PUBLICIDADE
OPERAÇÃO ZARAGATA
Pedido de habeas corpus de deputada é negado pelo STJ
Yonne Pedroso cumpre prisão domiciliar concedida pela Justiça Federal; Ela ainda não tomou posse do cargo na Assembleia Legislativa
Por Folha Web
Em 11/01/2019 às 10:10
Com pedido de habeas corpus negado, Yonne Pedroso segue em prisão domiciliar (Foto: Divulgação)

O ministro Antônio Sardinha Palheiro, da sexta turma do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), negou o pedido de habeas corpus solicitado pela defesa da deputada estadual Yonne Pedroso, presa durante a Operação Zaragata, deflagrada pela Polícia Federal no dia 14 de dezembro do ano passado.

Atualmente, a parlamentar do Partido Solidariedade (SD) cumpre prisão domiciliar concedida pelo juiz Igor Itapari, da 1ª Vara da Justiça Federal. Ione foi diplomada como deputada, mas ainda não assumiu vaga na Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR).

Além dela, outras nove pessoas também foram alvo de ação que investiga o desvio de verbas públicas destinadas para o transporte escolar. As investigações da PF apontam para um prejuízo financeiro de mais R$ 50 milhões.

Por coincidência, o último envolvido que ainda restava ser preso, José Wallace Barbosa, que é marido da deputada, foi localizado na cidade de São Paulo após quase um mês foragido. Ele é considerado o principal beneficiado do esquema.

***
Gostou?
16
0
Roraima disse: Em 11/01/2019 às 15:48:02

"A polícia prende e a justiça solta ou ameniza a situação de quem pode pagar bons advogados. E nunca devolvem o que roubaram."

ERONILDO CASTRO disse: Em 11/01/2019 às 12:44:26

""Enquanto existir o privilégio da prisão domiciliar, do foro previlegiado e da fiança de crime, cujos maiores previlegiados são os próprios legisladores e o reduzido grupo que detêm as riquezas do Brasil, fica defícil acreditar em mudanças, a final, eles sempre estarão acima da lei." "

rnuj disse: Em 11/01/2019 às 11:55:23

"Quero crer num país melhor, onde pessoas assim não assumem mandato! "

rnuj disse: Em 11/01/2019 às 11:50:43

"Quero crer num país melhor, onde pessoas assim não assumem mandato! "