Alunas soldados da PM estariam sendo humilhadas em curso de formação - Folha de Boa Vista
DENÚNCIA
Alunas soldados da PM estariam sendo humilhadas em curso de formação
A Polícia Militar informou que as alunas do Curso de Formação recebem o mesmo tratamento e instruções baseados nos princípios da hierarquia e disciplina
Por Folha Web
Em 15/10/2021 às 06:00
Sede da Academia de Polícia Integrada, localizada na avenida Getúlio Vargas, no bairro Canarinho. (Foto: Nilzete Franco Folha BV)

A Folha BV recebeu denúncias de que instrutores do Curso de Formação de Soldado Feminino da Polícia Militar estariam cometendo abuso de autoridade contra as mulheres que participam da formação. 

Segundo o denunciante, muitas alunas desistiram do curso por conta dos xingamentos sofridos.  “São palavras de baixo calão, algumas delas não aguentaram a pressão e desistiram. As mulheres estão abaladas psicologicamente”, informou o denunciante, que preferiu não se identificar.

Ainda segundo a denúncia, os soldados estariam sem dormir e passando apenas quatro horas em casa. Além disso, como castigo elas teriam que pagar mais de 50 flexões, entre outras atividades com alto nível de desgaste físico.

“É desumano o que estão fazendo com essas mulheres. Sabemos que o regime militar é exigente, mas isso já é demais e abuso de autoridade”, destacou.

Por meio de nota, a Academia de Polícia Integrada Coronel Santiago disse que repudia as denúncias apresentadas. “Uma vez que pauta as ações de ensino policial nos princípios da legalidade e isonomia”.

Em nota, a Polícia Militar (PMRR) informou que as alunas do Curso de Formação de Soldados recebem o mesmo tratamento e instruções baseados nos princípios da hierarquia e disciplina da PMRR aos quais foram submetidos os 374 alunos soldados recém-formados, entre os quais não houve alterações nesse sentido das denúncias, que são consideradas totalmente infundadas.

Igualmente não procede a denúncia de que muitas alunas desistiram do curso, pois, até o momento, não houve nenhum desligamento. Foram convocadas 48 aprovadas, dentre estas, 40 se apresentaram para a matrícula e aguardam a efetivação e a análise dos documentos, prevista para a próxima semana.

“Contudo, devido à gravidade das denúncias, solicita que sejam apresentadas formalmente à direção da Academia para que as providências disciplinares contra qualquer pessoa que porventura esteja violando direitos fundamentais das mulheres possam ser adotadas”, finaliza a nota.

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
8
54
Cadastrar-me Enviar Comentário
Martins Silva disse: Em 15/10/2021 às 07:30:31

"Nem o exército usa mais esses meios, cidadãos estabilizados por força de enquadramento sem o devido concurso público praticando tortura contra estudantes profissionais dentro de uma academia estadual para cumprir um curso de formação exigido para assumir um cargo público com o fito de servir a sociedade. Como será tratada a sociedade por um servidor público que só sofreu tortura e crueldade dentro de estabelecimento de ensino estadual? Depois só reclamações sociais do despreparo do servidor, é muito triste o que acontece com esses seres humanos que buscam não só cumprir com seu papel social de ser útil, mas de levar o sustento para seus familiares passarem por tamanha lesão traumática de sua própria dignidade para receber os seus devidos proventos mensais."