FRONTEIRA: Refugiados venezuelanos fazem cursos de português - Folha de Boa Vista
FRONTEIRA:
FRONTEIRA: Refugiados venezuelanos fazem cursos de português
As aulas terão início no dia 03 de agosto. Inscrições estão abertas
Por Folha Web
Em 24/07/2020 às 14:45
Os cursos serão realizados virtualmente em sete abrigos de Boa Vista (Foto: Arquivo Folhabv)

Apesar de certa familiaridade entre o português e o castelhano (espanhol), há importantes diferenças que podem trazer dificuldades a quem deseja estreitar a comunicação e viver uma rotina comum no Brasil.

Em Boa Vista (RR), os imigrantes e refugiados venezuelanos que estão abrigados nos centros de acolhimento da Operação Acolhida, terão a oportunidade de estudar o idioma falado no Brasil gratuitamente, sem precisar sair do abrigo. A iniciativa é uma proposta da AVSI Brasil, que executa o Acolhidos por meio do trabalho. O projeto visa apoiar a integração de venezuelanos no Brasil.

Sobre o curso

Os cursos serão realizados virtualmente em sete abrigos de Boa Vista gerenciados pela AVSI Brasil: Rondon 1, 2 e 3, Laftife Salomão, São Vicente 1, Santa Teresa e Jardim Floresta e serão ministrados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac/RR). Cada abrigo contará com três turmas diárias, com carga horária de 80 horas por turma, de segunda a sexta-feira, beneficiando 330 venezuelanos na primeira fase.

A duração do curso será de dois meses, com início no dia 03 de agosto. Ao final do curso, o aluno que apresentar 75% de presença receberá um certificado de conclusão com validade para todo o território brasileiro. Está estimada a entrega de 632 certificados até o final do projeto, previsto para setembro de 2021.

Thais Braga é a gerente do projeto Acolhidos por meio do trabalho. Ela explica que a metodologia aplicada irá proporcionar o desenvolvimento da competência comunicativa em Língua Portuguesa a partir do estudo e de conhecimentos gramaticais, discursivos, sociolinguísticos e estratégicos.

“Nosso projeto incentiva a integração de venezuelanos no Brasil, de modo a facilitar a interiorização voluntária para outras regiões a partir de uma oportunidade de trabalho. Assim, entendemos que o domínio do idioma é um elemento muito importante, para de fato, auxiliar em sua adaptação no país. Por isso, além da gramática, o curso prevê a elaboração de documentos, leitura, e também irá abordar questões sobre nossa sociedade, lazer, mercado de trabalho e suas características”, explica.

Os cursos serão implementados em modo virtual e contará com instrutores do Senac on-line, além de sete facilitadores, contratados pela AVSI Brasil, que atuarão presencialmente.  Cada facilitador será responsável por uma turma e prestará apoio para a utilização dos equipamentos, higienização da sala e prevenção à Covid-19, monitoramento dos alunos e engajamento dos venezuelanos.

Como participar?

O venezuelano que tiver interesse em participar pode fazer a inscrição no próprio abrigo gratuitamente. Os pré-requisitos são para pessoas que possuem algum tipo de experiência de trabalho prévia ou qualificação para entrada no mercado de trabalho. O aluno também deve ter idade economicamente ativa (entre 18 e 59 anos).

O venezuelano que tiver interesse em participar pode fazer a inscrição no próprio abrigo gratuitamente (Foto: Divulgação)

O projeto

O Acolhidos por meio do trabalho é implementado pela AVSI Brasil e Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH), com o envolvimento da Fundação AVSI e AVSI-USA e financiado pelo Departamento de População, Refugiados e Migração (PRM) do Governo dos Estados Unidos.  O projeto visa fortalecer as ações da Operação Acolhida - força tarefa humanitária liderada pelo Governo Federal. A iniciativa conta com o apoio institucional da Casa Civil da Presidência da República e do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

VÍDEOS RECOMENDADOS
***

Quer o site da FolhaBV com menos anúncios?

Um jornalismo profissional com identificação e compromisso com o regional que fiscaliza o poder público, combate o autoritarismo e a corrupção, veicula notícias interessantes, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. São mais de 50 reportagens todo dia. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE A FOLHABV
Gostou?
3
3
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!