PUBLICIDADE
MECIAS GARANTE
Regularização de área urbana de Pacaraima até junho
Iniciativa do senador visa corrigir irregularidade da lei de homologação da terra indígena São Marcos
Por Paola Carvalho
Em 22/04/2019 às 01:24
Parlamentar afirma que sem área urbana, população do município não tem segurança de ter seu título de terra (Foto: Diane Sampaio/FolhaBV)

A necessidade de regularização das terras do município de Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, motivou o senador Mecias de Jesus (PRB) a criar o Projeto de Decreto Legislativo nº 028 que define a área urbana da cidade.

Durante entrevista ao programa Agenda da Semana, na Rádio Folha 100.3 FM, no domingo, 21, o senador deu esclarecimentos sobre o projeto. De acordo com ele, a medida é uma correção necessária após a homologação da terra indígena de São Marcos, que não incluiu a área urbana de Pacaraima.

"Nós chegamos a verificar que o município de Pacaraima "não existe". Ele é totalmente virtual por não existir essa área urbana. O proprietário não pode ter um título definitivo da sua área, da sua residência, do seu comércio. A prefeitura não pode distribuir terrenos porque lá não é uma área do município, lá é uma área indígena. Isso é um erro cometido na criação da reserva São Marcos", apontou Mecias.

O senador ressalta ainda que a regularização pode ser feita através de decreto legislativo por se basear em algo que a lei deixou de reconhecer. Ele explica que quando foi criada a terra indígena de Raposa Serra do Sol tiveram o cuidado de excluir a área urbana do município de Uiramutã, mas não houve o mesmo na homologação da terra indígena de São Marcos.

"Quando foi criada a Raposa Serra do Sol, o Supremo Tribunal Federal [STF] teve um cuidado de excluir a área urbana do município de Uiramutã. Pacaraima não teve isso", ressalta.

Mecias alerta que a falta de regularização das terras do município prejudica o desenvolvimento de Pacaraima. "Isso prejudica o comércio local, os empresários, as famílias. Quem é que quer fazer um investimento em Pacaraima, gastar R$ 200 mil em um terreno, se não poderá ter um documento da prefeitura?", questiona. "Esse projeto corrige essa distorção e dá ao município de Pacaraima uma área urbana. O decreto passa a ser constitucional, passa a ser legal, a ter regimentalidade em função de ter sido um ato falho da lei", complementa.

PREVISÃO DE APROVAÇÃO – O senador explica que o projeto já está pronto para ser votado e que inclusive tem uma previsão de aprovação da proposta para até o fim de maio ou início de junho, antes do recesso parlamentar. O decreto precisa primeiro, no entanto, ser discutido nas comissões antes de ser levado a plenário.

"O relator do decreto é o senador Telmário Mota [Pros] e deve ser apresentado na próxima semana na Comissão de Direitos Humanos. Em seguida, segue para a Comissão de Constituição e Justiça. Pedimos avaliação da assessoria jurídica do Senado, que deu parecer favorável. Acredito que até o fim de maio o projeto pode ser votado nas comissões e em plenário", frisou. 

Mecias explica ainda que o projeto não vai definir o perímetro da área urbana e que ficará a cargo da Prefeitura de Pacaraima definir as delimitações, contanto que não invada as áreas indígenas. 

"Votando no plenário do Senado Federal, em seguida, vai caber ao prefeito do município delimitar a área urbana e aí, sim, passar a emitir os documentos e dar ao povo a segurança jurídica de que tanto precisa", completa.

Com isso, o senador espera que Pacaraima passe a ter os mesmos direitos de todos os outros municípios. "O que existe hoje é um bom acordo com os índios, em que eles reconhecem o limite urbano. Mas na lei não existe. Tecnicamente, a prefeitura deveria pedir permissão da Fundação Nacional do Índio [Funai]) até para fazer a limpeza nas ruas, por isso a importância de regularizar esta situação e dar segurança para a população", declarou.

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!