PUBLICIDADE
CONTRA H1N1
Vacinação será antecipada em Roraima
Previsão é que doses de vacina cheguem ao Estado na última semana de março, cerca de 20 dias antes do período da campanha nacional de imunização
Por Paola Carvalho
Em 13/03/2019 às 11:00
Dados foram repassados em coletiva de imprensa (Foto: Priscilla Torres)

Para evitar um possível surto da H1N1, a população em Roraima deverá participar de uma antecipação de disponibilização das vacinas contra a doença. A previsão é que novas doses cheguem ao Estado já na última semana de março, cerca de 20 dias do período estipulado pelo calendário nacional de imunização.

A medida de antecipação foi repassada em coletiva de imprensa na manhã de hoje, 13, na Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde (CGVS). Na ocasião, foi ressaltado que a campanha de vacinação contra a H1N1 continua no mesmo período conforme o calendário nacional de imunização, acontecendo de 15 de abril a 31 de maio, tendo o dia 04 de maio como o Dia D.

Porém, os estados do Amazonas e Roraima serão priorizados pelo Ministério da Saúde para o recebimento de vacinas, tendo em vista os casos confirmados de H1N1. A espera pelo recebimento das doses até o fim do mês é por conta do prazo de elaboração das vacinas.

PUBLICIDADE

De acordo com Carmen Muniz, gerente do Núcleo Estadual do Programa Nacional de Imunização (PNE), é preciso de certo período para elaboração da vacina, antes que as doses sejam enviadas. “Todo ano mudam os componentes da vacina. Todo ano é feito a coleta e a pesquisa dos pacientes que chegam aos hospitais, para saber qual é o vírus que está circulando”, afirmou Carmen.

A CGVS também informou que ainda não sabe dizer quantas doses serão enviadas ao Estado, porém, a Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) pretende pedir uma ampliação do número para atender não só o público-alvo da doença, mas também a população migrante.

“Devido ao fluxo migratório, nós temos uma preocupação e já estamos em negociação, então, além da quantidade de vacinas que nós já iríamos receber, nós vamos receber também um aporte vacinal superior ao que seria equivalente a população de Roraima”, informou Lincoln Valença, diretor do Departamento de Vigilância Epidemiológica (DPE).

Casos suspeitos foram descartados

A gerente do Núcleo do Controle da Influenza no Estado, Aryuska Menezes, também tratou sobre os dois casos considerados suspeitos de H1N1 em Roraima. Conforme a gerente, os casos foram descartados ontem, 12, pela CGVS.

Aryuska explica que tanto os casos suspeitos, quanto o confirmado, foram levantados conforme o procedimento de sentinela, ou seja, quando as unidades de saúde realizam semanalmente cinco coletas de casos de gripe.

“Esses casos foram coletados por parte do protocolo. A pessoa chegou lá com os sintomas, o pessoal pega a coleta, a amostra e leva para o laboratório. É feita a análise e eles liberam o resultado. Esses casos eram suspeitos e que foram descartados. Assim como pode acontecer de vir mais pessoas apresentando os sintomas e vai seguir o protocolo como é feito semanalmente”, informou.

Confira as informações completas na edição impressa da Folha de amanhã, 14.

***
Gostou?
2
0
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!