Moradores próximos ao Parque do Rio Branco enfrentam alagamento - Folha de Boa Vista
BAIRRO CALUNGÁ
Moradores próximos ao Parque do Rio Branco enfrentam alagamento
Lago surgiu com a construção do parque que se transformou em um imenso esgoto a céu aberto
Por Folha Web
Em 10/06/2021 às 14:48
Além da enchente, os moradores enfrentam o mau cheiro no local (Foto: FolhaBV)

Moradores que residem nas imediações do Parque do Rio Branco, no bairro Calungá, enfrentam transtornos devido a cheia do Rio Branco. No local, as casas estão alagadas e foi necessário improvisar pontes de madeira para ter acesso a entrada das residências.

Além da enchente, os moradores enfrentam o mau cheiro intenso. Um lago surgiu com a construção do parque que se transformou em um imenso esgoto a céu aberto.

De acordo com o morador Gabriel Hernandes, imigrante que divide a casa com outras famílias de venezuelanos e brasileiros, o local está insalubre há cerca de uma semana.

“Nós temos crianças morando conosco, nossa preocupação são as doenças, pois temos uma bebezinha e uma criança de oito anos. Aqui está um fedor insuportável”, contou.

Outro morador que preferiu não se identificar relatou que o problema é antigo, e que devido a obra do Parque do Rio Branco acreditou que haveria uma drenagem no espaço que acabaria com os alagamentos.

“Teve anos que o alagamento foi pior, como em 2011, mas temo que esse ano, com as chuvas fortes a situação se repita”, disse.

O Parque do Rio Branco iniciou sua obra em 2018. O espaço foi construído à margens do principal rio do estado, onde era o bairro Caetano Filho, antigo "Beiral". Lá, viviam cerca de 350 famílias que foram removidas após receber indenização pela mudança.

A obra foi orçada em R$ 134,4 milhões, sendo que desse valor R$ 104 milhões foram repassados pelo Ministério do Turismo e o restante contrapartida do município.


Outro lado - A Prefeitura de Boa Vista enviou nota à redação. Confira na íntegra:

Durante muitos anos, os maiores problemas de alagamentos em Boa Vista aconteciam na área de interesse social Caetano Filho, antigo Beiral. Com o atual nível do rio Branco, pelo menos 300 famílias já teriam sido retiradas de suas casas.

 Com os investimentos da prefeitura no local, que incluem drenagem, elevação da avenida Sebastião Diniz, aterro e canalização do igarapé Caxangá, o número de famílias atingidas é muito menor, chegando a 25 que já estão sendo atendidas pela Defesa Civil e com ações sociais. 

 Cabe lembrar que estamos vivendo um inverno atípico, que acontece a cada 10 anos. Foi assim em 1999, 2011 e está sendo este ano. Neste primeiro mês de fortes chuvas, o rio subiu cerca de 3 metros. Nesta quinta-feira, 10, o nível do rio Branco já é de 8.57, ou seja, está apenas a 1.7 metro de atingir o recorde de 2011.

 As famílias que ainda vivem no local são assistidas por profissionais da Secretaria Municipal de Gestão Social (Semges), que prestam apoio por meio de doação de cestas básicas, produtos de higiene, assim como logística e outras iniciativas por parte da Defesa Civil.

 A prefeitura orienta os moradores que se encontram em áreas de risco a entrar em contato com a Central de Atendimento 156. Após relatar a situação, uma equipe da Defesa Civil vai até o local para verificar as circunstâncias e prestar as devidas orientações. Se a família precisar ser transferida para a casa de um familiar ou até mesmo para o abrigo, é oferecido apoio logístico no transporte dos pertences.

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
4
5
Cadastrar-me Enviar Comentário
Davi disse: Em 11/06/2021 às 06:23:32

"Atipco mas era pra ser previsivel, tava na cara que essa praça ficou muito baixa! E essa praça tem cara de quê todo ano vai comer uma verba danadinha...."