De 122 vítimas de homicídios ocorridos em RR este ano, 34 são estrangeiras - Folha de Boa Vista
CRIMINALIDADE IMPORTADA
De 122 vítimas de homicídios ocorridos em RR este ano, 34 são estrangeiras
Dados foram repassados pela Polícia Militar; maioria dos executores também é migrante
Por Neidiana Oliveira
Em 04/12/2021 às 06:00
Comandante-geral da Polícia Militar, coronel Francisco Castro, informou que o que está acontecendo é o fenômeno chamado criminalidade importada (Foto: Nilzete Franco/FolhaBV)

Somente no primeiro semestre deste ano, 122 homicídios foram registrados em Roraima. Destes, 86 vítimas foram brasileiras, 34 venezuelanas e 2 colombianas. Os dados são da planilha do Instituto de Medicina Legal (IML), repassados pelo comandante-geral da Polícia Militar (PMRR), coronel Francisco Castro.

Segundo ele, de acordo com as investigações das polícias Civil e Federal, a maioria dos executores destes estrangeiros também é migrante. “Então, o que está acontecendo, é o fenômeno que a gente chama de criminalidade importada. A dívida muitas vezes é gerada no país de origem da vítima e acaba sendo cobrada aqui. Isso as investigações estão levantando e comprovando”, frisou.

Castro assegurou que levando em conta o número de vítimas brasileiras, é praticamente igual, até um pouco menor, que a quantidade do primeiro semestre do ano passado. É algo que a Segurança Pública depende do investimento do governo Federal, no que se refere à fiscalização das fronteiras. “A gente precisa muito ter um fortalecimento das leis que cuidam da migração”, enfatizou. 

Ele acrescentou que o Brasil tem a Lei de Migração, mas que ela ‘infelizmente’ flexibiliza demais a entrada dos estrangeiros e faz com que de fato essa migração seja desenfreada em Roraima. “A Segurança Pública age dentro da cidade, então nós estamos tentando trabalhar nos efeitos dessa criminalidade importada”, completou.

Lembre alguns homicídios 

Em novembro, pelo menos nove homicídios foram registrados em Roraima. No dia 3, o corpo de um homem foi encontrado com as mãos e os pés amarrados em um córrego localizado no bairro São Vicente, zona Sul de Boa Vista. O cadáver foi encontrado por moradores.

No sábado, dia 13, um homem identificado por Fábio Pinheiro Alves, de 41 anos, foi encontrado morto com marcas de tiro na cabeça, no bairro Nova Cidade, localizado no município de Rorainópolis, região Sul do estado. Os policiais militares realizaram diligências, mas ninguém foi preso. 

No mesmo dia, um homem foi morto a tiros no bairro Caimbé, zona Oeste de Boa Vista. Quando a guarnição chegou ao local, encontrou o homem caído no chão após ser alvejado. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) constatou que a vítima possuía múltiplos ferimentos.

Ainda no sábado, o idoso Lourival Pereira Lopes, de 61 anos, foi assassinado a tiros, na Vicinal 02, do município de Rorainópolis. A esposa da vítima informou que ouviu o barulho de uma moto parando em frente à residência do casal. Dois homens desceram e perguntaram pela vítima.

O dia 14 de novembro, o catador José Ambrósio, de 52 anos, foi encontrado morto em um lago no Anel Viário. O crime foi comunicado por um homem que saiu para andar de bicicleta, quando avistou o corpo de José Ambrósio, submerso no igarapé e acionou a Polícia Militar.

Mais um corpo foi encontrado em um igarapé no mesmo dia, sendo no município de São Luiz, Sul do estado. A Polícia Civil de Roraima informou que a equipe de São João da Baliza recebeu um telefonema informando que havia um corpo no leito do igarapé São Luiz. 

No dia 18 do mesmo mês, um corpo esquartejado foi encontrado no igarapé Grande, às margens da BR-174, na divisa entre os bairros Centenário e São Bento. A vítima, do sexo masculino, não possuía identificação, estava com os membros e cabeça cortados. 

No dia 22, uma mulher foi encontrada morta no mesmo local. Segundo informações preliminares obtidas pela reportagem, a vítima estava com um saco preto na cabeça, e o corpo estava preso em uma árvore, às margens da BR-174. 

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
0
1
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!