Junta Comercial poderá inativar mais de 7 mil empresas até julho - Folha de Boa Vista
POR INATIVIDADE
Junta Comercial poderá inativar mais de 7 mil empresas até julho
O processo de inativação das empresas foi lançado no dia 12 de maio e segue até o dia 15 de julho
Por Folha Web
Em 12/06/2017 às 01:31
Presidente da Jucerr, Mariana Poltronieri: “Serão extintas empresas que permaneceram inativas pelos últimos 10 anos”(Foto: Natanael Vieira)

Pouco mais de sete mil empresas podem ter seu registro cancelado pela Junta Comercial de Roraima (Jucerr) devido a inatividade nos últimos dez anos. O órgão deu início no dia 15 de maio ao processo de inativação de empresas que não registaram alterações ou não emitiram certidões neste período. As empresas nesta situação que ainda estão com as portas abertas devem procurar a Junta até o dia 15 de julho e regularizar a situação.

Em entrevista ao programa Agenda da Semana, na Rádio Folha AM 1020, ontem, 11, a presidente da Jucerr, Mariana Poltronieri, informou que até o momento, apenas duas empresas compareceram para informar que ainda estão funcionando, 56 informaram paralisação temporária e nenhuma para encerrar as atividades. “Acreditamos que 80% destas sete mil empresas realmente já fecharam as portas e não devem comparecer a Jucerr”, explicou.

A presidente do órgão informou ainda que o processo de cancelamento se trata de um cumprimento de legislação. “As leis que abrangem a Jucerr, a Lei 8934/94 e o decreto 1.896 exigem que tomemos essa atitude. Tomamos essa iniciativa para limpar nossos arquivos e também para termos um banco de dados correto e verificar de forma mais precisa como anda a economia em nosso Estado”, disse.

Segundo Mariana, a Junta Comercial é a instituição de registro de empresas mais antiga em Roraima, com 42 anos de atividade. “Hoje existem outras formas de registrar empresas, como pelo Sebrae, por exemplo, mas as empresas em atividade há mais tempo foram registradas conosco. Atualmente, contando com as sete mil inativas, temos mais de 32 mil empresas registradas. Quando elas encerram suas atividades geralmente não procuram a Jucerr para informar, apenas os órgãos tributários”, detalhou.

Mariana explicou ainda que o processo de inativação não implica a extinção da empresa e, sim, a perda da proteção do nome empresarial. A empresa continua com todas as outras funções adquiridas, porém a informação sobre a inativação é repassada também para as juntas comerciais de outros estados, caso exista filial em outra unidade federativa.

Ela informou também que todas as informações referentes ao processo de inativação de empresas podem ser encontradas no portal da Junta Comercial na internet (http://www.jucerr.rr.gov.br/). “Lá temos a listagem com o nome de todas as empresas separadas em ordem alfabética e por município, então é muito fácil e simples de encontrar. Também temos o edital do processo que foi aprovado pelo Conselho da Junta Comercial. O empresário pode encontrar também um manual de como evitar o cancelamento”, detalhou ao explicar que todas essas informações podem ser obtidas também na sede da Jucerr, localizada na Avenida Jaime Brasil, no Centro. “Qualquer um dos servidores está apto a dar informações a respeito do assunto”, concluiu.

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
4
0
Cadastrar-me Enviar Comentário
ROSINALDO VIEIRA SILVA disse: Em 12/06/2017 às 01:47:05

"Na verdade isso aí é uma forma de tirar dinheiro das empresas ativas e que nunca teve a necessidade de usar os serviços da Junta Comercial... ou seja é uma forma de punir quem não precisa deles....eles deveriam era promover a abertura de novas empresas, exemplo: quem atua nas feiras livres existem verdadeiros empresários nas feiras atuando na clandestinidade....era só baixar o absurdo que são as taxas cobrados por um simples registro e trabalhar junto com órgãos fiscalizadores que a grana ia cair no bolso deles de forma justa."

Débora disse: Em 12/06/2017 às 11:58:46

"Queria mesmo era ver os grandes empresários de Roraima que não concedem sequer FÉRIAS para seus funcionários, serem penalizados, regulamnete, na forma da Lei. Implicar com pequeno, é fácil. Débora."