PUBLICIDADE
BOA-VISTENSES
Interrupções constantes de energia geram reclamações
Não cumprimento do cronograma, eletrônicos e eletrodomésticos queimados e aumento de 40% nas contas fazem parte das reclamações
Por Polyana Girardi
Em 28/05/2019 às 01:25
Além de itens queimados devido à queda de energia, consumidores estão insatisfeitos com valores cobrados nas contas (Foto: Nilzete Franco/FolhaBV)

O consumidor Roraimense tem acumulado transtornos em decorrência de frequentes interrupções e oscilações no serviço de energia elétrica ofertado ao estado. A Folha recebeu várias reclamações de diferentes bairros na capital sobre o descumprimento do cronograma divulgado pela Roraima energia à população, que avisa sobre quando e por quanto tempo ocorrerá o desligamento do fornecimento de eletricidade. De acordo com os denunciantes, o tempo sempre ultrapassa o descrito, além de ocorrência de quedas em intervalos de minutos que resultam na perda de aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos.

A dona de casa Célia Valéria é umas das pessoas que disse estar descontente com a maneira como a empresa anuncia os dias que ocorrerá a interrupção no fornecimento de energia elétrica para os bairros. “Na segunda-feira disseram que iam faltar apenas por 30 minutos, nas primeiras horas do dia, mas eram nove da manhã e já haviam faltado por duas vezes. Sem organização não sabemos quando desligar os aparelhos ou antecipar serviços por conta da ausência de eletricidade” explicou.

PUBLICIDADE

No bairro Paraviana, moradores também relatam que após a instalação de um transformador no final da Rua Canuto Chaves, as quedas de energia dobraram.

“Não aguentamos mais tanto descaso. No domingo, 26, a energia foi embora às 22h horas e só retomou às 3h da manhã de segunda. Ligamos para a empresa e disseram que iam mandar alguém para verificar e solucionar o problema, mas ninguém apareceu”, disse uma moradora.

Outro campeão de reclamações é a respeito dos valores cobrados nas contas de energia. Consumidores dizem ter registrado aumento de até 40% nos primeiros meses de 2019 em um serviço que de acordo com eles, não dispõe de qualidade. Thaís Dhaianne é dona de uma loja que serve sobremesas e café expresso e nos contou que, além do aumento considerável da conta no final do mês, ainda precisou lidar com um prejuízo de mais de R$ 20 mil em maquinário perdido após quedas de energia.

“O prejuízo se torna maior porque deixo de vender produtos. Tivemos o cuidado de instalar dispositivos nos outros aparelhos para evitar danos maiores, mas nada impede a perda de mais máquinas. Estamos pagando até 40% mais caro em um serviço muito precário”, disse Thaís.

OUTRO LADO – Em contato com a empresa Roraima Energia, foi questionado o descumprimento do cronograma que deveria informar à população os locais e horários exatos sobre interrupção do fornecimento de energia, assim como os altos valores nas contas, mas a empresa informou apenas sobre o desligamento da manhã do dia 27 e disse que está sendo feita avaliação para identificar as causas dos fatos relatados na reportagem.

Procon orienta consumidores com danos materiais após quedas de energia

Coordenador geral do Procon Estadual de Roraima, Lindomar Coutinho (Foto: Nilzete Franco/FolhaBV)

Lindomar Coutinho, coordenador geral do Procon Estadual de Roraima, orienta consumidores que tiveram aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos queimados devido à queda de energia. 

“A primeira atitude é procurar a empresa fornecedora do serviço, informar o dia e a hora que ocorreu a queima do produto. A Roraima energia tem até 10 dias após abertura do processo de encaminhar assistência até a residência desse consumidor, além de também dispor de 15 dias para responder a esse cliente sobre a avaliação feita. Se o resultado apontar ressarcimento, então isso deve ocorrer em até 25 dias” explicou.

Coutinho ressalta que para que o ressarcimento aconteça, é necessário que não tenham irregularidades nas ligações de energia elétrica. “Muitas casas têm irregularidades com os padrões descritos na resolução da Anel. Nesses casos, a Roraima energia não é obrigada a fazer o ressarcimento.

Lindomar também falou sobre como o consumidor deve agir caso constate irregularidades nos valores de consumo de energia. De acordo com ele, o último reajuste no aumento da conta de energia foi em setembro do ano passado, em 38,50%, conforme anunciado pela agência Nacional de Energia Elétrica (ANEL).

“O consumidor deve verificar e comparar em suas faturas quanto ele consumiu e quanto ele vem pagando desde janeiro para saber o que veio de irregular e se houve leitura acima do previsto. Caso apresente irregularidade ele também deve procurar a Roraima energia, relatar o problema e será expedida nova fatura”, concluiu.

***
Gostou?
0
6
THIAGO CASTRO disse: Em 28/05/2019 às 12:21:50

"Procon Informa > ?A primeira atitude é procurar a empresa fornecedora do serviço, informar o dia e a hora que ocorreu a queima do produto. A Roraima energia tem até 10 dias após abertura do processo de encaminhar assistência até a residência desse consumidor, além de também dispor de 15 dias para responder a esse cliente sobre a avaliação feita. Se o resultado apontar ressarcimento, então isso deve ocorrer em até 25 dias? explicou. duvido isso se realizar na prática , inventam milhares de historias , ate folha de arvore no fio de luz faz com que já não queiram pagar os prejuízos, tem que respeitar a eletrobras "