CONTRA PRIVATIZAÇÃO
Eletricitários paralisam por 3 dias
A expectativa do Sindicato é que em Roraima, aproximadamente 80 servidores participem da greve
Por Folha Web
Em 11/06/2018 às 07:32
A concentração será ao lado da Eletrobras nos dias 11, 12 e 13 de junho (Foto: Diane Sampaio)

Os eletricitários ligados ao Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Urbanas do Estado de Roraima (STIU-RR) devem aderir ao movimento nacional de paralisação contra a privatização da Eletrobras. A ação, que começa nesta segunda-feira, dia 11 e termina na quarta, dia 13, é coordenada pelo Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE), reunindo federações e sindicatos de trabalhadores de empresas de energia. Em Roraima, cerca de 80 servidores da Eletrobras Distribuição Roraima, Eletronorte e Boa Vista Energia devem aderir ao movimento. 

Segundo o diretor do STIU-RR, Ricardo Loreto, em Boa Vista o movimento deverá se concentrar na Avenida Ene Garcez, no Centro, ao lado da Eletrobras Distribuição Roraima. “A ação não acarreta prejuízo aos consumidores, pois equipes de manutenção e urgência vão prestar serviços essenciais e atuar em casos de emergência”, explicou Loreto.

Em todo o País, espera-se a adesão de 24 mil empregados do Sistema Eletrobras, que compreende empresas de geração e transmissão de energia: CGTEE, Chesf, Eletronorte, Eletronuclear, Eletrosul e Furnas, além de distribuidoras dos estados do Amazonas, Acre, Alagoas, Piauí, Rondônia e Roraima.

Segundo lideranças do CNE, o plano do Governo Federal é concretizar, o quanto antes, a venda de todas as estatais. Porém o projeto encontra barreiras. O governo já se encontra enfraquecido, sendo a perspectiva de que não dure até as eleições de Outubro. Para tanto, é importante que sua queda ocorra através da pressão e mobilização popular nas ruas.

RORAIMA – A privatização do Sistema Eletrobras em Roraima é vista com maior preocupação, uma vez que o Estado não integra o Sistema Interligado Nacional (SIN), pois boa parte da energia consumida aqui vem da Venezuela, por meio do Linhão de Guri. Além disso, outro percentual da energia provém de usinas termelétricas, que dependem de derivado do petróleo para funcionar. Os sindicatos temem que com a privatização, o brasileiro passe a pagar mais caro pela conta de energia, que já é uma das mais caras do mundo.

ELETROBRAS – A Eletrobras representa 32% da capacidade instalada de geração de energia, atua na distribuição em seis estados das regiões Norte e Nordeste e é responsável por 47% das linhas de transmissão de energia do país. Tem usinas de vários tipos, como: eólica, nuclear, solar e termonuclear, mas as que se destacam são as hidrelétricas. Atualmente, o governo federal detém 63% do capital total da empresa, sendo 51% da União e outros 12% do BNDESPar.

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!