Em dois dias, número de casos supera registros semanais em Roraima - Folha de Boa Vista
COVID-19
Em dois dias, número de casos supera registros semanais em Roraima
Período chuvoso é propício para a propagação do vírus, devido a fatores como alternâncias de temperatura, umidade e maior volume de poeira no ar, conforme especialista
Por Folha Web
Em 15/06/2022 às 09:00
“O vírus não foi embora, mas como em qualquer pandemia ele vai se enfraquecendo e causando menos casos graves

Roraima registrou 166 novos casos entre segunda (13) e terça-feira (14), conforme os boletins epidemiológicos da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau). O volume é acima do registrado nas últimas quatro semanas. Veja os registros semanais (desconsiderando os fins de semana, em que os dados da pandemia no Estado não são divulgados):

  • 6 a 10 de junho: 123 casos
  • 30 de maio a 3 de junho: 128 casos
  • 23 a 27 de maio: 79 casos
  • 16 a 20 de maio: 11 casos

O período chuvoso, que em Roraima inicia em abril e segue até setembro, é propício para a propagação do vírus, devido a fatores como alternâncias de temperatura, umidade e maior volume de poeira no ar, conforme o infectologista Joel Gonzaga.

O especialista explicou que “os casos são sazonais [próprios de uma estação], vão continuar a aparecer. Como outras viroses que foram consideradas endemias e depois se enfraqueceram, como H1N1, sarampo. Cabe a nós a prevenção. Extremos como idosos e bebês, diabéticos e com doenças pulmonares vão sofrer mais sempre”, alertou.

Joel Gonzaga disse que a variante do coronavírus ainda circulante é a Ômicron, que estaria por trás da nova alta de casos Brasil afora. “Mas estão investigando uma junção da Ômicron com Delta”, explicou.

“O vírus não foi embora, mas como em qualquer pandemia ele vai se enfraquecendo e causando menos casos graves. A imunidade adquirida e em menor parte pela vacinação, a população vai ficando mais protegida”, disse.

Joel explicou a importância de medidas de prevenção, como o uso de máscaras em locais fechados em caso de contato com outras pessoas. Ele pontuou que “a vacinação é um mal necessário”, por que “você se injeta com um vírus atenuado ou um mecanismo de ativação imune ainda não totalmente experimentada”.

Especialista ressalta a importância da máscara em locais fechados (Foto: Pixabay)

Em Roraima, 53,1% da população completou o esquema vacinal contra a Covid-19 com duas doses. A primeira dose de reforço já foi aplicada em 15,5% das pessoas que vivem no Estado. Ademais, 0,6% já tomaram a segunda dose de reforço, mas vale lembrar que ela está liberada para quem tem mais de 50 anos.

Roraima registra 85 novos casos de Covid-19

Só nessa terça-feira, foram 85 novos testes positivos para o novo coronavírus, segundo a Sesau. É o segundo dia seguido em que o volume oficial de casos conhecidos passa de 80 e a curva da média móvel de testes positivos diários segue subindo.

Oito municípios registraram novos casos: Amajari (um), Boa Vista (73), Bonfim (um), Caracaraí (dois), Iracema (um), Mucajaí (quatro), São Luiz (um), Uiramutã (um). Uma pessoa de fora de Roraima testou positivo no Estado.

Há 29 dias, o Estado não confirma mortes pela doença, mas ainda investiga outras 16 pela suspeita de terem sido causadas pela Covid, sendo sete ocorridas em 2022, oito em 2021 e uma em 2020.

Com a atualização, Roraima passa a contabilizar 156.204 casos, 2.152 mortes e taxa de mortalidade estável em 1,38%.

Não houve novas internações em 24 horas, mas o último boletim aponta 17 crianças internadas com suspeita de Covid no Hospital da Criança – porém, a última atualização é de 2 de maio.

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
1
1
Cadastrar-me Enviar Comentário
SANTOS disse: Em 15/06/2022 às 09:52:45

"- É o preço a pagar pelo atendimento às exigências para liberação geral para permitir a realização de festas com grandes aglomerações como carnaval, shows, arraiais, etc. A pergunta que não quer calar é: até quando irão esconder a situação pregando essa lorota de zero internações, óbitos decrescente, etc. "