PUBLICIDADE
POLÍTICA
Saída de pacto pode afetar brasileiros no exterior
Por Minervaldo Lopes
Em 09/01/2019 às 16:00
A socióloga Carla Domingues. (Foto: Diane Sampaio/FolhaBV)

A saída do Brasil do Pacto Global para Migração Segura, Ordenada e Regular (GCM) da Organização das Nações Unidas (ONU), anunciada hoje, 9, pelo presidente Jair Bolsonaro, pode refletir drasticamente nas relações com outros país. É o que afirma a socióloga Carla Domingues.

Em entrevista a FolhaWeb, ela classificou a atitude do novo governo como controversa, principalmente em razão dos esforços que o país fez nos últimos anos.  

“A atitude do Governo Federal chega a ser um contrassenso, uma vez que houve a aprovação da Lei de Imigração em 2017, e agora o país tomou a decisão de se desassociar do pacto migratório da ONU”, disse.

Para Carla, o Governo deveria repensar as consequências de sua saída do pacto, não só em detrimento da imagem positiva que possui mundo a fora, mas também para garantir a segurança dos compatriotas que moram no exterior.

“Infelizmente o imigrante está sendo visto como uma ameaça, não como alguém que pode contribuir com o país. Essa saída pode não só manchar a imagem do Brasil, mas colocar os brasileiros que vivem em outros países em situação de insegurança”, completou.

Aprovado em julho de 2017, o Pacto Global da ONU é um conjunto de diretrizes que visam à colaboração dos países em relação às problemáticas da migração em todo o mundo, permitindo que seus signatários continuem responsáveis por suas próprias políticas de acolhimento, mas sob uma política de cooperação.

Entre as garantias previstas no acordo estão o acesso aos serviços de justiça, saúde e educação pelos imigrantes em situação irregular; obtenção de documentos de identificação; e o impedimento de deportação coletiva por parte dos países que aderiram ao pacto.

Dos 193 países que participaram das negociações, apenas Austrália, Áustria, Chile, Eslovênia, Estados Unidos, Itália e Hungria não assinaram o acordo.

Por não concordar com parte dos termos, Jair Bolsonaro já vinha sinalizando a saída do Brasil, fato que ganhou ainda mais força após a visita do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.   

francisco disse: Em 09/01/2019 às 21:12:03

"Calma BB, ele não proibiu a entrada de estrangeiros, apenas quer ter o poder de decidir quem entra e que. Permanece aqui, igualmente acontece em 99,9% de todos os outros países. Aqui estrageiros chegam e passam ater mais direitos que os brasileiros."

Roraima disse: Em 09/01/2019 às 17:43:37

"Essa sociologa esquerdista falou a versão dela, que não condiz com nossa realidade. E quem discorda da opinião da esquerda eles chamam de fascista."

Bekem disse: Em 14/01/2019 às 20:19:12

"Facista mesmo o governo Boso "