PUBLICIDADE
DECISÃO DO STF
Governo não pode modificar reajuste no orçamento do TJ
O governo teria reduzido de R$ 289,9 milhões para R$ 261 milhões o orçamento do Poder Judiciário antes de enviar a proposta para a Assembleia
Por Folha Web
Em 28/12/2018 às 08:38
Decisão do presidente do STF, Dias Toffoli, foi tomada durante plantão judiciário (Foto: Divulgação)

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, determinou que o Governo de Roraima encaminhe à Assembleia Legislativa a proposta orçamentária do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima (TJRR) no valor de R$ 270,4 milhões, referentes ao montante bruto sobre o qual o Poder Legislativo efetuará as adequações à Lei de Diretrizes Orçamentárias. Conforme a decisão, tomada durante o plantão judiciário nos autos do Mandado de Segurança (MS) 36137, a proposta do TJRR deverá ser anexada ao Projeto de Lei Orçamentária Anual 2019.

No mandado de segurança, o TJRR questiona ato da então governadora de Roraima, Suely Campos, que, ao enviar o projeto de lei orçamentária à Assembleia Legislativa, teria reduzido de R$ 289,9 milhões para R$ 261 milhões o orçamento do Poder Judiciário. Argumenta na ação que a governadora não levou em consideração, para fins de definição da proposta orçamentária, o valor que havia sido acrescido ao orçamento de 2018 por emendas parlamentares.

Conforme os autos, o TJRR inicialmente atribuiu à sua proposta orçamentária o valor de R$ 289,9 milhões e, posteriormente, promoveu novos cálculos e obteve o valor de R$ 270,4 milhões. Segundo o ministro, a diferença entre um e outro valor estaria na autorização inserida na parte final do artigo 20 da LDO, no sentido de projetar na proposta orçamentária os acréscimos necessários ao implemento de novas ações e projetos.

EMENDAS – A Lei Orçamentária Anual de 2018 do Estado de Roraima e emendas estão em questionamento no STF e são objeto de controvérsia apresentada na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5930, ajuizada pela governadora após a Assembleia Legislativa derrubar o veto por ela imposto e promulgar a LOA com as emendas. Segundo o ministro Dias Toffoli, “a celeuma que se põe, portanto, diz respeito à possibilidade de o Poder Executivo realizar glosa na proposta de orçamento recebida de outros poderes e, em sendo possível, quais os limites dessa atuação”.

Ao analisar o mandado de segurança, o presidente do STF limitou-se à tutela de urgência, deixando o mérito da controvérsia para o julgamento da ADI. Toffoli observou que a Corte já definiu que eventual alteração unilateral pelo chefe do Poder Executivo nas propostas orçamentárias apresentadas por outros Poderes, quando estas se encontrem em conformidade com a LDO e com as disposições constitucionais sobre a matéria, configuraria violação à cláusula de separação dos poderes. Destacou que são estreitos os limites do Poder Executivo para interferir nas propostas de outros Poderes, cabendo sempre ao Legislativo a mais ampla apreciação da proposta consolidada recebida. Ele acrescentou, ainda, que o STF já assentou ser a fase de apreciação legislativa “o momento constitucionalmente correto para o debate de possíveis alterações no Projeto de Lei Orçamentária”, segundo informações da Assessoria de Imprensa do STF.

GOVERNO – Por meio de nota, o Governo do Estado informou que não foi notificado acerca da decisão. “Tão logo tome conhecimento, o Governo de Roraima, além de adotar as medidas cabíveis, e irá se manifestar”, concluiu a nota.

***
Gostou?
1
9
PUBLICIDADE
Observador disse: Em 28/12/2018 às 11:09:33

"Então, porque vai para a Assembléia para aprovação ? Se é o TJ que define seu orçamento ??? Aumentos vultuosos do Judiciário, ano após ano, em detrimento do executivo. "