PUBLICIDADE
EM RONDÔNIA
Ex-conselheiro tutelar e ex-vereador é preso por estupro
Por Jessica de Souza - COM
Em 13/04/2019 às 00:10
Gilmar Moreira Santos, o ‘Bozo’, estava foragido desde janeiro deste ano, quando fugiu para Rondônia (Foto: Divulgação )

A integração entre as polícias de Roraima e Rondônia resultou na prisão de Gilmar Moreira Santos, de 40 anos, apelidado de “Bozo”, na tarde de quinta-feira, 11. Ele é acusado de estupro, estupro de vulnerável, ameaça de morte e aborto provocado sem consentimento da vítima, combinados com a Lei Maria da Penha 11.340/2006, praticados contra as duas enteadas, sendo uma de 19 anos e uma adolescente de 17. O homem era procurado desde quando o mandado de prisão foi expedido, em 21 de janeiro deste ano. 

Policiais da cidade de Triunfo, em Rondônia, conseguiram prender o ex-vereador e ex-conselheiro tutelar. Num vídeo gravado por policiais daquela cidade, “Bozo” confessa que já abusava das enteadas havia pelo menos três anos e afirmou que a mulher dele descobriu os crimes depois da denúncia ser feita à Polícia Civil de Roraima. 

PUBLICIDADE

As investigações, porém,  apontam que os crimes foram praticados com a conivência da mulher, mãe das duas vítimas. Ela foi presa em 4 de fevereiro deste ano e está na Cadeia Pública Feminina de Boa Vista.

De acordo com informações prestadas pelo delegado titular de São João da Baliza, Fernando da Cruz, o inquérito que apurava o crime foi relatado e encaminhado à Justiça. Ele explicou que a Polícia Civil tomou conhecimento do caso por meio de uma denúncia anônima feita a uma equipe da

Polícia Militar na região. Quando iniciaram as investigações, o delegado disse que os policiais não localizaram as duas vítimas, uma vez que elas conseguiram fugir do padrasto indo para Boa Vista.

Os policiais, segundo o delegado, conseguiram o contato das duas vítimas e orientaram que elas fossem à Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), onde registraram boletim de ocorrência e detalharam a violência que sofriam há anos.

A mais velha contou que era abusada desde os 14 anos e que engravidou três vezes do padrasto (aos 15, 17 e ao completar 19). Ela afirmou ainda que ele a obrigava abortar, dando-lhe remédios e chás abortivos.

A vítima detalhou ainda que muitas vezes se submetia aos abusos para proteger sua irmã de 17 anos, que também era forçada a manter relações sexuais com o acusado. A adolescente também engravidou e abortou da mesma forma que a irmã mais velha, forçada pelo padrasto. As duas vítimas contaram também que os abusos passaram a ser diários e cada vez mais violentos.

“Ele chegou ao ponto de mandar que a mãe das vítimas saísse do quarto para manter relações sexuais com suas filhas”, contou Fernando da Cruz.

Com base nas declarações das vítimas e os exames realizados por peritos do Instituto de Medicina Legal (IML), o delegado representou pela prisão preventiva do acusado e da mãe das garotas, uma vez que, no entendimento de Da Cruz, ela foi conivente e contribuiu para que o crime contra as duas filhas continuasse por anos. O mandado de prisão dela foi cumprido em 4 de fevereiro deste ano.

O delegado acredita que, ao saber que sua prisão havia sido decretada, Gilmar Moreira fugiu de Roraima e por isso não foi localizado. Durante seu interrogatório, a mãe das duas jovens confirmou todos os fatos narrados pelas filhas e alegou que era ameaçada de morte pelo marido, caso o denunciasse. “Se falar para alguém, mato você e suas filhas”, disse a mulher.

A mãe das duas vítimas confirmou também a versão das filhas de que saía do quarto, a mando do marido, para que ele as estuprasse. Ela detalhou que permanecia na sala aguardando para voltar a dormir no seu quarto com o agressor. As duas jovens foram encaminhadas pela equipe da Deam para receberem atendimentos especializados.

De acordo com o delegado Fernando da Cruz, foi frustrante para a equipe não conseguir prender o infrator em Roraima. Por causa disso, as investigações continuaram para prendê-lo. Ao saber que o ex-vereador estaria escondido em Triunfo, em Rondônia, os policiais mantiveram contato com a Polícia Civil daquele Estado e repassaram as informações que possibilitaram sua prisão.

O ex-vereador tinha percorrido várias cidades de Rondônia e estava trabalhando como pedreiro.

“Para nós, é um alívio. É gratificante ver a Justiça se estabelecendo com a prisão dele. Da mesma forma em que ele praticava o crime contra as enteadas, poderia continuar suas práticas ilícitas contra outras mulheres, inclusive crianças e adolescentes. Nossa indignação é porque ele era vereador, representante do povo, foi conselheiro tutelar e a função dele era proteger, mas ao contrário, ele abusava das próprias enteadas que por anos viveram um pesadelo, passaram por momentos de terror nas mãos dele”, disse o delegado.

Participaram das ações policiais civis de São João da Baliza, do NI (Núcleo de Inteligência da Polícia Civil) e do Departamento de Cidadania da Sesp (Secretaria de Segurança Pública de Roraima). (J.B)

***
Gostou?
3
0
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!