Reunião com lideranças indígenas deve ocorrer em setembro, diz Remídio - Folha de Boa Vista
LINHÃO DE TUCURUÍ
Reunião com lideranças indígenas deve ocorrer em setembro, diz Remídio
Ideia da bancada federal é tratar, nessa mesma reunião, da abertura para tráfego na BR-174 à noite
Por Folha Web
Em 21/08/2017 às 01:26
Remídio Monai afirmou que reunião deve ocorrer no dia 15 de setembro (Foto: Diane Sampaio)

Ao longo dos anos, a questão da implantação do Linhão de Tucuruí tem sido abordada pelos representantes de Roraima junto ao Governo Federal, porém, sem muito avanço concreto apesar dos esforços. Para tentar reverter mais uma vez essa situação, o deputado federal Remídio Monai (PR) adiantou aos ouvintes da Rádio Folha 1020, durante o programa Agenda Parlamentar no sábado, 19, que a expectativa é que a Fundação Nacional do Índio (Funai) e demais ministérios e lideranças indígenas Waimiri-Atroari se reúnam no dia 15 de setembro, para tratar sobre a questão energética em Roraima.

O deputado salientou que a bancada federal tem buscado resolver a situação, mas alguns percalços no caminho dificultaram o trâmite das negociações. "O então presidente da Funai marcou uma reunião com as comunidades e foi demitido. Depois, houve um período de luto com o falecimento do indigenista Porfírio Carvalho, que trabalhou com os Waimiri-Atroari. Passado esse momento, a bancada foi novamente com o atual presidente da Funai para marcar uma data", informou.

Remídio ressaltou que também é preciso entender o processo de convocação de uma reunião com as lideranças indígenas e que a população precisa entender que lidar com as questões indígenas é um assunto delicado. "São 45 comunidades indígenas. Até que esse comunicado chegue a todos requer um tempo. Depois eles precisam ir até o local da reunião e analisar tudo com calma. Temos que entender os costumes, a forma de pensar, dar a oportunidade de avaliação e isso requer tempo", disse Remídio.

A urgência atual, conforme o parlamentar, é que a população fique prejudicada com a falta de energia, principalmente, com o agravamento da crise econômica na Venezuela, país que fornece energia ao Estado pelo Linhão de Guri. "Infelizmente a questão energética é um item preocupante. A crise na Venezuela pode resultar no corte de energia para nós. Por outro lado, a gente sabe que já tem uma empresa particular se preparando para suprir a necessidade da energia para o Estado e a gente precisa averiguar isso", acrescentou.

BR-174 - O deputado também informou que a bancada roraimense buscou junto com a Funai que durante a reunião com os Waimiri-Atroari também fossem tratadas outras demandas do Estado, como a situação do tráfego de veículos na BR-174 durante o período noturno, no perímetro que compreende a terra indígena.

"Nós fomos com o presidente da Funai para dizer que nós conversamos com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) sobre colocar dois postos da Polícia Rodoviária Federal (PRF), um no início do trecho da TI e outro ao final, para reforçar a segurança na região", disse o deputado. "Fomos atrás de soluções como a instalação de pardais para fiscalizar os veículos e solicitar que se reduza a velocidade no trecho que compreende a reserva indígena, montar uma nova sinalização. O DNIT já se prontificou. A PRF está vendo uma maneira para limitar os veículos de carga para trafegar à noite. Tudo está sendo estudado e antecipado para colocar algumas propostas já nessa reunião", completou.

No entanto, o deputado informou que a sensação é que as demandas ainda não serão tratadas nesta reunião prevista para setembro. "Nós estamos tentando, mas acredito que a Funai acha que é muita coisa de uma vez só para analisar. Estou sentindo que vai ter uma dificuldade, mas temos que ter paciência e não desistir, sempre procurando oferecer algumas alternativas", concluiu o deputado.

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
0
3
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!