Chefe da Casa Civil faz críticas a grupo de oposição na ALE e nega crise interna - Folha de Boa Vista
LEGISLATIVO X EXECUTIVO
Chefe da Casa Civil faz críticas a grupo de oposição na ALE e nega crise interna
Secretário diz que governo sofre ataques e, sem citar nomes, criticou alguns políticos tradicionais que nunca trabalharam pelo Estado
Por Folha Web
Em 23/06/2017 às 01:11
Oleno Matos afirmou que o governo vai combater ações equivocadas da oposição (Foto: Divulgação)

O secretário-chefe da Casa Civil, Oleno Matos, em entrevista para a Folha, durante a posse do novo diretor presidente do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Titonho Beserra, falou sobre o relacionamento do Executivo com o Legislativo e fez duras críticas à maneira como alguns de seus colegas parlamentares vêm atuando contra o Governo de Roraima. Ele considerou a atuação parlamentar oposicionista na Assembleia Legislativa do Estado (ALE) como “equivocada”. “É irresponsável mesmo a atitude de um grupo de parlamentares, que é maioria no Legislativo. O governo vai combater com muito afinco tudo que fizeram de forma equivocada. Tem sido assim e vai continuar sendo assim”, disse.

Oleno negou que existisse qualquer crise no poder Executivo por conta das constantes mudanças no secretariado. “Quanto à suposta crise, não existe crise. A política é uma constante mudança, nós temos aliados e a gente precisa o tempo todo estar dialogando com esses deputados. Eu, Chicão [Chicão da Silveira] e Flamarion [Flamarion Portela] sempre dizemos que somos três deputados em um. E isso é bom, pois a representatividade é maior e, juntando nossos votos, tivemos mais de 10 mil votos representando toda a população. Por força de situação de momento, de política, mais uma vez o governo precisa dialogar com aliados e fazer modificações pontuais na estrutura, mas isso está longe de ser uma crise”, frisou.

Matos disse que o governo sofre ataques e criticou alguns políticos tradicionais do Estado que, segundo ele, nunca trabalharam pelo desenvolvimento de Roraima. “Sofremos constantes ataques, mesmo sendo um governo que quer o melhor para o povo, que quer o desenvolvimento do Estado, ao contrário dos governos anteriores que nada fizeram, pois não era interessante para eles”, afirmou.

E ele continuou: “Como exemplo, o governo Suely conseguiu a liberação do certificado de área livre de febre aftosa com vacinação, através do fortalecimento da Aderr na gestão do presidente Vicente Barreto. Em contrapartida, o grupo parlamentar opositor fez foi vetar a efetivação do nome de tão competente profissional. Mais um exemplo de trabalho contra o Estado. E o desenvolvimento é a regularização fundiária, pois no Iteraima tinha uma verdadeira quadrilha instalada que funcionava como imobiliária particular, com muitas pessoas recebendo titulo definitivo, sem nunca terem pisado em Roraima. Vamos anular todos, pois quem deve receber título da terra é quem está na terra, quem produz na terra”.

Ele afirmou que Roraima ainda é muito dependente de repasses federais com arrecadação própria representando menos de 20% do Orçamento do Estado e que tem dificuldades de se reerguer. Também pediu que a população preste atenção em quem faz bem e quem faz mal para Roraima. Citou como exemplo as enormes dívidas que o Governo do Estado tem e que foram contraídas em governos anteriores.

“O voto é consequência do trabalho e não tenho dúvidas que a população vai fazer essa avaliação de quem está fazendo bem ou mal para nosso Estado, quem está cuidando do povo e quem não está cuidando. Pegamos um governo combalido, cheio de dívidas contraídas sem trazer beneficio para a população. Sou repetitivo nessa questão, pois é necessário repetir que o dinheiro aplicado dentro do governo é nosso, é do povo. Todos os meses temos que desembolsar aproximadamente 20 milhões em dívidas que não foram contraídas nesse governo. Gerimos com responsabilidade, renegociando dívidas, pois não queremos virar o próximo Rio de Janeiro. Volto a afirmar, não estamos aqui de brincadeira”, frisou.

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
129
7
Cadastrar-me Enviar Comentário
mvs disse: Em 23/06/2017 às 08:25:48

"Em vez da governadora ficar se preocupando em trocar secretários,, ela deveria se preocupar era com a saúde, segurança, educação que ta um caos... isso sim."

Christhian Rodolfo Torres Dominguez disse: Em 23/06/2017 às 07:20:48

"Estão achando que vai morder a mão que da dona .................... "