Imigrantes venezuelanos clamam por oportunidade e vagas de emprego - Folha de Boa Vista
CRISE MIGRATÓRIA
Imigrantes venezuelanos clamam por oportunidade e vagas de emprego
Apesar das circunstâncias, grupo de venezuelanos diz não perder as esperanças: “Só queremos uma chance”
Por Paola Carvalho
Em 21/06/2017 às 00:41
Imigrantes improvisam alojamento em degraus do Ginásio do Pintolândia (Foto: Wenderson de Jesus)

Com seus pertences amontoados, dormindo em caixas de papelão estendidas em uma lanchonete fechada próxima à Rodoviária Internacional José Amador de Oliveira – Baton, no bairro Treze de Setembro. É assim que um grupo de cerca de 20 estrangeiros, oriundos de cidades como São Cristóbal, Maracay, Maripa e Maturín, na Venezuela, passam a noite em Roraima.

A situação é bem diferente do que costumavam viver no seu país de origem, onde moravam em suas casas com a família, algumas residências até de dois pisos. Trocaram o conforto, para viver nas ruas no Brasil. O motivo? A grave crise econômica e social que o país vizinho enfrenta. Segundo eles, “de nada adianta morar em uma casa e não ter o que comer”.

Uma das integrantes do grupo de venezuelanos, a doméstica Yelitza Zarraga, explicou que sempre vinha ao Brasil para tentar fazer diárias, conseguir dinheiro e voltava para ajudar a família. Por conta do agravamento da crise, decidiu ficar no Brasil e agora tem dormido nas ruas para economizar o dinheiro do aluguel.

Segundo Yelitza, a principal necessidade do grupo atualmente é emprego para poder se sustentar e ajudar as famílias que permanecem vivendo na crise, no país vizinho. A venezuelana acrescenta que agradece às oportunidades que o Governo Federal deu aos estrangeiros, de poder se regularizar e emitir os documentos para registro de trabalho, porém, reclama que apenas dão a ferramenta para trabalhar e não oferecem novas vagas.

“Meus companheiros que estão aqui e eu queremos emprego. Que nos deem trabalho para a gente poder se sustentar no Brasil. A gente bate nas portas das casas, dizemos que precisamos de trabalho. Não conseguimos nada. Precisamos de emprego, para poder comer. Nós não podemos morrer de fome”, afirmou.

Ela sugere que os poderes públicos ofereçam vagas aos venezuelanos. “Aqui no Brasil existe um centro de trabalho do Governo. Poderia ter vagas para venezuelanos, não digo cem, mas pelo menos vinte vagas.

Muitas empresas podem contratar, montar uma parceria. Assim como nos deram a carteira de trabalho, registro, refúgio, nos deram apoio e tudo isso. Queremos que tomem conta de nós. Somos seres humanos como vocês, não somos animais. Não quero ganhar somente roupas, alimentos, queremos chances. O problema da Venezuela é um problema de todos”, declarou.

OPORTUNIDADE – O grupo também defendeu que não quer obter as facilidades de 'mão beijada'. “Não queremos ganhar as coisas sem lutar, de forma fácil. Fazemos de tudo, trabalhamos limpando casa, cuidando de idosos e crianças, como pedreiro, mecânico, eletricista, vaqueiro, pintor, com refrigeração. Sou cristã e não minto porque sei que isso não agrada ao meu Deus. Todos somos trabalhadores”, acrescentou Amparo Undaneta.

O jovem Jeferson Cordova se contenta em arrumar um emprego fora da área de atuação. “Se não tiver vaga para a área que a gente trabalha, não importa. Trabalhamos com tudo que tiver”, completou. Para ele, ainda há muita dificuldade para que os estrangeiros arranjem um emprego, por conta do preconceito. Segundo Jeferson, na hora da contratação, os estrangeiros são discriminados. “Fui buscar uma vaga de emprego e me perguntaram se eu era venezuelano. Eu disse que sim e me responderam que só contratavam brasileiros, nem me deixaram falar nada e me mandaram embora”, afirmou.  

Yelitza também comentou sobre a discriminação com os estrangeiros e que não se pode generalizar. “Existem venezuelanos 'pilantras', assim como existem brasileiros 'pilantras'. Existem brasileiros bons, assim como existem venezuelanos bons”, afirmou.

