ELEIÇÕES 2018
Esquerda quer acabar com privilégios
O pré-candidato ao PSOL, Fábio Almeida, disse que a frente de esquerda quer focar na reorganização do Estado
Por Paola Carvalho
Em 11/06/2018 às 02:12
O pré-candidato Fábio Almeida: “A violência se combate com política para os jovens" (Fotos: Diane Sampaio)

Em aliança composta pelo PSOL, PCB e PSTU, os partidos de esquerda de Roraima anunciaram apoio a pré-candidatos ao Governo do Estado, além de representantes para o Senado Federal. A união das siglas prega o fim dos privilégios.

Durante entrevista ao programa Agenda da Semana, na Rádio Folha 1020 AM, domingo, 10, o pré-candidato Fábio Almeida (PSOL) informou que a aliança entre os partidos supera o processo de visão política e partidária.

"Nós estamos numa aliança com três partidos e segmentos sociais e sindicais, que possuem peso igual aos partidos na definição dos processos. Outras instituições estão se aproximando e já temos um programa de governo rascunhado para apresentar à sociedade", informou Almeida.

Segundo o pré-candidato, a construção da Frente de Lutas não visa somente às eleições de 2018, mas um processo de reorganização do Estado, de alguns serviços públicos que a seu ver estão abandonados e à valorização da vida humana.

"Nós como sociedade temos que nos apropriar desse espaço político. Muitas vezes a sociedade coloca como se a democracia se exercesse no dia do voto. A democracia perpassa esse processo. A sociedade tem que debater", ressalta Fábio.

Uma das pautas da Frente, segundo Almeida, é acabar com os privilégios nas corporações públicas e privadas que inibem o funcionamento do Estado. "É impossível ter a gestão e investimentos públicos adequados em Roraima, quando 25% do orçamento é destinado à instituições que não têm finalidade direta com o processo produtivo", afirma.

Cita entre elas, a Assembleia Legislativa de Roraima, o Tribunal de Contas do Estado. "É ridículo ver um orçamento do Estado onde o TCE tem três vezes mais recursos que a Agência de Fomento, que tem como papel fomentar a economia, priorizando a agricultura familiar", declara.

SEGURANÇA – Com relação aos altos índices de violência, o pré-candidato afirma que vai propor ao comando único das forças de segurança, a implantação da polícia comunitária e a efetiva participação da sociedade.

"Nós compreendemos que segurança pública não se dá apenas pela política de repressão e encarceramento. Não temos políticas públicas para os jovens", informou. Fábio Almeida sugere como medida para auxiliar na solução do problema, a abertura das escolas em outros períodos, durante o final de semana e o horário noturno, ofertando atividades de lazer e cultura.

"Qual o motivo de construir um centro para o jovem aprender sobre música se posso oferecer esse curso na escola onde estuda?", questionou. Além disso, o membro do PSOL completou que o grupo é contra a militarização nas escolas.

"As unidades de ensino precisam ser recuperadas. O problema da violência na escola está fora. Se temos venda de drogas, é porque fora da escola não se consegue resolver. Não é a política do medo que está sendo estabelecida que vai solucionar a violência no Estado", finalizou Fábio. (P.C.)

RIPA NA XULIPA disse: Em 12/06/2018 às 11:51:35

"O que acho mais engraçado é ver partidos de esquerda que apoias e defendem o comunismo, apoiam ditadores ENCHEM A BOCA PRA FALAR DEMOCRACIA, algo que não existe nesses regimes... JÁ COMEÇAM QUERENDO ILUDIR A POPULAÇÃO."

misael carvalhedo disse: Em 12/06/2018 às 06:11:19

"Se com os Políticos de centro, de centro direita e direita não está funcionando, com os de esquerda seriam o caos total, pois, os Países, no mundo, que são Socialistas/Comunistas, nenhum serve de exemplo como modelo de gestão, pelo contrário, o povo vive na miséria, sem liberdade onde a corrupção é mil vezes pior do que qualquer outro regime. Que o diga o povo da Venezuela, Coréia do Norte, Cuba, Miamar, Nicaragua, El Salvador e tantos outros!"

Rio Branco disse: Em 11/06/2018 às 12:13:33

"A quem esse comunista quer enganar? Se um dia assumissem o estado, que Deus nos livre, fariam pior dos que ai estão, pois nada de bom pode se esperar de um partido que elogia e enaltece o governo de Maduro."

concurseiro disse: Em 11/06/2018 às 08:19:49

"precisamos é da volta das forças armadas para colocar ordem nessa bagunça que virou o brasil. conversa fiada não traz segurança. segurança se faz com o exercito na rua e com a população civil d bem armada até os dentes como nos estados unidos. chega de conversa fiada. bolsonaro presidente já!"