PUBLICIDADE
VERBA PÚBLICA
MP denuncia dois deputados e mais 15 por suposto desvio de verba
Por Paola Carvalho
Em 26/07/2019 às 00:45
Denúncia investiga suposto esquema de desvio de dinheiro através de processos licitatórios na Assembleia Legislativa de Roraima (Foto: Diane Sampaio/FolhaBV)

Dezessete pessoas foram denunciadas na Justiça de Roraima no desenrolar das operações “Cartas Marcadas” e “Royal Flush”, que investigam suposto esquema de desvio de dinheiro na Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR).

A denúncia foi apresentada à Justiça no último dia 18 de julho pelo Ministério Público do Estado de Roraima (MPRR) por meio da procuradora-geral de Justiça, Janaína Carneiro, e dos promotores Isaias Montonari e André Nova, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Segundo o MPRR, a denúncia investiga suposto esquema de desvio de dinheiro público, que teria quatro núcleos separados entre políticos, agentes públicos, empresários, operadores financeiros e laranjas. O núcleo político, segundo o MPRR, seria supostamente formado pelo presidente da ALE-RR, deputado Jalser Renier (SD), o deputado Marcelo Cabral (MDB) e o ex-deputado Naldo da Loteria. 

PUBLICIDADE

Já o núcleo de agentes públicos seria formado por servidores vinculados à Comissão Permanente de Licitação da ALE-RR. O setor empresarial, alega o MPRR, seria o responsável pela manutenção de empresas de fachada. O quarto e último seria responsável pelo processo de reciclagem e ocultação dos ativos financeiros.

A denúncia leva em consideração processos licitatórios da Assembleia Legislativa nos anos de 2015 e 2016, onde uma empresa teria sido a vencedora do certame mesmo sem ter empregados registrados no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho, entre outras irregularidades. O órgão completa que os atos praticados teriam causado um prejuízo ao erário na ordem de R$ 2,3 milhões.

Por fim, a denúncia afirma que os envolvidos são investigados pelos crimes de peculato, pertinência à organização criminosa e lavagem de dinheiro. Vale ressaltar também que houve cumprimento de mandado de busca e apreensão nas dependências da ALE-RR na quarta-feira, 24, a fim de coletar documentos relevantes para a investigação. “No momento oportuno, o MPRR informará à sociedade sobre possíveis novos desdobramentos acerca da apuração”, completou o órgão. 

OUTRO LADO – Sobre o caso, o deputado Jalser Renier declarou que ficou perplexo com a divulgação de informações, além de dizer que confia no Poder Judiciário e nos órgãos de controle do Ministério Público. “Serão adotadas providências para apurar falta funcional e abuso de poder. A divulgação se torna danosa porque o conteúdo das acusações é totalmente inverídico, sem respaldo de prova algum”, diz trecho da nota encaminhado pelo presidente.

Já o deputado Marcelo Cabral ressaltou sua confiança na Justiça e diz que espera que as conclusões sejam oferecidas de forma rápida. “Continuo determinado no meu trabalho cujo único objetivo é o desenvolvimento de Roraima”, completou. A Folha também entrou em contato com o ex-deputado Naldo da Loteria, porém não obteve retorno. (P.C.)

TJRR contradiz MP sobre segredo de Justiça

Em sua defesa, o deputado Jalser Renier (SD) afirmou que a “postura do órgão do Ministério Público de Roraima merece a devida apuração, já que trata-se de um processo sigiloso, de acesso restrito às partes que atuam no processo”.

Em resposta à declaração do parlamentar, o Ministério Público encaminhou nota à Folha afirmando que “o processo em questão não está sob sigilo, o qual foi levantado pelo próprio magistrado, relator do processo, e efetuado por Decisão nos autos no último dia 20 de dezembro de 2018”.

Após a divulgação de ambas as informações, o Tribunal de Justiça de Roraima (TJRR) contradisse o MP informando “que o caso corre em segredo de justiça, impossibilitando o repasse de qualquer informação”. (P.C.)

***
Gostou?
35
2
Marcelo disse: Em 26/07/2019 às 21:44:37

"Façamos uma didática ilustração dessa história: Em um dia ensolarado, um rapaz chamado Êmi-pê caminha às duras penas por um dificultoso caminho impregnado de sujeira, chamado "Érre-érre". Em determinado momento, ele para e vê 1 dos 3 maiores casarões que ali existem, produzindo muita fumaça, mas muita mesmo! Ele, então, grita "FOGOOOO!!!" Pouquíssimas moradores ouvem e, apesar do risco, continuam vivendo suas vidas de distração e conformismo, enquanto Êmi-pê, cansado, continua aos berros. Percebendo que algumas pessoas começam, finalmente, a se aglomerar nos entornos do imponente casarão, eis que surgem nas janelas, desligando mangueiras de incêndio, todos os moradores que ali residem. Saindo na porta, surge também um familiar morador de "Érri-érri", representante de outro casarão arrastando sua velha balança da justiça, gritando "MENTIRA, É APENAS UMA NEBLINA". Não bastasse a balança arrastando, no seu colo estava, nada mais nada menos, o representante do esfumaçante casarão, já obeso, farto. Mesmo assim, aos choros no colo do seu amigo, ele berrava: "QUERO MAAAAIS... NHËËË... NHËËË... NHËËË..." E assim, novamente as pessoas seguiam suas vidas medíocres, acreditando na neblina e caminhando pela sujeira que só tendia a aumentar... FIM."

Saúde Caburai disse: Em 26/07/2019 às 18:21:05

"já foi preso uma vez e não deu em nada"

Rildo Lopes disse: Em 26/07/2019 às 10:10:25

"Se fala tanto em direitos iguais. Mas se fosse um funcionário publico concursado, ja teria perdido o cargo. Mas..."

Rildo Lopes disse: Em 26/07/2019 às 10:08:54

"Se não sendo em segredo ja acontece o que acontece...imagina se...."

pé preto disse: Em 26/07/2019 às 09:05:41

"Resumindo isso não vai dar em nada."

Damiao disse: Em 26/07/2019 às 08:17:17

"Jalser o menino de ouro de Roraima. "