Indígenas venezuelanos não querem transferência para outro abrigo - Folha de Boa Vista
OPERAÇÃO ACOLHIDA
Indígenas venezuelanos não querem transferência para outro abrigo
Abrigados dizem que decisão de realocá-los foi definida apenas entre ACNUR e Operação Acolhida, sem comunicar os indígenas
Por Folha Web
Em 13/11/2021 às 08:57
Apesar de sermos imigrantes, sabemos que temos os nossos direitos, não queremos sair de onde estamos abrigados”, relatou o representante do abrigo do Pintolândia (Foto: Nilzete Franco)

Os indígenas venezuelanos que ocupam os abrigos do Tancredo Neves e Pintolândia, ambos na zona Oeste de Boa Vista, serão transferidos para o Randon 3, no Treze de Setembro. Um grupo de abrigados das duas sedes, se reuniu na tarde dessa sexta-feira, 12, para solicitar informações sobre a transferência.

A reportagem conversou com um dos representantes do abrigo do bairro Pintolândia, Avigail Reinosa, que está há 1 ano e 9 meses em Roraima, ele relatou que não foram avisados sobre a mudança.

“O abrigo que estamos hoje é ótimo, tem muitos investimentos. A população indígena não foi consultada sobre esta decisão, esse acordo foi definido apenas entre a ACNUR e Operação Acolhida. Apesar de sermos imigrantes, sabemos que temos os nossos direitos, não queremos sair de onde estamos abrigados”, relatou.



Avigail acrescentou ainda, que não acha seguro reunir todos no Randon 3. “É uma zona de alto risco, pois tem tráfico de pessoas, drogas e exploração sexual. Não nos sentimos seguros, é uma área de bastante violência”, disse o indígena.

Estima-se que, atualmente, cerca de 6 mil índios venezuelanos tenham atravessado a fronteira com o Brasil, como consequência da crise social, política e econômica que atinge a Venezuela. Eles fazem parte das etnias Warao, Pemon, E’ñepá, Kariña e Wayúu. Pelo menos 19 estados já receberam refugiados e indígenas deste país. Entre os indígenas venezuelanos que vivem no Brasil, mais de 700 já foram reconhecidos como refugiados pelo governo brasileiro.



Em nota, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) disse que a decisão de reestruturação de abrigos da Operação Acolhida foi tomada com base em consultas e pedidos da própria população indígena abrigada pela Operação Acolhida, que têm solicitado a acomodação das famílias que encontram-se em diferentes locais de abrigamento e uma melhoria geral na infraestrutura dos abrigos existentes.

“No decorrer de 2021, identificou-se em conjunto com a comunidade abrigada indígena e não-indígena e organizações integrantes da Operação Acolhida e Governo Federal, a necessidade de uma reestruturação de abrigos indígenas e não-indígenas para uma melhoria de infraestrutura. A reestruturação de abrigos não-indígenas iniciou em outubro de 2021”, diz o texto.

A nota enfatiza ainda, que além de melhorar a infraestrutura, a reestruturação dos abrigos indígenas visa aprimorar os serviços oferecidos e buscar um maior alinhamento com os padrões internacionais de resposta humanitária emergencial. E que os processos de realocação ainda não foram iniciados e só começarão após uma ampla consulta com a comunidade indígena abrigada.

“A ACNUR entende que a existência de um abrigo indígena com maior capacidade e adequado às necessidades específicas dessa população, oferecerá a possibilidade de maior concentração de recursos, podendo significar também uma maior eficiência no atendimento de equipes que atendem diariamente as pessoas de interesse. Com abrigos mais eficientes, será possível reforçar as equipes, a segurança dos locais e os serviços oferecidos às comunidades”, finalizou a Agência.

A FolhaBV também entrou em contato com a Operação Acolhida, mas até o momento não houve retorno.

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
3
15
Cadastrar-me Enviar Comentário
Massarico disse: Em 13/11/2021 às 14:19:56

"Vai passar o resto da vida em um abrigo bancado pelo contribuinte brasileiro? Quase dois anos no país e não conseguiu um emprego pra pelo menos alugar uma quitinete? Complicado."

Damiao disse: Em 13/11/2021 às 10:09:47

"Ta vendo ai, já sabem dos Direitos deles agora. Chupa Brasil.essa aí agora. Vivem em um abrigo do lado de uma praça que eles passam o dia dormindo e colocando os filhos pra pedir dinheiro no Sinal. Brasil e um País Puta mesmo."

Manuel disse: Em 13/11/2021 às 09:06:51

"Legal.... recebendo ajuda e ainda exigindo.... imagine se são cidadãos brasileiros... Mais uma mala para carregrmos... parabéns as ongs, estão eficientes no processo de desgraçação do pais."