Queimadas na Amazônia crescem 17% em poucos meses - Folha de Boa Vista
MEIO AMBIENTE
Queimadas na Amazônia crescem 17% em poucos meses
A queda vem sendo registrada desde 2020 e agora em 2022, registou um aumento de 17% apenas no primeiro semestre do ano
Por Folha Web
Em 02/07/2022 às 06:00
Fogo visto em Boa Vista, Roraima, no mês de março Imagem: Chico Batata / Greenpeace

Nos seis primeiros meses do ano, o número de focos de calor no Brasil subiu 2% em relação ao ano passado, com 22.670 registros. O aumento na Amazônia foi maior que a média registrada no resto do país.

A queda vem sendo registrada desde 2020 e agora em 2022, registou um aumento de 17% apenas no primeiro semestre do ano. Segundo o boletim do INPE (Instituto Nacional de Pesquisa Espacial), entre 1º de janeiro e 30 de junho, a Amazônia registrou 7.553 focos de calor, maior número desde 2019, quando os incêndios na região chamaram a atenção do mundo, foram 10.606 focos no mesmo período.

Os dados mostram que houve uma explosão de focos de incêndio em junho, com 2.562 registros pelo INPE o maior volume desde 2007. A situação do semestre também foi crítica no Cerrado, onde foram detectados 10.869 focos no primeiro semestre, o maior número para o período desde 2010.

Focos por bioma em 2022 (e comparação com o período de 2021):

Amazônia - 7.553 (+17%)

Caatinga - 826 (-48%)

Cerrado 10.869 (+13%)

Mata Atlântica - 2.533 (-32%)

Pampa - 392 (-27%)

Pantanal - 517 (+39%)

Total - 22.670 (+2%)

Greenpeace

A organização não-governamental lembrou que desde 23 de junho, o uso do fogo em território nacional foi proibido por 120 dias, de acordo com decreto presidencial (nº 11.100/22). E mesmo assim, 1.113 focos foram registrados na Amazônia desde então. 

“A estação seca mal começou e a Amazônia já está batendo novos recordes na destruição ambiental. O ocorrido não surpreende visto que a região está sob intensa ameaça, com altos níveis de ilegalidade que continuam devastando grandes áreas e vidas. Esse cenário se fortaleceu nos últimos três anos na Amazônia como resultado direto de uma política aplicada com êxito que facilita e estimula o crime ambiental”, comentou Cristiane Mazzetti, porta-voz de Amazônia do Greenpeace Brasil, em comunicado da entidade divulgado nesta sexta-feira, 1.

Com informações do Uol Notícias

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
1
0
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!