Por fim, no momento do registro do grupo, os venezuelanos brincaram entre si e sorriram. Apesar das circunstâncias, os venezuelanos disseram que não vão perder as esperanças: “Só queremos uma chance”, finalizaram. (P.C)

Estrangeiros dormem em colchões no chão e em barracos improvisados no CRI

Localizado no Ginásio Poliesportivo do Pintolândia, próximo à Praça Germano Augusto Sampaio, o Centro de Referência ao Imigrante (CRI) atende atualmente cerca de 250 estrangeiros, sendo a maioria composta por indígenas venezuelanos da etnia warao.
O local é sustentado pelo Governo do Estado, sem auxílio federal, porém a estrutura aparenta ser precária. Os estrangeiros dormem em colchões no chão, improvisados nos degraus do ginásio, junto às sacolas com alimentos, roupas e outros pertences. Além disso, também há barracos instalados ao redor do ginásio, com certo acúmulo de lixo nos cantos.

Apesar da situação, os venezuelanos agradecem por terem onde dormir. “A situação está boa. Temos um piso para dormir. Com teto”, disse Jorge Zapata, venezuelano que chegou a Roraima desde dezembro do ano passado e, até o momento, não conseguiu uma vaga de emprego fixo.

Jorge deixou família e amigos por conta da crise econômica e veio para o Brasil em busca de uma renda, para poder ajudar os parentes de alguma forma. “O que mais queremos é emprego, trabalho. É muito difícil. Pode ser qualquer coisa. Queremos arrumar a cidade, pintar as ruas, o que for”, comentou.

ESTADO – Segundo a Defesa Civil Estadual, atualmente são atendidas 240 pessoas no CRI. Deste total, são 35 não Indígenas e 205 Indígenas. Conforme o Governo, no Centro são recebidos imigrantes que declaram estar necessitando de local para abrigamento e que estão em condições financeiras desfavoráveis.

Dentre os serviços ofertados aos venezuelanos no CRI, a Defesa Civil destaca o proveito de alimentação, com café da manhã, almoço e jantar; acompanhamento médico; encaminhamento ao mercado de trabalho e local para abrigamento. Os pré-requisitos estão vinculados a uma situação de alta vulnerabilidade social, atentando-se especialmente para os casos de crianças e adolescentes.

Para buscar a integração na sociedade, a Defesa Civil ressaltou ainda que são realizadas aulas de português, apoio no encaminhamento ao mercado de trabalho através do Sistema Nacional de Emprego (SINE) e também apoio às famílias recém-saídas do abrigo até que conquistem plenamente sua independência financeira.

Quanto à rotatividade de refugiados, o Governo explicou que o prazo normal para permanência no abrigo é de 15 dias. “Porém, esse número de dias é flexível. Avaliamos cada caso específico, na medida em que se apresentem, para que o processo de inserção plena na sociedade ocorra de forma tranquila”, informou.

LIMPEZA E FISCALIZAÇÃO – Sobre a limpeza, a Defesa Civil disse que o Centro de Referência é limpo diariamente e que a higienização é realizada pelos próprios imigrantes. “Para isso são realizadas escalas para que haja revezamento”, informou.

Com relação à fiscalização de venezuelanos dormindo em órgãos públicos, como os que estão acampados dentro da Rodoviária Internacional de Boa Vista, a Defesa Civil do Estado disse que orienta todos os agrupamentos de imigrantes, em quaisquer pontos da cidade, “para que se dirijam ao CRI, para receber apoio social, mas alguns se recusam”.(P.C)

Número de pedidos de refúgio quadruplicou em dois anos

Segundo dados do Ministério da Justiça, em 2015, foram feitos 829 pedidos de refúgio no Brasil e, este ano, o número quadruplicou. Até o mês de maio, foram registradas 3.971 solicitações. A estimativa do Governo do Estado é de que, desde o agravamento da crise político-econômica no país vizinho, mais 30 mil venezuelanos ingressaram em Roraima. A administração estadual também revelou que, de outubro de 2016 até junho deste ano, 3.039 pessoas foram recebidas nos centros de atendimento ao migrante localizados em Boa Vista, em Pacaraima e também em atendimentos móveis. (P.C)

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
4
14
Cadastrar-me Enviar Comentário
Mauro disse: Em 11/10/2019 às 19:28:46

