PUBLICIDADE
PF CHAMADA NA UFRR
Aluno que teve bolsa cortada agride pró-reitor e servidores
Policia Federal foi ao Campus Paricarana e os envolvidos no caso foram levados para a delegacia. Universidade vai abrir procedimento administrativo
Por Folha Web
Em 08/06/2019 às 00:35
O reitor Jeferson Fernandes explicou como aconteceu a confusão envolvendo aluno e servidores da instituição (Foto: Diane Sampaio/FolhaBV)

Uma confusão na pró-reitoria de Assuntos Estudantis e Extensão – PRAE da Universidade Federal de Roraima (UFRR) foi parar na superintendência da Polícia Federal. Um estudante de Ciências Contábeis da Instituição teria agredido servidores e até mesmo o pró-reitor de assuntos estudantis, Professor Vladimir de Souza, após ter sua bolsa estudantil cortada. Essa seria a segunda vez que o jovem foi ao local e teria sido agressivo e ofensivo com os servidores. O estudante teria chegado a chamar os servidores de UFRR de ‘vagabundos’.

Um dos servidores contou o caso para a Folha e relatou que ficou com um hematoma no olho em função de uma agressão. 

A confusão teria sido iniciada durante o atendimento do estudante por parte da Assistente Social da Instituição. Ao perceber que ele estava nervoso e agressivo, ela chamou o Chefe da Segurança que pediu que o aluno se retirasse, o que teria deixado ele ainda mais agitado.

PUBLICIDADE

Segundo as testemunhas, o jovem teria se descontrolado totalmente e chegou a empurrar servidores e o pró-reitor que foi ao local tentar conter os ânimos. 
A Polícia Federal foi chamada e todos os envolvidos foram para a delegacia prestar esclarecimentos sobre o caso.

O reitor da Universidade Federal de Roraima, Jeferson Fernandes, explicou em entrevista para a Folha que um procedimento administrativo vai ser aberto para apurar o incidente. 

“Eu tomei conhecimento do episódio e as informações que a gente tem é que o jovem se aborreceu durante o atendimento e se descontrolou. Ele chegou a dar uma cotovelada no chefe da segurança, que reagiu. Houve um contexto onde várias pessoas tentaram apaziguar a situação e testemunharam o descontrole. Como medida, a UFRR fechou o prédio onde o incidente ocorria, chamou a policia federal e todos foram prestar depoimento”.

Fernandes acrescentou que o pró-reitor, professor Wladimir, tentou apaziguar a questão e foi chutado pelo estudante, que teria chamado o pai para ajudá-lo. “Foi um caso isolado, pois a universidade tem estudantes, família e comunidade e não me lembro de situação parecida. Mas quem atende ao público em geral está sujeito a essa situação. A parte administrativa será iniciada na segunda-feira, pois temos que fazer também uma investigação interna”.

ENVOLVIDOS – A reportagem da Folha tentou conversar com o professor Vladimir de Souza, porém não conseguiu localizá-lo. A universidade não disponibilizou o contato do docente. Também tentamos identificar o jovem envolvido no caso, mas não foi possível. O espaço está aberto.

POLÍCIA FEDERAL – A Superintendência de Polícia Federal em Roraima informou por meio de sua assessoria que não se manifestaria sobre o caso. A informação que a Folha teve é que os envolvidos foram ouvidos e a autoridade policial determinou que fosse feito laudo pericial junto ao IML e as peças produzidas serão encaminhadas para análise e determinação de instauração de inquérito sobre o caso para se levantar autoria e materialidade do ocorrido, se houver indícios de crime.

***
Gostou?
8
14
cbformiga disse: Em 09/06/2019 às 10:39:50

"Os alunos tem que refletir e pensar bolsa é temporária não é pra vida toda, sei que é uma ajuda pra quem não tem nenhum tipo de renda, mais o aluno tem que se planejar, bolsa é temporária, existe critérios para concessão, existe prazo de concessão, e o mais importante tem o edital que dita as regras, claro existe funcionários maus preparados para dar até mesmo uma simples informação. "

cbformiga disse: Em 09/06/2019 às 10:28:33

"Fico triste por essa situação do referido aluno, todo órgão público tem seus problemas sem exceção, a universidade não escapa dessa situação, sou aluno e já vi e ouvi inúmeros problemas e situações, a palavra vagabundo foi pesado, sei que tem situações que o pessoal efetivo deixa na mão do estagiário ele que se vire para arrumar uma resposta ou solução dos problemas que surgem. "

F. Lima disse: Em 08/06/2019 às 12:09:28

"Ele perdeu o prazo da matrícula e ficou descontrolado. "

Bekem disse: Em 08/06/2019 às 06:50:36

"Os cortes de bolsas são verdadeiros. "