Operação Acolhida tem custo de quase R$500 mil por dia - Folha de Boa Vista
IMIGRAÇÃO
Operação Acolhida tem custo de quase R$500 mil por dia
Estratégia demanda um investimento mensal de R$14 milhões, mas, atualmente, tem R$ 7 milhões disponíveis
Por Yana Lima
Em 19/07/2021 às 08:00
General Barros destacou que investimentos da operação beneficiam a economia local (Foto: Nilzete Franco / FolhaBV)

A estratégia do Exército para condução da crise migratória no Brasil, a Operação Acolhida, tem um custo aproximado de R$ 14 milhões por mês, o que equivale a quase R$500 mil por dia. Durante entrevista ao programa Agenda da Semana, na Rádio Folha FM 100.3, o coordenador, general Antônio Barros, pontuou que a operação dispõe, no momento, de R$ 7 milhões para fazer os empenhos para manter a logística. 

No mês de abril, em entrevista coletiva, ele já havia informado que o recurso disponível em caixa seria possível para manter as ações até o primeiro semestre deste ano. Ele pontuou que nesta semana haverá uma reunião ministerial para discutir a liberação de recursos para a operação. 

General Barros informou que a solicitação foi por um orçamento de R$ 150 milhões; foram atendidos R$ 90 milhões. No ano passado, este montante ultrapassou os R$ 280 milhões. “Este recurso não é só para manter abrigos”, reforçou. O investimento inclui, por exemplo, o processo de interiorização, cuja logística envolve Pacaraima, Boa Vista e Manaus, no Amazonas.

Assista a entrevista na íntegra: 

Benefícios

Além da questão humanitária, o coordenador reforçou que este recurso gera benefícios para a economia local.

“Mais de R$ 20 mil por dia são só com refeições na Operação Acolhida. Estes insumos movimentam a economia local. De onde sai o material para construção dos abrigos? É tudo matéria prima local”, destacou. 


Entrada clandestina

Apesar da flexibilização que permite o ingresso de imigrantes venezuelanos em vulnerabilidade, a maioria ainda entra no país pelas rotas clandestinas, conhecidas como “trouxas”, segundo o general. A informação repassada por quem entra no país é que autoridades venezuelanas estariam cobrando propina para deixar as pessoas passarem pela fronteira oficial. 

Por isso, a Operação reforçou a sua atuação na faixa de fronteira. De acordo com o comandante, a interiorização será intensificada. O envio de imigrantes venezuelanos para outros estados passou de 1.200 pessoas por mês para 2.500 em mais de 700 municípios do Brasil, a maioria nas regiões Sul e Sudeste. Mais de 54 mil pessoas foram tiradas de Roraima desde o início da interiorização.

Outros dois abrigos estão em construção, sendo um indígena e outro não indígena. A operação tem mudado estratégias para tentar acolher o grande número de pessoas entrando pelas fronteiras, o que inclui medidas simples como a substituição de camas por beliches.

Mas entre os gargalos está a necessidade de providenciar a documentação destas pessoas e promover a vacinação prevista no Programa Nacional de Imunizações. Por dia são aplicadas cerca de 300 vacinas diversas, e somente depois de 15 dias estas pessoas estão aptas a se vacinarem contra a covid-19, de acordo com os grupos determinados pelo Ministério da Saúde. Esse processo acaba gerando filas de pessoas para entrarem nos abrigos.


Mudança no comando

General Sérgio Schwingel será o novo coordenador da Operação Acolhida em Roraima. (Foto:Divulgação/Exército)

A Operação Acolhida terá um novo comandante a partir de setembro. O general Antonio Manoel de Barros, que vai para a reserva, passará o bastão para o general Sérgio Schwingel, segundo Subchefe do Estado-Maior do Exército.

Esta será a segunda troca no comando da operação. Seu primeiro coordenador foi o General Eduardo Pazuello – que ganhou notoriedade nacional por depois ter se tornado ministro da saúde. No início de 2020, a operação foi assumida pelo general Barros, que deve ficar até dia 31 de agosto. 

Saiba mais: 

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
0
15
Cadastrar-me Enviar Comentário
Falei e disse: Em 20/07/2021 às 08:28:11

"Tem que criar uma CPI da Operação Acolhida, certeza que tem gente enricando"

Manuel disse: Em 19/07/2021 às 08:48:27

"Isto agora no presente o rombo que estão fazendo para o futuro de nossa geração é o problema. E nossos governantes nem ai.... venham... venham que aqui tem para vocês acabarem com tudo novamente o maduro podre agradece os otários... Cuba tentando se libertar de canalhas e nos aqui importando cada dia mais. Nossas forças desavergonhadas seguem contaminand o resto do pais."

GLEISON OLIVEIRA DO NASCIMENTO disse: Em 19/07/2021 às 13:35:31

"Já é absurdo soldados serem digo babá dos imigrantes, e governo federal o pai.O Brasil é a casa da mãe Juana, tô certo é o errado é o errado é certo, acordem p realidade desse país. "