TRF libera obras do linhão de Tucuruí - Folha de Boa Vista
ENERGIA EM RORAIMA
TRF libera obras do linhão de Tucuruí
O desembargador federal Candido Ribeiro determinou a suspensão imediata da liminar
Por Michel Sales
Em 11/03/2016 às 20:36

O Tribunal Regional Federal (TRF1), com sede em Brasília, suspendeu a liminar que impedia as obras do Linhão de Tucuruí. Agora a interligação de Roraima ao Sistema Hidrelétrico Nacional pode ser retomada de forma imediata.

A linha interligará Roraima ao Sistema Interligado Nacional (SIN), que hoje é abastecido por energia importada da Venezuela e por produção termelétrica local. Ao longo dessa semana houve diversos blecautes em Boa Vista, devido a problemas em uma subestação venezuelana.

O processo de licenciamento da linha foi interrompido por uma liminar concedida pela Justiça do Amazonas ao Ministério Púbico Federal. A Advocacia-Geral da União (AGU) solicitou ao TRF a suspensão da medida.

O desembargador federal Candido Ribeiro determinou a suspensão imediata da liminar afirmando que os agravantes não existem razões que fundamentem a impugnação.

Segundo o Ribeiro ficou demonstrada grave cessão a ordem e a economia pública pois o fornecimento de energia para Roraima é insuficiente para atender a necessidade da população.

“O atraso causa prejuízos de R$ 60 milhões por mês de paralisação na obra e esse valor é pago aos consumidores. A construção da citada linha tem fundamental importância no caráter estratégico nacional por interligar a única capital que não está no Sistema Nacional e eliminar a dependência da Venezuela”, disse o desembargador.

AÇÃO CIVIL PÚBLICA - Com base em uma carta dos indígenas Waimiri-Atroari encaminhada ao Ibama, o procurador da República no Amazonas, Fernando Merloto Soave, ingressou com uma ação civil pública pedindo à Justiça Federal a nulidade da Licença Prévia no processo do Licenciamento Ambiental do Ibama.

A ação pedia também a condenação da União, do Ibama, da Fundação Nacional do Índio (Funai) e da concessionária Transnorte Energia S/A à obrigação de fazer a consulta prévia, livre e informada aos índios, nos termos da Convenção nº 169/OIT, “mediante as condições previamente acordadas com o povo Waimiri-Atroari”.

Na ação, o procurador Fernando Soave afirma que o ofício do presidente da Funai, João Pedro Gonçalves da Costa, dando o aval ao Ibama para a Licença Prévia, demonstrou “caráter dúbio” em contraposição aos direitos garantidos e aos interesses legítimos do povo Waimiri-Atroari.

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
0
0
Cadastrar-me Enviar Comentário
Mônica disse: Em 12/03/2016 às 21:33:10

"Que essa sensatez seja mantida, pois ninguém merece tanto descaso, um Estado inteiro a mercê de interesses de todo o tipo, menos os favoráveis à população. Parabéns a bancada dos parlamentares de Roraima que tem lutado para que esse empreendimento tenha êxito e possa tirar o povo da escuridão."

Marcos Mourão disse: Em 11/03/2016 às 22:44:25

"Parar uma obra que irá beneficiar centenas de milhares de pessoas por causa de meia dúzia de índio, é demais para mim."