PUBLICIDADE
TECNOLOGIA
WhatsApp levará à Justiça quem fizer uso de máquinas de spam
De acordo com Facebook, que é a dona do aplicativo, a medida começará a valer a partir do dia 7 de dezembro
Por Folha Web
Em 09/06/2019 às 10:28
Whatsapp acabou virando um propagador de notícias falsas, por meio de disparos automáticos (Foto: Divulgação)

Empresas que atuam no disparo de mensagens automáticas no Whatsapp podem ser levadas à Justiça, caso não interrompam esse tipo de atividade. O comunicado foi feito esta semana pelo Facebook, empresa dona do aplicativo.

O aviso foi feito pela empresa sem muito alarde, por meio de um comunicado publicado na sessão de perguntas e respostas do site do aplicativo. A medida começará a valer a partir do dia 7 de dezembro.

"O WhatsApp tomará medidas legais contra aqueles que determinarmos estarem engajados ou auxiliando outros envolvidos em abusos que violem nossos termos de serviço, como mensagens automatizadas, em massa ou uso não pessoal", destacou.

Apesar de não fazer muito barulho em torno da decisão, a empresa está, pela primeira vez, recorrendo a uma ação que não seja a simples modificação de uma função do app para solucionar um de seus principais problemas. O aplicativo acabou virando um propagador de notícias falsas, disseminadas via mensagens automáticas ou enviadas em massa.

"Estamos cientes de que algumas empresas tentam iludir nossos sistemas de aprendizado de máquina, mesmo quando trabalhamos incansavelmente para melhorá-los (...) É por isso que, além da aplicação tecnológica, também tomamos medidas judiciais contra indivíduos ou empresas que estejam ligados a evidências de tais abusos na plataforma", completou.

Para o aplicativo, o uso de ferramentas de disparo automático de mensagens vai contra seus termos de uso. O WhatsApp proíbe expressamente a criação de contas de forma automática ou de maneiras para usar o app em diversos dispositivos ao mesmo tempo.

A empresa diz que pode suspender ou encerrar a conta de alguém flagrado descumprindo suas regras. Apesar disso, não deixa claro sob qual argumentou levaria à Justiça a empresa ou os responsáveis por trás de uma "máquina de spam".

*INFORMAÇÕES: Portal Uol.

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!