Chefe pode revistar bolsa de funcionário para evitar furtos? Confira - Folha de Boa Vista
TST
Chefe pode revistar bolsa de funcionário para evitar furtos? Confira
É comum empresas solicitarem que o empregado abra a sua bolsa e retire seus pertences na saída do expediente
Por Folha Web
Em 17/09/2021 às 06:00
Ministros do TST entendem que prática é legal desde que não haja excessos (Foto: Divulgação)

Ao julgar o caso de uma loja de material esportivo na qual a bolsa de um assistente foi inspecionada, a Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho entendeu que a “revista moderada” não configura dano moral.

Em Roraima, a prática é adotada, por exemplo, em lojas, supermercados, e empreendimentos do ramo atacadista. 

Segundo o colegiado, não ficaram evidenciados excessos praticados pelo empregador ou por seus representantes que justifiquem o dever de indenizar. A decisão foi proferida na última quarta-feira, 15. 

A assistente alegou, na reclamação trabalhista, que a empresa teria violado seu bem-estar psicológico e sua imagem, uma vez que todos os dias se via exposta a situação constrangedora.

Segundo as testemunhas, a revista consistia em o próprio empregado abrir a sua bolsa e retirar seus pertences, e todos se sujeitavam ao mesmo procedimento.

Constrangimento

O juízo de primeiro grau condenou a empresa a pagar indenização de R$ 1 mil, e o valor foi majorado para R$ 5 mil pelo Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (BA). 

Segundo o TRT, a revista de pertences dos empregados, na entrada e na saída do local de trabalho, com a justificativa de salvaguardar o patrimônio da empresa, é abusiva, pois expõe continuamente o empregado a constrangimento e situação vexatória.

Excessos

Segundo o relator do recurso da empregadora, ministro Alberto Bresciani, a revista moderada, se não acompanhada de atitudes que exponham a intimidade do empregado ou ofendam publicamente o seu direito à privacidade, não induz à caracterização de dano moral.

Ao concluir pela absolvição da empresa, o relator acrescentou que, para que seja tipificado o abuso de direito, seria necessário que se configurasse excesso, vindo a acusação acompanhada de outros atos que denunciassem o propósito de causar dano, “representando uma quase tortura para o trabalhador”. Isso, a seu ver, não ficou evidenciado no caso. A decisão foi unânime.

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
1
2
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!