"Estou a procura de casal Venezuelano com ou sem filhos ou rapaz solteiro, para cuidar de sítio na Cidade de São Gonçalo - Estado do Rio de Janeiro. Ofereço salário a combinar, casa para moradia com água e energia e espaço para plantar. Desejável que o interessado, tenha um pouco de conhecimento em: limpeza de piscina, corte de grama, tratar e fazer jardins, pedreiro, pintura e se possível noção de elétrica. Interessados, enviar e-mail para luismaurodosreis@bol.com.br, contendo nome, telefone para contato, um breve currículo e histórico pessoal além do e-mail para retorno. "

Mauro disse: Em 11/10/2019 às 19:16:42

"Procuro rapaz imigrante venezuelano, casado ou solteiro para trabalhar como caseiro. "

FERNANDES disse: Em 12/09/2019 às 14:26:43

"" Estou a procura de um casal Venezuelano sem filhos para cuidarem de uma Chácara na Cidade de Bragança Paulista, fica a 80 Km, da cidade de Sao Paulo , Ofereço Salario a combinar casa para moradia O homem precisa ter um pouco de conhecimento, limpar piscina, cortar grama , cuidar e fazer jardim, parte elétrica , pedreiro e pintura, À mulher para limpeza em geral interessados favor enviar um e-mail para acridistmed@bol.com.br, enviar o telefone e nome no e-mail que retorno ""

Bartels disse: Em 17/01/2019 às 05:45:08

"Estou a procura de venezuelanos que tenham conhecimento de web design. Ou caso alguem saiba como contratar solicito que me informem. Estou em São Paulo região da Penha na zona Leste meu telefone /whatsapp 11 99242-9127"

BARUK disse: Em 09/01/2019 às 10:22:58

" Preciso de técnico eme eletronica Venezuelano para trabalhar em Manaus, contato tel/whats 92-993706856"

D7 disse: Em 16/12/2018 às 20:40:17

"Hola amigo de Venezuela! Estoy buscando tabajador en Boa vista, para venir a sao paulo trabajar en taller de chapa y pintura de coche y camiones. Profissionale de preparacion pintor y chapero. Pago el piso minimo, mas ahoros por capacidad profissional y habitacione. Me llama por Wathsap y Hablamos."

cleo disse: Em 27/08/2018 às 23:49:53

"Como faço para contratar uma pessoa do sexo feminino como cozinheira"

Regina Alves disse: Em 29/07/2018 às 22:54:41

"Como faço para contratar uma pessoa ? "

GLuedtke disse: Em 21/02/2018 às 17:36:32

"Na minha empresa estou necessitando profissionais com formação na área de engenharia mecânica e na área de webdesign ou publicidade e propaganda tenho dificuldade de encontrar esses profissionais no Brasil. Se alguém souber de um desses Venezuelanos que tenha essa formação e que também fale inglês, eu tenho oportunidades aqui no Rio Grande do Sul."

Luiz Junior disse: Em 21/06/2017 às 11:45:32

"Infelizmente não são apenas os venezuelanos que necessitam de empregos. O povo brasileiro também clama por uma oportunidade."

jaime disse: Em 21/06/2017 às 10:17:32

"Lamentável! de fato são seres humanos como nós. Pena que nosso estado está uma tragédia devido nossos governantes que não estão nem cuidando do Brasileiro Roraimense quanto mais dos nossos irmãos estrangeiros. Que bom que existe os anônimos que ajudam sem querer nada em troca. "

Pessoa disse: Em 21/06/2017 às 09:59:25

"Vamos aos fatos, durante anos fomos humilhados e muitas vezes roubados por venezuelanos quando fazíamos turismo no pais deles e olha que o nosso dinheiro era bom pra eles, agora eles chegam aqui e fazem cara de coitado destroem o nosso já fraco sistema de saúde, aumentam o índice de criminalidade, lotam nossas escolas e muitas vezes são tratado com mais zelo pelo setor publico do que um brasileiro nato e ainda reivindicam o direito de serem tratados de forma diferencia pelo governo as custas do nosso dinheiro(impostos) para conseguirem emprego isso é o fim da picada!!!"

Jornalista Felipe Morales disse: Em 21/12/2017 às 19:31:54

"Você é uma pessoa egoísta e deus castiga isso"

Jornalista Felipe Morales disse: Em 21/12/2017 às 19:32:03

"Você é uma pessoa egoísta e deus castiga isso"

Christhian Rodolfo Torres Dominguez disse: Em 21/06/2017 às 07:23:43

"A situação é lamentável mais Boa Vista ainda é uma cidade pequena que não tem como absorver essa quantidade de mão de obra........ "