às manutenções e que todas as ambulâncias sanitárias do Estado estão sucateadas
Por Fabrício Araújo
Em 10/04/2019 às 11:03
Com o documento protocolado, foram entregues várias fotos do veículo (Foto: Diane Sampaio/FolhaBV)

O presidente do Sindicato dos Condutores de Ambulância (Sindconam), Robson Avelino, protocolou ontem, 9, um documento na Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) pedindo providências quanto ao estado de uma ambulância sanitária que foi transferida de Pacaraima para Caracaraí. Em nota, o governo informou que o veículo está dentro das condições necessárias para uso e transporte de pacientes.

As informações sobre a ambulância são de que está “baixando o óleo lubrificante do motor, com a luz do painel acesa indicando que precisa de manutenção, para-choque dianteiro do lado direito soltando, sem retrovisor do lado esquerdo, sem ar-condicionado que foi quebrado e retirado, poltrona na cápsula danificada e sem recosto e vidro do armário quebrado”, entre outros problemas, como os pneus traseiros desgastados. Com o documento protocolado, foram entregues várias fotos do veículo.

PUBLICIDADE

À Folha, Avelino afirmou que há uma “banalização” em relação às manutenções e que todas as ambulâncias sanitárias do Estado estão sucateadas. De acordo com ele, há apenas cinco inter-hospitalares funcionando em Roraima e deveria haver 15 do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) distribuídas entre os municípios, mas três deles estão sem veículos.

Os veículos inter-hospitalares, ou ambulâncias sanitárias, atuam nos casos de transferência de pacientes de um local para outro, já as referentes ao Samu são usadas em situações de emergência, como acidentes em ruas.

Robson Avelino explicou que não há um período fechado para as manutenções de ambulâncias devido à alta rotatividade diária, mas que há muito tempo as manutenções não ocorrem e que isto é uma preocupação constante dos condutores de ambulâncias.

“Queremos minimizar esta banalização e que haja um serviço de qualidade para os pacientes e, consequentemente, para os profissionais. Estamos visando ao futuro. Se continuar desta forma, pode ser que venha acontecer um acidente por falta de manutenção. Um pneu careca, por exemplo, pode estourar”, declarou Avelino.

O diretor do Sindconam, Mário do Nascimento, admitiu que ainda não houve acidente envolvendo uma ambulância sanitária no Estado, mas que é comum os veículos quebrarem no meio da estrada na viagem entre um município e outro.

“Mas e se o paciente estiver em estado grave e a cápsula do oxigênio for suficiente somente para o trajeto, como é que fica a equipe com um paciente no meio do nada? Nossa preocupação é que seja feita uma manutenção necessária nas ambulâncias do Estado e que venham novas”, explicou.

SESAU – A Secretaria de Saúde informou que a ambulância que atende Caracaraí precisou passar por reparos, e para que o município não ficasse desassistido, uma das ambulâncias que atendem em Pacaraima, foi deslocada para lá.

Afirmou também que a viatura está dentro das condições necessárias para uso e transporte de pacientes. Devido à urgência da solicitação, não foi possível consertar o ar-condicionado da ambulância enviada para Caracaraí, porém o serviço será feito o mais breve possível.

Atualmente, o Estado possui nove ambulâncias: duas em Pacaraima, uma em Rorainópolis, uma em Caracaraí, uma no Samu Boa Vista e quatro na capital. Estas estão distribuídas nas unidades de saúde do Estado: Hospital das Clínicas, Hospital Materno-Infantil e Hospital Geral de Roraima. 

***
Gostou?
2
1
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!