CRISE MIGRATÓRIA
Mais quatro abrigos para venezuelanos serão construídos
Todas as ações que foram executadas e que ainda vão ser, como a criação de novos abrigos, são planejadas com base nos recursos da Medida Provisória nº 823
Por Paola Carvalho
Em 16/05/2018 às 00:38
Cerca de quatro mil pessoas estão morando em abrigos (Foto: Nilzete Franco)

R$ 190 milhões. Esse é o recurso que o Ministério da Defesa tem para promover assistência emergencial e acolhimento humanitário para os venezuelanos até 2019. O valor foi definido pela Medida Provisória nº 823, que abriu crédito extraordinário e destinou o recurso ao Ministério, em março deste ano.

De acordo com o tenente-coronel, Souza Filho, da Força Tarefa Logística Humanitária para o Estado de Roraima, a operação não tem um prazo para terminar, entretanto, o montante de recursos que foi repassado até agora é para um ano de ação.

O montante de R$ 190 milhões foi elaborado previamente após análise das necessidades da população venezuelana que atravessou a fronteira até Roraima. Souza Filho explicou que quando as Forças Armadas e o Ministério de Defesa receberam a incumbência de ser o órgão operativo da Força Tarefa, foram enviadas equipes para fazer levantamento e planejamento de custo em Roraima.

“Baseado em toda essa necessidade foi apresentado esse número de R$ 190 milhões, que foi atendido pelo Governo Federal”, completou Souza Filho. Ou seja, todas as ações que já foram realizadas e ainda vão ser realizadas, como a construção de novos abrigos, são de acordo com esse orçamento.

Souza Filho ressaltou que não há uma ação planejada que vá, por ventura, demandar uma ampliação dos valores. “Por enquanto, não está nos planos de ampliar esses valores. Nós estamos trabalhando com os recursos que foram destinados para a operação”, frisou.

ABRIGOS - Segundo o tenente coronel, Souza Filho, nove abrigos estão em funcionamento no Estado, sendo oito abrigos em Boa Vista e um em Pacaraima, na fronteira com a Venezuela. Dos oito na Capital, seis são permanentes e dois são temporários. Porém, ainda não há um prazo para desmontar os acolhimentos provisórios.

Com os nove abrigos, somam-se quatro mil abrigados atendidos. Os espaços são divididos entre abrigos para famílias, homens solteiros ou desacompanhados, já que existem homens que vem sem a família, e os voltados para os indígenas. “Isso acontece por uma questão de diferentes costumes e culturas. A estrutura do abrigo é diferenciada para os indígenas”, informou. “Ainda temos alguns com capacidade de vaga, mas a maioria já está atendendo a atual demanda”, completou o representante da Força Tarefa.

Sobre os novos abrigos, o tenente-coronel explicou que estão sendo construídos ainda mais três novos abrigos em Boa Vista e mais um em Pacaraima, somando 13 abrigos no total. Para os espaços na Capital, já foram iniciados os trabalhos de construção. “Eles vão ficar no terreno próximo à sede da Polícia Federal (PF). A nossa meta é colocar dois em funcionamento até o final deste mês. Em Pacaraima, nós estamos institucionalizando um posto de triagem, que vai desafogar o trabalho que está em andamento na fronteira. Finalizando o posto e acertando a definição de local, vai iniciar os trabalhos de construção”, informou Souza Filho. (P.C.)

***
Gostou?
0
3
Manuel disse: Em 25/05/2018 às 16:39:51

"puts!!! não vai acabar nunca então..."

Massarico disse: Em 16/05/2018 às 14:15:20

"Eles não vão parar de vir. Pode inventar dinheiro!!"

BethAlmeida disse: Em 16/05/2018 às 12:17:06

"Na verdade não há interesse em resolver o social, o interesse é nos milhões... Quanto mais venezuelanos, mais dindin na conta... concordo plenamente com o Arnold. Até os meliantes daqui já estão temerosos com o aumento da criminalidade dos venecas. Insegurança total."

Jesus está voltando! disse: Em 16/05/2018 às 09:06:00

"Esses abrigos é para serem feitos lá na Venezuela, enquanto eles ficarem sabendo que aqui tem abrigo e comida, eles não vão parar de vir pra cá, ai aumenta a criminalidade, esse povo é igual aquele povo que Deus libertou da escravidão, pense num povo ruim aquele. "

Arnold & Suas Negas disse: Em 16/05/2018 às 08:19:23

"Esse povo venezuelano é muito mal agradecido, povinho arrogante, foram mal acostumados na venezuela a ter comida na boquinha, outro dia tavam reclamando da comida servida para as crianças, pense num povo mal agradecido, não é a toa que estão passando por isso, pra ver se aprendem, mais mesmo assim, não querem aprender, hooo povinho ruim esse heim..."

Arnold & Suas Negas disse: Em 16/05/2018 às 08:14:28

"Queria muito que tivessem essa preocupação toda com o povo brasileiro, como tem com os venezuelanos. Temos que ajudar sim, mais não esquecer dos nossos."

Rildo Lopes disse: Em 16/05/2018 às 07:14:02

"Segurança, educação, saúde, favelas e agora abrigos ....Rsrsrs e os problemas só aumentam...Que bom que há recursos....Nossos governantes deveriam descobrir a receita para que esses recursos também venham para saúde por exemplo...Estou até imaginando as matérias futuras, onde informa a conta que o brasileiro vai pagar.... Parabéns Brasileiros mais uma conta! ACNUR e ONU, vá conhecer o Pérola, Araceli, Senador H Campos, lixão de boa vista. Conheçam o HGR! Enfim, ou então desembarque na Venezuela. "

Castro disse: Em 16/05/2018 às 07:06:56

"Essa gente está maluca mesmo cercar toda uma capital de criminosos, faça a coisa certa se é somente para amontoar e alimentar que seja feito em território venezuelano, criem lá um centro de distribuição de alimentos juntamente com a igreja e a ONU e parem de propagar o crime e a miséria no estado de Roraima"

Opinião disse: Em 16/05/2018 às 06:40:30

"Vocês podem construir quantos abrigas quizer, isso não vai dar conta, não vai resolver o problema, porque o problema está na Venezuela. Quanto mais espaço tiver aqui em Roraima mais migrantes virão. Isso está ficando desenfreado, daqui a pouco os brasileiros terão que desocupar Roraima. "

Fabricio Maia disse: Em 16/05/2018 às 06:38:00

"Há relatos que eles invadiram Totozão. Procede?"

Guilherme magalhães disse: Em 17/05/2018 às 10:16:14

"sim"