Policiais rodoviários mortos em Fortaleza já atuaram em Roraima - Folha de Boa Vista
VIOLÊNCIA
Policiais rodoviários mortos em Fortaleza já atuaram em Roraima
Os agentes foram mortos a tiros por um homem que era retirado da via após andar entre os carros na BR manhã desta quarta-feira (18)
Por Folha Web
Em 18/05/2022 às 18:20
Os policiais faziam parte do Comando de Operações Especiais da PRF. (Foto: Divulgação)

Os dois agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que foram mortos a tiros na manhã desta quarta-feira (18), na BR-116 no estado do Ceará, já atuaram em Roraima, conforme informou a PRF por meio de nota.

Raimundo Bonifácio do Nascimento Filho, 43 anos, e Márcio Hélio Almeida de Souza, 53 anos, foram auxiliar uma pessoa que caminhava desorientada na rodovia entre os veículos, a fim de evitar possível atropelamento. 

No momento da retirada do indivíduo da via, o mesmo resistiu a abordagem e entrou em luta corporal com os PRFs. Em seguida, o homem disparou com arma de fogo contra os policiais. 

O PRF Márcio Helio Almeida de Souza tinha 15 anos na instituição. Ele nasceu em Baturité/CE, e atuou em diversos setores da PRF, com lotação no Ceará e em Roraima. Márcio era casado e deixa um filho. 

Raimundo Bonifácio do Nascimento Filho ingressou na PRF em 2005. Ele é natural de Viçosa/CE, e atuou nos estados do Maranhão, Roraima e Ceará. Raimundo era casado e deixa duas filhas. Os policiais faziam parte do Comando de Operações Especiais da PRF. 

A PRF informou que apura o caso em conjunto com as demais forças de segurança responsáveis, tendo sido criado um gabinete de crise para acompanhamento da ocorrência.

"O falecimento dos nossos policiais entristece toda a instituição. Manifestamos nossa sincera solidariedade e irrestrito apoio à família, desejando conforto também a familiares e amigos neste momento de dor", acrescentou a nota da instituição.

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
1
33
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!