SAÚDE MENTAL
Roraima vai ganhar verba para reduzir índices de suicídio
Entre 2011 e 2015, o número cresceu 12%
Por Folha Web
Em 21/12/2017 às 19:00
Além de Roraima, Amazonas, Piauí, Santa Catarina e Rio Grande do Sul vão receber verbas (Foto: Pesquisa por imagem)

O Ministério da Saúde (MS) anunciou nesta quinta-feira, 21, que vai colocar novas políticas em curso para melhorar a prevenção do suicídio no país.

Segundo dados da pasta apresentados pela 1ª vez esse ano, o suicídio é a maior causa de morte de brasileiros entre 15 e 29 anos. O governo pretende destinar R$ 2 milhões para serem divididos entre os cinco estados brasileiros com maiores taxas de suicídio.

Assim, Roraima, Amazonas, Piauí, Santa Catarina e Rio Grande do Sul vão receber verbas. Não há detalhes sobre as novas políticas que serão colocadas em curso nesses estados.

Também a pasta irá destinar R$ 500 mil para o Centro de Valorização da Vida, instituição que atende por telefone (188), e-mail e chat pessoas em risco de tirar a própria vida.

Em setembro, o MS divulgou o primeiro boletim sobre suicídio no país. No Brasil, em média 11 mil pessoas tiram a própria vida por ano.

Mudanças na saúde mental - O Ministério da Saúde também anunciou oficialmente mudanças na saúde mental. Essas mudanças já haviam sido divulgadas há uma semana, quando foram aprovadas em comissão que reúne gestores municipais e estaduais.

Nova resolução do governo prevê ampliação das comunidades e residências terapêuticas, entidades que recebem pacientes psiquiátricos, mas não são consideradas hospitais. Também será ampliado o número de leitos em hospitais gerais destinados a pacientes psiquiátricos.

Algumas entidades, como o Conselho Federal de Psicologia, criticaram a medida no que acreditam ser uma volta da hospitalização para o centro da assistência psiquiátrica. Eles também criticam as chamadas comunidades terapêuticas, que já apresentaram violações de direitos humanos.

O Ministério da Saúde disse, no entanto, que a disponibilidade de leitos não será feita em hospitais psiquiátricos, mas em hospitais gerais que atendem emergências. Os pacientes também ficarão nessas instituições por um período limitado de tempo.

Sobre as comunidades terapêuticas, o Ministério da Saúde disse que atuará em conjunto com o Ministério da Justiça para garantir a fiscalização dessas instituições.

Com informações de O Globo

***
Gostou?
3
0
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!