Sociólogo diz que falta patriotismo para mudar situação em Roraima - Folha de Boa Vista
PARLAMENTO AMAZÔNICO
Sociólogo diz que falta patriotismo para mudar situação em Roraima
Para ele, Roraima é o estado mais castigado da Amazônia e sofre com a falta de terras para produção
Por Ribamar Rocha
Em 21/08/2015 às 00:05
“Há déficit de patriotismo”, diz sociólogo Lorenzo Carrasco (Fotos: H. Emiliano)

Em uma das palestras do Parlamento Amazônico na tarde desta quinta-feira, 20, no plenário da Assembleia Legislativa de Roraima, o presidente do Movimento Solidariedade Ibero-americano, sociólogo e jornalista Lorenzo Carrasco, disse que Roraima é o estado mais castigado da Amazônia e sofre com a falta de terras para produção.

Conforme o sociólogo, para se desenvolver, o Estado precisa ter território porque isso é o que garante as atividades produtivas. “O Estado não pode se sustentar, e o governo tem em suas mãos 80% de funcionalismo público”, afirmou.

Carrasco lembrou a reportagem publicada no jornal Folha de São Paulo na época em que havia o impasse sobre a demarcação contínua da Terra Indígena Raposa/Serra do Sol, quando, conforme relatou, o então presidente Lula teria dito que estava recebendo pressões internacionais para demarcação em forma contínua.

“A partir disso, entende-se qualquer coisa, se o presidente da República é capaz de reconhecer que a pressão internacional faz ceder às organizações não-governamentais um território do tamanho da Raposa, pode-se compreender o que se passou na região Yanomami no período em que o presidente era Fernando Collor de Melo”, disse.

Conforme o sociólogo, Roraima é um estado virtual que não tem condições de sobrevivência e que está de “pires na mão” para o Governo Federal e não pode desenvolver uma política própria por condições internacionais. “Roraima foi entregue com compromissos internacionais”, denunciou.

Sobre a solução para esse problema, o sociólogo citou o general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército Brasileiro, que declarou haver um “déficit de soberania na Amazônia”. Para Lorenzo Carrasco, além do déficit de soberania, há também um déficit de patriotismo. “Não falo isso somente com relação à população da Amazônia, mas de todo o País, porque é necessário que todos entendam e defendam a região”, destacou.

Ressaltou que estados como São Paulo, Santa Catarina e Minas Gerais, por exemplo, têm seus próprios interesses, mas é a Amazônia que unifica todo o Brasil. “O que é comum a todos é a Amazônia. Se a perdermos, vamos perder a alma, o sentimento nacional e isso venho discutindo nos últimos 20 anos. Sou mexicano, mas moro aqui há muitos anos, meus filhos nasceram aqui e tenho delegação de poderes deles para falar o que falo”, enfatizou.

FUNAI – Na palestra, Lorenzo Carrasco citou a Fundação Nacional do Índio (Funai), que não enviou nenhum representante para participar do Parlamento Amazônico em Roraima. Disse que perguntaria ao presidente da Funai, João Pedro da Costa, quais as providências do órgão federal para defender os índios dos narcotraficantes. Segundo ele, policiais que atuam na região Amazônica já declararam que o narcotráfico está convertendo índios em traficantes. (R.R)

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
0
0
Cadastrar-me Enviar Comentário
Hunt3r disse: Em 21/08/2015 às 09:02:09

"A FALTA DE PATRIOTISMO É UM MAL QUE ASSOLA À NAÇÃO PRATICAMENTE EM SUA TOTALIDADE, E NÃO É PORQUE A PESSOA VAI PRA UMA MANIFESTAÇÃO DE RUA, QUE SE TORNOU PATRIOTA, ISSO É O MINIMO A SER FEITO, E POR FAVOR NÃO VÃO PARA MANIFESTAÇÕES COM ISOPOR CHEIO DE CERVEJA COMO EU TENHO VISTO..."

Natal Altair disse: Em 21/08/2015 às 06:59:38

"Há muito tempo acompanho as declarações de Lorenzo, o qual admiro pelas colocações que sempre faz a respeito do ambientalismo e indigenismo que sufoca o desenvolvimento de Roraima. Nesse contexto, nunca percebi que a classe política hegemônica também responsável pelo subdesenvolvimento roraimense tem agido a partir das suas vastas fontes que provam que Roraima está lamentavelmente refém de tentáculos internacionais. Espera-se ações concretas,rompedoras das diversas barreiras que brecam nosso avanço como enter federativo, patriotismo de fato,cotidiano, não somente como o de reação a babaquice do Danilo Gentili."