Recusar vacina pode levar à demissão por justa causa - Folha de Boa Vista
COVID-19
Recusar vacina pode levar à demissão por justa causa
Trabalhadores que se recusam a tomar a vacina contra a Covid-19 devem estar cientes de que podem ser demitidos por justa causa
Por Raisa Carvalho
Em 23/07/2021 às 10:48
Embora não exista uma previsão legal quanto a obrigatoriedade de tomar a vacina, o princípio que norteia as empresas é o risco à vida dos funcionários (Foto: Divulgação)

Trabalhadores que se recusam a tomar a vacina contra a Covid-19 devem estar cientes de que podem ser demitidos por justa causa. A recusa ao retorno do trabalho presencial também pode ser motivo de demissão.

Neste mês, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo confirmou a modalidade de demissão para uma auxiliar de limpeza de um hospital de São Caetano do Sul (SP) que se recusou a ser imunizada. Essa foi a primeira decisão em segunda instância sobre o tema na Justiça do Trabalho.

Segundo especialistas, a decisão foi acertada, principalmente, por se tratar de um ambiente de trabalho que oferece alto risco de contágio. Porém, em casos gerais, ainda não há consenso no Judiciário, já que não existe uma regulamentação específica sobre o assunto.

O princípio que norteia as empresas é o risco à vida dos funcionários, explica Nathamy Santos (Foto: Divulgação)

De acordo com a advogada trabalhista, Nathamy Santos, prevalece ainda o debate entre o direito de escolha do trabalhador e a segurança da coletividade, já que a recusa pode colocar os demais em risco.

"Embora não exista uma previsão legal quanto a obrigatoriedade de tomar a vacina, o princípio que norteia as empresas é o risco à vida dos funcionários, pois aqueles que se negam a tomar a vacina pode ser um risco para os demais colaboradores da empresa, propagando assim um possível contágio coletivo dos empregados e pondo em risco a vida dos mesmos" explicou.

Segundo ela, já existem julgados nesse sentido, de ser possível a demissão por justa causa, inclusive amparado no artigo 158 da CLT em que dispõe que o empregado deve colaborar com a empresa para garantir um meio ambiente de trabalho seguro, o que nos remete à vida e saúde coletiva.

"Mas para que ocorra uma demissão não basta apenas na negativa simples do empregado, é importante que a empresa observe alguns requisitos para que a demissão seja válida, pois a recusa tem que ser justificada. Então, o empregado deve tomar a vacina e comprovar, para que se tenha a manutenção do emprego" relatou.

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
10
12
Cadastrar-me Enviar Comentário
SANTOS disse: Em 23/07/2021 às 12:57:54

"- No Judiciário não há consenso quanto à aplicação dessa medida, nem pode haver haja visto que a Constituição assegura ao cidadão o direito de optar se quer, ou não, receber determinada medicação. Ademais, se em um grupo de 10 pessoas 9 tomarem a vacina e 1 não, não há o que temer, afinal as 9 estarão IMUNIZADAS, salvo se a vacina não oferece eficácia."

Manuel disse: Em 23/07/2021 às 12:14:44

"Pleno acordo, mais que certo. Já tomei a astrazeneca, a pfiser, a oxforde, a coronavac... esta faltando a do cotonete e a xingling que fez o vírus e hoje esta faturando astronomicamente do mundo inteiro. "