BEM-ESTAR
Crescer com irmãos influencia personalidade das crianças
Por Raisa Carvalho
Em 08/11/2018 às 09:14
Para a médica, a relação com irmãos geralmente repercute nas relações sociais no futuro (Foto: Nilzete Franco/Folha BV)

Discussões, brincadeiras, risadas e até brigas são comuns entre irmãos. Essa relação, na infância e na adolescência, são grandes influenciadoras de pessoas quando se tornam adultos. Para a pediatra Ana Carolina Brito, a convivência entre irmãos é muito rica e favorece a socialização através do compartilhamento de brinquedos e obrigações familiares.

Segundo a médica, a convivência entre irmãos desenvolve um sistema de apoio e cumplicidade – desde que o ambiente proporcione esse tipo de interação.

“O conceito de hierarquia também é trabalhado na convivência entre irmãos,  onde o irmão mais velho tem o papel de orientar e cuidar do irmão mais novo,  abrindo portas e ensinando novos conceitos,  através de brincadeiras e vivências em coletividade” diz.

Numa família,  cada componente tem seu papel e o exercício do dia a dia geralmente divididos entre as tarefas da escola e outros grupos de convivência como associações religiosas e esportivas. “Essa convivência social saudável são inicialmente vivenciados entre irmãos como a solidariedade,  a tolerância e amor ao próximo. Isso é essencial nos dias de hoje, quando muitas famílias dependem de apenas um dos pais ou são formadas por pais separados. Os irmãos se tornam uma constante com quem sempre as crianças e adolescentes podem contar” diz.

A  convivência entre irmãos é muito rica e favorece a socialização através do compartilhamento de brinquedos e obrigações familiares (Foto: Divulgação)

Para pais que tem filho único, a pediatra  recomenda criar a convivência desse filho com outras crianças de idades próximas em núcleos familiares como vizinhança e  escola.

“Através da convivência social com outras crianças,  sentimentos como o egocentrismo podem ser testados e entendidos. Aprender a dividir brinquedos, tempo e responsabilidades enriquece o aprendizado e ajuda o amadurecimento das crianças. Irmãos que convivem, aprendem desde cedo a dividir o amor materno e paterno e a encontrar seu espaço na família,  o que geralmente repercute nas relações sociais no futuro,  quando adultos” reforça.

-------------------------------------------

ARTIGO

Irmãos: melhor tê-los

Pela psicanalística Roberta D’albuquerque*

Longe ou perto eles são uma lembrança de que não estamos sós. E de que tem muito ar pra respirar nesse mundo.

Dividir o quarto com irmãos é uma chamada para o conflito. Na minha infância reclamei algumas vezes desse destino. Mas apesar de morar em uma casa que tinha um quarto extra, para onde era possível me mudar caso a vontade fosse mesmo verdadeira, nunca fui adiante no plano de ter um espaço só meu.

Porque era à noite, quando me faltava o sono ou quando um pesadelo me despertava que eu encontrava o alívio de estar acompanhada e protegida. O som ritmado do ar que entrava e saia do pulmão de minha irmã me lembrava de que eu não estava sozinha. Já não dividimos o quarto desde o início de nossa adolescência quando passamos a morar em lugares diferentes. Foi preciso abandonar esse código de segurança. Criei outros, ela deve ter criado também.

Nas últimas semanas, tenho pensado em quão preciosos são esses pequenos lembretes. Muito provavelmente porque venho acompanhando de perto os registros do retorno de minha irmã e sua família à cidade onde eles viveram por muitos anos. Vejo com gosto, daqui do Brasil, seus rostinhos contentes, seguros e “em casa” a quilômetros do que foi um dia nossa casa. Em Barcelona, Poly e os seus não são estrangeiros

Quando ela decidiu que mudaria (com marido, filhos pequenos, cachorro, livros e panelas) por tempo indeterminado, não tive a dimensão de quão corajoso era o movimento de abrir mão de boa parte dos seus códigos. A começar pelo mais norteador deles: a língua.

Talvez, eu tenha demorado a me dar conta porque a firmeza de minha irmã é uma constante. Talvez porque eles levavam na mala um projeto muito desejado. E estavam juntos – acordados ou dormindo. O fato é que não tiveram medo de reaprender, tiveram os quatro disposição e força para recomeçar.

Aos D’Albuquerque Bahia registro minha admiração. Ter coragem para andar para onde aponta o desejo não é pouca coisa. Ensinar os filhos a seguir esse caminho é ainda mais precioso. À minha irmã registro meu agradecimento, não há geografia capaz de me fazer esquecer o conforto do quarto de nossa infância. E um lembrete: você tem mais fôlego do que imagina.

***
Gostou?
6
1
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!