PUBLICIDADE
SEGURANÇA PÚBLICA
Aumenta tráfico de mulheres e migrantes são principais vítimas
As imigrantes são vítimas com promessas de emprego e comida; casos aumentaram em 30%, segundo Polícia Civil
Por Folha Web
Em 15/07/2019 às 00:25
Imigrantes venezuelanas em Roraima são as principais vítimas de tráfico (Foto: Nilzete Franco/FolhaBV) 

Duas mulheres de origem venezuelana, uma de 40 e outra de 20 anos, registraram na Polícia Civil de Roraima que foram vítimas de tráfico internacional de pessoas. Elas contaram que haviam sido recrutadas na Venezuela por um comerciante brasileiro e que, desde que chegaram ao Brasil, foram obrigadas a se prostituir para sobreviver. As venezuelanas conseguiram fugir e pedir ajuda, e contaram que outra jovem do mesmo país também era mantida em cárcere privado.

“Ele ofereceu emprego e garantiu que íamos ter onde viver e comer bem, e ainda ajudar nossas famílias, que ficaram na Venezuela. Mas, quando chegamos, nos disse que íamos nos prostituir e que o lucro era dele para pagar nossa viagem, alimentação, moradia e transporte. Diariamente, éramos obrigadas a prestar contas e ameaçadas”, revelou a mais jovem. 

Esse é mais um dos casos registrados pela Polícia Civil, desta vez com um final onde as jovens tiveram condições de fugir e denunciar. Mas na maioria das vezes a história é bem diferente. As jovens traficadas desaparecem sem que familiares ou amigos as vejam novamente. Este é o caso de uma mãe venezuelana que suspeita de que a filha tenha sido vítima do tráfico de mulheres. Ela contou que a jovem que saiu para ir à escola e nunca mais foi encontrada. O desparecimento está sendo investigado pelo Núcleo de Desaparecidos e, no total, a Polícia Civil de Roraima registrou um aumento de mais de 30% nos casos nos seis primeiros meses deste ano. Foram registrados nove boletins de ocorrência de tráfico de pessoas, a maioria em 2019. Do total, mais de 50% das vítimas eram venezuelanas.

PUBLICIDADE

O delegado Geral Herbert Amorim explicou que os números são bem maiores, pois o banco de dados está incompleto, sem informação de nacionalidade. “Esses são apenas os números de casos comprovados. Temos vários registros de suspeitas de tráfico de mulheres, mas sem o filtro da nacionalidade. Estamos trabalhando com as delegacias e junto ao SINESP para melhorar esse cadastro”, explicou.

A Polícia Federal em Roraima (PF/RR), responsável por crimes transnacionais, deflagrou em anos anteriores várias operações para desarticular esquema de tráfico internacional de mulheres venezuelanas e guianenses para o Brasil com a finalidade de exploração sexual. A maioria dos endereços investigados e dos mandados de prisão cumpridos foram no município de Pacaraima, no limite da fronteira.

As investigações apontaram que venezuelanas estariam se prostituindo e recebendo agenciamento, facilitação e/ou sendo alojadas pelos proprietários dos estabelecimentos comerciais, inclusive propiciando lucro aos investigados com a atividade de prostituição. 

A superintendência da Polícia Federal local não fala sobre casos em investigação, mas a reportagem tentou esta semana contato para saber sobre o resultado dessas investigações. Infelizmente, outras duas operações, uma contra extração ilegal de madeira e outra contra o crime organizado, estavam em andamento e até o fechamento da matéria não conseguimos obter novos dados sobre as mulheres desaparecidas ou os casos investigados.

***
Gostou?
1
3
Radamanthis disse: Em 16/07/2019 às 08:39:59

"Muito se comenta por aí sobre essa questão da prostituição, inclusive, já ouví falar que algumas dessas garotas são cooptadas pelos próprios compatriotas venezuelanos e obrigadas a trabalhar para os mesmos. Só o trabalho dos órgãos investigativos para elucidar essas teorias"

Manuel disse: Em 15/07/2019 às 16:39:13

"Pra mim o principal responsável sem sombra alguma de dúvida são que ocupam posto de governante que estão impondo uma humilhação estarrecedora em toda população não só para os imigrantes que sofrem com a canalhice toda mas para todos nos que assistimos tamanha covardia. Canalha no poder será sempre um desastre."